=igualdades

Depois de cair 68% após decisão do STF, mortes pela polícia no Rio voltam ao patamar pré-pandemia

Hellen Guimarães e Renata Buono
10fev2021_09h00

O estado do Rio teve seu início de ano de maior letalidade policial desde que começou a contabilizar essas ocorrências, em 2003. De janeiro a maio de 2020, a polícia do estado matou 744 pessoas, uma média de 149 por mês. No início de junho, porém, o Supremo Tribunal Federal decidiu, em caráter liminar, restringir as operações policiais por conta da pandemia. De junho a setembro, o número total de mortos por policiais no estado do Rio despencou para 191, uma média de 48 por mês. A queda em relação à proporção dos meses anteriores é de 68%.

Em outubro, porém, segundo o Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos da Universidade Federal Fluminense (Geni/UFF), as reorientações políticas no comando da segurança do estado fizeram o número de operações na Região Metropolitana dobrar em relação ao mês anterior (de 19 para 38 ações policiais), mesmo com a decisão do STF ainda vigente.

O número total de mortos policiais no estado verificado pelo ISP, em operações ou não, seguiu a tendência e triplicou: foi de 54 em setembro a 145 em outubro, um patamar mais alto até que maio, antes da liminar (130 mortes). A média de mortos por policiais nos últimos meses do ano também dobrou em relação à proporção dos meses anteriores: de outubro a dezembro, foram 101 mortes por mês.

Fontes: Instituto de Segurança Pública (ISP) e Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos da Universidade Federal Fluminense (Geni/UFF)



Hellen Guimarães (siga @HellenGuimaraes no Twitter)

Repórter da piauí. Trabalhou em O Globo, Extra, Época e Agência Lupa

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

Foro de Teresina #149: O Congresso entre a CPI, Bolsonaro e Lula

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na piauí_176

A capa e os destaques da edição de maio

“Queima” de cloroquina pré-CPI

Após 337 dias no ar, Ministério da Saúde apagou recomendação para uso da droga às vésperas de comissão ser instalada no Senado

Mais nebuloso e mais conservador

Professores respondem a tréplica de Benamê Kamu Almudras

Pseudônimo para quem?

De que forma um monólogo pode se esconder por detrás de um diálogo

Paulo Gustavo mirava carreira internacional com Amazon a partir de 2022

Humorista estava de saída do Grupo Globo e já tinha assinado contrato de cinco anos com plataforma de streaming

Lava-se de tudo – sangue, pó e propina

Empresa de cobrança virou lavanderia de dinheiro para contrabandistas e PCC; esquema movimentou pelo menos 700 milhões de reais em quatro anos

Mais textos