Igualdades

Ciranda de cargos

Luigi Mazza, Fernanda da Escóssia e Renata Buono
10ago2020_11h20

Na máquina do governo federal, a cada cem servidores comissionados, dez são filiados a partidos políticos. A proporção vem caindo desde 2015, e hoje é a menor em quinze anos. Ainda assim, o Executivo conta atualmente com 3,2 mil funcionários ligados a mais de trinta legendas ocupando funções desse tipo. Cargos comissionados são aqueles que não exigem concurso e podem ser preenchidos por livre indicação do gestor público. Não por acaso, são campo aberto para indicações políticas. Pouca coisa mudou sob o governo de Jair Bolsonaro. Apesar da retórica do presidente contra a “velha política”, o Centrão e o PT ainda são maioria no funcionalismo federal. Juntos, respondem por mais da metade dos servidores filiados a partidos. A novidade está na ascensão da nova política aos velhos cargos comissionados. Entre dezembro de 2018 e dezembro de 2019, o número de filiados ao PSL e ao Novo ocupando cargos desse tipo quase dobrou: de 138, passou para 251. Os dados são da Escola Nacional de Administração Pública (Enap) e foram obtidos pela piauí por meio da Lei de Acesso à  Informação. A partir deles, o =igualdades faz um retrato da ocupação dos cargos do governo federal sob Bolsonaro.

Nos últimos vinte anos, a maior proporção de filiados a partidos políticos ocupando cargos comissionados no Executivo foi em 2015. Na época, 13 a cada 100 cargos eram ocupados por pessoas com filiação partidária. Essa proporção vem caindo desde então. Em dezembro de 2019, apenas 10 a cada 100 cargos eram ocupados por pessoas filiadas a partidos.

Nos cargos comissionados de nível 1, que têm menor salário, 11 a cada 100 servidores são filiados a partidos políticos. Nos cargos de “natureza especial” (ou nível 7), que têm os maiores salários, essa proporção dobra: 24 a cada 100 servidores são filiados a partidos.

De cada 100 funcionários comissionados com filiação partidária no Executivo, 39 são filiados a partidos do Centrão (como PP, MDB, DEM, PSD, etc.); 18 são filiados ao PT; 9 são filiados ao PSDB; 5 ao PSL; e os demais (29) são filiados a outros 12 partidos.



Nos cargos de nível 6 ou nível 7 – os dois com maior salário no governo federal –, a cada 40 servidores filiados a partidos, 9 são do MDB, 6 são do PSL, 5 do DEM e 4 do PSDB. Os demais estão distribuídos entre outros doze partidos.

A “despetização” da máquina pública, prometida por Bolsonaro na campanha eleitoral, vem acontecendo desde o começo do governo Temer. Em dezembro de 2015, antes do impeachment de Dilma, o PT ocupava 65 cargos comissionados do alto escalão do governo. Em dezembro de 2016, o número despencou para 9 cargos; em 2017, apenas 7 cargos; em 2018, só 5 cargos; e por fim, em dezembro de 2019, apenas 1 cargo.

Em dezembro de 2018, PSL e Novo somavam 138 filiados ocupando cargos comissionados no governo federal (85 do PSL, 53 do Novo). Em dezembro de 2019, esse número quase dobrou, chegando a 251 filiados aos dois partidos na máquina pública (152 do PSL, 99 do Novo).

O ministério mais “aparelhado” de Jair Bolsonaro é o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: a cada 40 cargos comissionados, 6 são ocupados por filiados a partidos políticos. O menos aparelhado é o Ministério das Relações Exteriores: a cada 40 cargos, apenas 1 é ocupado por servidores filiados a partidos.

[Post atualizado às 16:04 do dia 11/08 para a inclusão dos dados discriminados do PSL e do Novo, na penúltima comparação.]

Fontes: Escola Nacional de Administração Pública (Enap), via Lei de Acesso à Informação.

Dados abertos: Acesse planilha com os dados utilizados pela reportagem.

Nota metodológica: Os dados são sempre referentes a dezembro de cada ano. Apesar do anúncio de que MDB e DEM saíram do Centrão, os partidos foram considerados como parte do bloco informal, já que os dados vão até 2019, quando o racha ainda não tinha acontecido. Foram contabilizadas como Centrão, portanto, as seguintes legendas: MDB, DEM, PP, PTB, PL, PSD, PSC, PROS, Patriota, Republicanos, Solidariedade e Avante.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Fernanda da Escóssia (siga @fescossia no Twitter)

Editora da piauí (site). Foi repórter da Folha de S.Paulo e editora de política do Globo

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Os negócios da pandemia

Mais rápido que o Ministério da Saúde, o da Defesa já gastou quase 100% dos 531 milhões de reais que recebeu para o enfrentamento da Covid-19. Parte do dinheiro se destinou à compra de dezoito caminhonetes que ainda não foram entregues 

Uma facada atrás da outra

Apoiadores de Bolsonaro, inclusive um que foi a Juiz de Fora resgatá-lo depois do atentado, mostram decepção com o presidente e o governo; Flavio pede fé para 2021

Mentira e ilusão

Morador provisório do Palácio da Alvorada fabrica falsidades sem cerimônia

“Mamadeira de piroca” versão 2020

Monitoramento em oito capitais mostra como candidatos conservadores acusaram adversários usando “ideologia de gênero”

Inválidos, Paes e o Bispo

Paes derrota Crivella em todas as 49 zonas eleitorais, mas perde para abstenções em números absolutos

Foro ao vivo no 2º turno: o que concluir das eleições

Podcast de política da piauí fez um balanço do resultado das eleições municipais; a íntegra do programa ao vivo está disponível no YouTube

Mais textos
2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

6

Cirurgia à peruana

Em conversa com Paula Scarpin, Bernardo Esteves fala sobre a Chegada da piauí_100

7

Ministério da Agricultura proíbe promoção de chã, patinho e lagarto

BRASÍLIA - “É um cartel!” Foi assim, com exclamação e tudo, que o ministro da Agricultura e Pecuária, Reinhold Stephanes, abriu a coletiva de imprensa para anunciar as resoluções de sua pasta para o último ano do governo Lula. Entre as principais medidas, a que causou mais impacto foi a proibição da venda de chã, patinho e lagarto por preços iguais. “Faz mais de vinte anos que escuto, nos anúncios dos mercados, que essas três carnes estão em promoção, e mais, vendidas pelo mesmo valor", disse indignado.

8

Hipótese Escorel

Após ler o post de Eduardo Escorel motivado por um debate sobre cinema brasileiro em Porto Alegre, o crítico Jean-Claude Bernardet escreveu-lhe: “Aceito tudo o que você escreve, não me sinto em contradição com você. No entanto, seu texto me deixa insatisfeito, porque eu sinto no teu texto como nos meus que estamos girando em torno de algo que não sabemos o que é, ou preferimos não saber.” 

9

Cinema político (I)

Nós – cineastas, produtores e demais integrantes da comunidade cinematográfica – temos capacidade de interagir com o público através de filmes que reflitam a gravidade da crise que o país atravessa?