questões de segurança

Com medo do suplente, candidata do PSL ao Senado usa colete à prova de balas em comício

Polícia sul-mato-grossense instaurou inquérito contra Rodolfo Oliveira Nogueira, chamado de “amigo pessoal do capitão” Bolsonaro pelo presidente do partido

Allan de Abreu e Consuelo Dieguez
05out2018_15h28
Rodolfo Nogueira na casa de Bolsonaro, no Rio
Rodolfo Nogueira na casa de Bolsonaro, no Rio /REPRODUÇÃO

Candidata ao Senado pelo PSL em Mato Grosso do Sul, Soraya Vieira Thronicke tem feito carreatas no interior do estado vestida com um colete à prova de balas debaixo da camiseta verde e amarela repleta de adesivos de apoio ao presidenciável do seu partido, Jair Bolsonaro. Além disso, ela só sai de casa na companhia de dois seguranças armados. “A coisa aqui está muito feia. Melhor eu me proteger”, disse.

O que provoca medo na candidata, uma advogada de 45 anos, é o seu próprio primeiro suplente, Rodolfo Oliveira Nogueira, 44, depois de, segundo ela, ter sido ameaçada de morte por ele no telefone. A versão foi narrada em um boletim de ocorrência registrado em 29 de agosto, na 1ª Delegacia de Campo Grande.

Nogueira é um pecuarista na região de Dourados, sul do estado. À Justiça Eleitoral, declarou patrimônio de 3,4 milhões de reais. Seus bens mais vistosos são uma fazenda de 750 hectares e uma conta corrente com saldo de 1,3 milhão de reais. Filiado ao PSL desde março, tornou-se presidente da legenda no estado e agora encara sua primeira eleição. É muito próximo de Bolsonaro – na página de Nogueira no Facebook há várias fotos de ambos e um vídeo em que o presidente nacional do partido, Gustavo Bebianno, diz que o pecuarista é “amigo pessoal do capitão”.

Soraya também é neófita em eleições. Surgiu como liderança popular nas passeatas de 2013, em Campo Grande. Filiou-se ao Novo em setembro do ano passado e, em março deste ano, ao PSL. Declarou patrimônio de 10 mil reais, dinheiro em espécie. Em pesquisa Ibope divulgada no dia 4, Soraya tinha 4% de intenções de voto, atrás de outros seis candidatos.

 

O imbróglio entre ele e Soraya começou em meados de agosto, quando ela se deparou, nas ruas de Campo Grande, com adesivos colados nos vidros traseiros de automóveis em que a figura de Bolsonaro aparecia ao lado do candidato a senador Dorival Betini, do PMB, adversário de Soraya. Ao se queixar a Nogueira, ele teria dito que autorizara Betini a usar a imagem do presidenciável. Dias depois, a candidata encontrou santinhos em que o número de Bolsonaro na urna aparecia ao lado de candidatos do PSDB e do PTB ao Senado – as duas siglas são coligadas ao PSL no estado.

Soraya decidiu reclamar diretamente com o presidente nacional do PSL. Horas depois da conversa com Bebianno, Nogueira teria telefonado para a candidata e feito ameaças. “Eu vou te avisar, nunca mais passe por cima de mim… Escute bem: na próxima vez que você passar por cima de mim eu acabo com você”, teria dito Nogueira, na versão da advogada – a conversa não foi gravada.

A Polícia Civil instaurou inquérito para investigar o crime de ameaça, cuja pena varia de um a seis meses de prisão. Soraya também formalizou uma representação contra o seu suplente no diretório nacional do PSL. No documento, a candidata pede intervenção no diretório estadual do partido e a expulsão de Nogueira da legenda. “A gestão do PSL em Mato Grosso do Sul é desastrosa e incompetente. Com efeito, a única qualidade que o representado [Nogueira] aparenta ter em benefício do partido é sua propagada ‘amizade’ com Jair Bolsonaro, que utiliza apenas para si próprio, prejudicando a todos os demais candidatos do PSL”, afirmam os advogados de Soraya no documento. Procurado, Bebianno não foi localizado pela piauí para comentar o episódio.

Nogueira divulgou uma nota em que acusa a candidata de “vitimismo e mentiras” para produzir “histeria eleitoral” e diz que houve erro na confecção dos santinhos. Ele confirma ter discutido com Soraya ao telefone, mas nega tê-la ameaçado. “Deixo claro que sou marido, pai de duas meninas e um menino, e sou filho: jamais ameaçaria a integridade física, sequer psicológica, de uma mulher.”

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela Record

Consuelo Dieguez

Consuelo Dieguez, repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Utoya – 22 de Julho – enigma persistente

Filme ousa ao retratar atentado na Noruega sem pretender explicar suas razões

Nos tribunais, o lobby das bombas de insulina

Em cinco anos, a Justiça paulista favoreceu a fabricante Medtronic em 76% das decisões que deram o aparelho a diabéticos; conselho condena "relação antiética" entre médicos e empresa

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Mais textos
2

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

3

A revolta conservadora

Bolsonaro será o líder de um governo antiestablishment

4

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

6

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

7

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

8

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

9

Nos tribunais, o lobby das bombas de insulina

Em cinco anos, a Justiça paulista favoreceu a fabricante Medtronic em 76% das decisões que deram o aparelho a diabéticos; conselho condena "relação antiética" entre médicos e empresa

10

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país