Igualdades

Ciranda de cargos

Luigi Mazza, Fernanda da Escóssia e Renata Buono
10ago2020_11h20

Na máquina do governo federal, a cada cem servidores comissionados, dez são filiados a partidos políticos. A proporção vem caindo desde 2015, e hoje é a menor em quinze anos. Ainda assim, o Executivo conta atualmente com 3,2 mil funcionários ligados a mais de trinta legendas ocupando funções desse tipo. Cargos comissionados são aqueles que não exigem concurso e podem ser preenchidos por livre indicação do gestor público. Não por acaso, são campo aberto para indicações políticas. Pouca coisa mudou sob o governo de Jair Bolsonaro. Apesar da retórica do presidente contra a “velha política”, o Centrão e o PT ainda são maioria no funcionalismo federal. Juntos, respondem por mais da metade dos servidores filiados a partidos. A novidade está na ascensão da nova política aos velhos cargos comissionados. Entre dezembro de 2018 e dezembro de 2019, o número de filiados ao PSL e ao Novo ocupando cargos desse tipo quase dobrou: de 138, passou para 251. Os dados são da Escola Nacional de Administração Pública (Enap) e foram obtidos pela piauí por meio da Lei de Acesso à  Informação. A partir deles, o =igualdades faz um retrato da ocupação dos cargos do governo federal sob Bolsonaro.

Nos últimos vinte anos, a maior proporção de filiados a partidos políticos ocupando cargos comissionados no Executivo foi em 2015. Na época, 13 a cada 100 cargos eram ocupados por pessoas com filiação partidária. Essa proporção vem caindo desde então. Em dezembro de 2019, apenas 10 a cada 100 cargos eram ocupados por pessoas filiadas a partidos.

Nos cargos comissionados de nível 1, que têm menor salário, 11 a cada 100 servidores são filiados a partidos políticos. Nos cargos de “natureza especial” (ou nível 7), que têm os maiores salários, essa proporção dobra: 24 a cada 100 servidores são filiados a partidos.

De cada 100 funcionários comissionados com filiação partidária no Executivo, 39 são filiados a partidos do Centrão (como PP, MDB, DEM, PSD, etc.); 18 são filiados ao PT; 9 são filiados ao PSDB; 5 ao PSL; e os demais (29) são filiados a outros 12 partidos.

Nos cargos de nível 6 ou nível 7 – os dois com maior salário no governo federal –, a cada 40 servidores filiados a partidos, 9 são do MDB, 6 são do PSL, 5 do DEM e 4 do PSDB. Os demais estão distribuídos entre outros doze partidos.

A “despetização” da máquina pública, prometida por Bolsonaro na campanha eleitoral, vem acontecendo desde o começo do governo Temer. Em dezembro de 2015, antes do impeachment de Dilma, o PT ocupava 65 cargos comissionados do alto escalão do governo. Em dezembro de 2016, o número despencou para 9 cargos; em 2017, apenas 7 cargos; em 2018, só 5 cargos; e por fim, em dezembro de 2019, apenas 1 cargo.

Em dezembro de 2018, PSL e Novo somavam 138 filiados ocupando cargos comissionados no governo federal (85 do PSL, 53 do Novo). Em dezembro de 2019, esse número quase dobrou, chegando a 251 filiados aos dois partidos na máquina pública (152 do PSL, 99 do Novo).

O ministério mais “aparelhado” de Jair Bolsonaro é o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: a cada 40 cargos comissionados, 6 são ocupados por filiados a partidos políticos. O menos aparelhado é o Ministério das Relações Exteriores: a cada 40 cargos, apenas 1 é ocupado por servidores filiados a partidos.

[Post atualizado às 16:04 do dia 11/08 para a inclusão dos dados discriminados do PSL e do Novo, na penúltima comparação.]

Fontes: Escola Nacional de Administração Pública (Enap), via Lei de Acesso à Informação.

Dados abertos: Acesse planilha com os dados utilizados pela reportagem.

Nota metodológica: Os dados são sempre referentes a dezembro de cada ano. Apesar do anúncio de que MDB e DEM saíram do Centrão, os partidos foram considerados como parte do bloco informal, já que os dados vão até 2019, quando o racha ainda não tinha acontecido. Foram contabilizadas como Centrão, portanto, as seguintes legendas: MDB, DEM, PP, PTB, PL, PSD, PSC, PROS, Patriota, Republicanos, Solidariedade e Avante.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí

Fernanda da Escóssia (siga @fescossia no Twitter)

Editora da piauí. Foi repórter da Folha de S.Paulo e editora de política do Globo

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Doria x Ciro, o duelo pelo terceiro lugar

O que funciona ou não nas estratégias de quem se vende como “alternativo”

Séculos de escuridão nas Forças Armadas

Se uma mesma pessoa pedisse acesso a todos os documentos desclassificados pelo Exército desde 2013, levaria 695 anos para receber todas as respostas

Cinco anos para protestos de junho de 2013, sigilo eterno para a exportação de armas

Documentos com informações sobre junho de 2013 ficaram ocultos até 2018; dados sobre armas vendidas ao Zimbábue permanecem sob sigilo industrial

A história do coveiro filósofo

Sepultador narra de que forma a filosofia alemã o ajuda a enfrentar os horrores da pandemia, como tirar o caixão de um filho das mãos da mãe ou enterrar doze pessoas no mesmo dia

Foro de Teresina #155: O apagão de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Quinze anos de sigilo sobre “reunião da boiada” e cinco anos para relatórios do Ministério da Justiça sobre rolezinhos

Monitoramento de rolezinhos de jovens mereceu segredo por cinco anos; vídeo da reunião ministerial de abril de 2020, pelo triplo desse tempo

Candidato a animador

A não candidatura que promoveu Luciano Huck das tardes de sábado para as de domingo na Globo

Foro de Teresina ao vivo

Podcast de política da piauí terá edição especial em vídeo

Cinco anos de segredo para presos no Haiti e mortes no Jacarezinho

Sigilo de cinco anos protege documentos sem novidade, como sobre detentos haitianos, e outros sobre os quais pouco se sabe, como as mortes no Jacarezinho

“Sou um homem e amo outro homem”

No mês do orgulho LGBTQ+, o estilista Ronaldo Fraga conta como se apaixonou por um rapaz após dois casamentos com mulheres e critica retrocesso no governo Bolsonaro

Mais textos