questões de segurança

Com medo do suplente, candidata do PSL ao Senado usa colete à prova de balas em comício

Polícia sul-mato-grossense instaurou inquérito contra Rodolfo Oliveira Nogueira, chamado de “amigo pessoal do capitão” Bolsonaro pelo presidente do partido

Allan de Abreu e Consuelo Dieguez
05out2018_15h28
Rodolfo Nogueira na casa de Bolsonaro, no Rio
Rodolfo Nogueira na casa de Bolsonaro, no Rio /REPRODUÇÃO

Candidata ao Senado pelo PSL em Mato Grosso do Sul, Soraya Vieira Thronicke tem feito carreatas no interior do estado vestida com um colete à prova de balas debaixo da camiseta verde e amarela repleta de adesivos de apoio ao presidenciável do seu partido, Jair Bolsonaro. Além disso, ela só sai de casa na companhia de dois seguranças armados. “A coisa aqui está muito feia. Melhor eu me proteger”, disse.

O que provoca medo na candidata, uma advogada de 45 anos, é o seu próprio primeiro suplente, Rodolfo Oliveira Nogueira, 44, depois de, segundo ela, ter sido ameaçada de morte por ele no telefone. A versão foi narrada em um boletim de ocorrência registrado em 29 de agosto, na 1ª Delegacia de Campo Grande.

Nogueira é um pecuarista na região de Dourados, sul do estado. À Justiça Eleitoral, declarou patrimônio de 3,4 milhões de reais. Seus bens mais vistosos são uma fazenda de 750 hectares e uma conta corrente com saldo de 1,3 milhão de reais. Filiado ao PSL desde março, tornou-se presidente da legenda no estado e agora encara sua primeira eleição. É muito próximo de Bolsonaro – na página de Nogueira no Facebook há várias fotos de ambos e um vídeo em que o presidente nacional do partido, Gustavo Bebianno, diz que o pecuarista é “amigo pessoal do capitão”.

Soraya também é neófita em eleições. Surgiu como liderança popular nas passeatas de 2013, em Campo Grande. Filiou-se ao Novo em setembro do ano passado e, em março deste ano, ao PSL. Declarou patrimônio de 10 mil reais, dinheiro em espécie. Em pesquisa Ibope divulgada no dia 4, Soraya tinha 4% de intenções de voto, atrás de outros seis candidatos.

 

O imbróglio entre ele e Soraya começou em meados de agosto, quando ela se deparou, nas ruas de Campo Grande, com adesivos colados nos vidros traseiros de automóveis em que a figura de Bolsonaro aparecia ao lado do candidato a senador Dorival Betini, do PMB, adversário de Soraya. Ao se queixar a Nogueira, ele teria dito que autorizara Betini a usar a imagem do presidenciável. Dias depois, a candidata encontrou santinhos em que o número de Bolsonaro na urna aparecia ao lado de candidatos do PSDB e do PTB ao Senado – as duas siglas são coligadas ao PSL no estado.

Soraya decidiu reclamar diretamente com o presidente nacional do PSL. Horas depois da conversa com Bebianno, Nogueira teria telefonado para a candidata e feito ameaças. “Eu vou te avisar, nunca mais passe por cima de mim… Escute bem: na próxima vez que você passar por cima de mim eu acabo com você”, teria dito Nogueira, na versão da advogada – a conversa não foi gravada.

A Polícia Civil instaurou inquérito para investigar o crime de ameaça, cuja pena varia de um a seis meses de prisão. Soraya também formalizou uma representação contra o seu suplente no diretório nacional do PSL. No documento, a candidata pede intervenção no diretório estadual do partido e a expulsão de Nogueira da legenda. “A gestão do PSL em Mato Grosso do Sul é desastrosa e incompetente. Com efeito, a única qualidade que o representado [Nogueira] aparenta ter em benefício do partido é sua propagada ‘amizade’ com Jair Bolsonaro, que utiliza apenas para si próprio, prejudicando a todos os demais candidatos do PSL”, afirmam os advogados de Soraya no documento. Procurado, Bebianno não foi localizado pela piauí para comentar o episódio.

Nogueira divulgou uma nota em que acusa a candidata de “vitimismo e mentiras” para produzir “histeria eleitoral” e diz que houve erro na confecção dos santinhos. Ele confirma ter discutido com Soraya ao telefone, mas nega tê-la ameaçado. “Deixo claro que sou marido, pai de duas meninas e um menino, e sou filho: jamais ameaçaria a integridade física, sequer psicológica, de uma mulher.”



Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela editora Record

Consuelo Dieguez (siga @consuelodieguez no Twitter)

Repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Cobaias ou heróis?

Cerca de 90 voluntários serão infectados por cientistas com o SARS-COV-2 para ajudar a responder perguntas vitais que permanecem sem resposta desde o começo da pandemia

A sutil arte de ligar o BBB

Com 77 milhões de menções no Twitter, programa deixou para trás Bolsonaro, Covid, vacina e futebol; Globo acolhe Karol Conká em “operação descancelamento”

Vacina atrasada, variante acelerada

Ritmo lento de imunização aumenta risco de disseminação de mutações do Sars-CoV-2

Foro de Teresina #139: Liberalismo adernado e o tsunami

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Erros em série e 250 mil mortes

Sem plano eficaz de imunização, dinheiro das vacinas paga até gasto sigiloso com operação de inteligência do Exército; governo financia campanha de tratamento precoce e mantém no ar manual para uso de cloroquina

No rastro do doleiro dos doleiros

Inquérito investiga como Dario Messer movimentou mais de 100 milhões de dólares em contas no Banco Safra no exterior - e se banco violou regras contra lavagem de dinheiro

Mais textos
3

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

4

A representação de Eva

Sua beleza exercia sobre mim um fascínio irresistível, mas meu pai a chamava de bataclana. De Perón, ele não perdoava o presente. De Eva, além do presente, era imperdoável o passado

5

The Ziriguidum Herald: Desfile das Pronatecs de Samba do Grupo Especial

O tradicional desfile das Escolas Técnicas do Samba, implementadas com indiscutível êxito no governo Dilma, ocorrerá no Eixo Monumental. Em portentosa exibição, as escolas prometem sacudir a poeira da Capital Federal exaltando os feitos petistas que a imprensa golpista insiste em difamar.

6

Kendry quer ser rainha

A pequena candidata do povo

7

The Presidential Laquê Herald

Para boa parte dos brasileiros, o primeiro adjetivo que vem à mente quando se menciona o penteado presidencial é “glorioso”. Nada mais natural. Com a possível exceção de Nefertite, cujo adereço capilar seduziu não só Amenófis IV mas todo o Alto Nilo, em 3 mil anos de História nenhum outro chefe de Estado soube usar tão bem suas melenas para cativar o mundo civilizado. O que pouca gente sabe, no entanto, é que o laquê rousseffiano é bem mais do que um ardiloso instrumento de fascínio. 

8

Dois mestres americanos do desenho

Uma edição com David Levine, Robert Crumb e também com as tiras do gaúcho Rafael Sica

9

Período em silêncio faz popularidade de Marina subir 30%

LIMBO - Quando certa manhã Marina Silva acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se na cama metamorfoseada em candidata novamente. "Durante o período mais agudo da Lava Jato, Marina permaneceu em silêncio