Igualdades

Dízimos e dívidas

Luigi Mazza e Renata Buono
21set2020_10h43

Igrejas e institutos ligados a todas as religiões devem ao menos 1,3 bilhão de reais à União. É uma dívida formada sobretudo por tributos não pagos à Previdência – em geral, contribuições ao INSS que as igrejas deixaram de recolher. Também entram para a conta multas criminais e valores não pagos ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O débito se concentra na mão de poucas igrejas, sendo uma das principais a Igreja Internacional da Graça de Deus, do missionário R.R. Soares, que deve 145 milhões de reais. Coube ao filho do pastor, o deputado federal David Soares (DEM-SP), apresentar a emenda ao Projeto de Lei 1581/2020 que propõe perdoar a dívida bilionária das igrejas. No último dia 11, o texto foi sancionado em parte pelo presidente Jair Bolsonaro: as dívidas previdenciárias deixaram de ser contabilizadas, as demais permaneceram como estavam. O projeto voltou à Câmara dos Deputados, que decidirá se mantém, derruba ou amplia essa anistia. O =igualdades fez um raio X das dívidas das igrejas, com base nos dados da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.

As igrejas e associações ligadas a elas somam dívidas de ao menos R$ 1,3 bilhão, segundo os dados da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. O dado leva em conta dívidas com a Previdência, com o FGTS e com outros encargos. Isso é praticamente o triplo da dívida de todos os times de futebol dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro (juntos, eles devem R$ 491 milhões à União).

A dívida das igrejas se concentra na Previdência. A cada R$ 100 devidos à União, R$ 70 são dívidas previdenciárias, R$ 28 são dívidas em geral (tributárias, multas trabalhistas, criminais, entre outras) e R$ 2 são contribuições não recolhidas do FGTS.

O Instituto Geral Evangélico, sediado no Rio de Janeiro, acumula uma dívida de R$ 555 milhões com a Previdência. Com isso, responde sozinho por mais de 60% das dívidas previdenciárias de todas as igrejas e associações religiosas do país.

As dívidas se concentram nas mãos de poucos. Quatro igrejas respondem, juntas, por mais de 20% da dívida total das igrejas e associações religiosas. São elas a Igreja Internacional da Graça de Deus (R$ 145,3 milhões), a Igreja Mundial do Poder de Deus (R$ 90,5 milhões), a Igreja Apostólica Renascer em Cristo (R$ 33,4 milhões) e a Associação Vitória em Cristo (R$ 35,7 milhões).

A Igreja Internacional da Graça de Deus, do missionário R.R. Soares, deve R$ 145,3 milhões à União. É quase tanto dinheiro quanto devem todos os centros de espiritismo e umbanda listados na dívida pública – juntos, eles acumulam débitos de pelo menos R$ 156 milhões.

A Igreja Mundial do Poder de Deus, do pastor Valdemiro Santiago, tem dívidas registradas de R$ 90,5 milhões com a União. É mais que o dobro das dívidas em nome da Associação Vitória em Cristo, do ministério do pastor Silas Malafaia, que deve R$ 35,7 milhões.

O buraco pode sempre ser mais embaixo. A dívida de R$ 1,3 bilhão das igrejas e associações religiosas não chega nem perto da dívida acumulada por quatro empresas de Eike Batista que hoje estão em recuperação judicial: MMX Mineração, OSX Serviços Operacionais, OSX Brasil S.A. e OSX Construção Naval. Somadas, elas devem R$ 3,3 bilhões à União. O grosso dessa dívida é formada por tributos não pagos, como IOF – Imposto sobre Operações Financeiras – e Cofins – Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social.

Fonte: Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN).

Nota metodológica: O cálculo das dívidas considera apenas os débitos em situação irregular – isto é, que estão em fase de cobrança efetiva pela PGFN. Não foram levados em conta benefícios fiscais, dívidas sob garantia de pagamento e dívidas suspensas por decisão judicial.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Doria x Ciro, o duelo pelo terceiro lugar

O que funciona ou não nas estratégias de quem se vende como “alternativo”

Séculos de escuridão nas Forças Armadas

Se uma mesma pessoa pedisse acesso a todos os documentos desclassificados pelo Exército desde 2013, levaria 695 anos para receber todas as respostas

Cinco anos para protestos de junho de 2013, sigilo eterno para a exportação de armas

Documentos com informações sobre junho de 2013 ficaram ocultos até 2018; dados sobre armas vendidas ao Zimbábue permanecem sob sigilo industrial

A história do coveiro filósofo

Sepultador narra de que forma a filosofia alemã o ajuda a enfrentar os horrores da pandemia, como tirar o caixão de um filho das mãos da mãe ou enterrar doze pessoas no mesmo dia

Foro de Teresina #155: O apagão de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Quinze anos de sigilo sobre “reunião da boiada” e cinco anos para relatórios do Ministério da Justiça sobre rolezinhos

Monitoramento de rolezinhos de jovens mereceu segredo por cinco anos; vídeo da reunião ministerial de abril de 2020, pelo triplo desse tempo

Candidato a animador

A não candidatura que promoveu Luciano Huck das tardes de sábado para as de domingo na Globo

Foro de Teresina ao vivo

Podcast de política da piauí terá edição especial em vídeo

Cinco anos de segredo para presos no Haiti e mortes no Jacarezinho

Sigilo de cinco anos protege documentos sem novidade, como sobre detentos haitianos, e outros sobre os quais pouco se sabe, como as mortes no Jacarezinho

“Sou um homem e amo outro homem”

No mês do orgulho LGBTQ+, o estilista Ronaldo Fraga conta como se apaixonou por um rapaz após dois casamentos com mulheres e critica retrocesso no governo Bolsonaro

Mais textos