Questões da Ciência

Em tempo real

Quem se interessar por biologia e tiver facilidade para ler em inglês tem uma rara oportunidade para assistir de camarote à negociação de uma fascinante controvérsia da ciência. A bióloga Rosie Redfield, principal contestadora da existência de bactérias capazes de metabolizar arsênio, está relatando em seu blog todos os passos da sua tentativa de convencer a comunidade científica de que está certa.

Bernardo Esteves
26abr2012_18h06
Science
Science

Quem se interessar por biologia e tiver facilidade para ler em inglês tem uma rara oportunidade para assistir de camarote à negociação de uma fascinante controvérsia da ciência. A bióloga Rosie Redfield, principal contestadora da existência de bactérias capazes de metabolizar arsênio, está relatando em seu blog todos os passos da sua tentativa de convencer a comunidade científica de que está certa.

A controvérsia em questão teve início com a publicação, em dezembro de 2010, de um artigo na revista Science por uma equipe financiada pela Nasa. Eles anunciaram a descoberta de bactérias que tinham arsênio em vez de fósforo em suas moléculas de DNA. Se fosse verdade, seria o único caso conhecido em todas as formas de vida da Terra. Anunciado com alarde, o estudo conduzido por Felisa Wolfe-Simon foi recebido com ceticismo por muitos biólogos – afinal, alegações extraordinárias precisam de provas extraordinárias, como defende um ditado conhecido entre os cientistas.

Dentre os pesquisadores críticos a esse artigo, destacou-se o nome de Rosemary Redfield, uma microbiologista de fisionomia simpática que gosta de pintar os cabelos grisalhos de rosa e comanda um laboratório na Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá. Ela postou em seu blog objeções ao estudo logo depois da sua publicação e assinou uma das oito contestações formais ao trabalho que a Science publicou seis meses depois.

Mas Redfield precisava de uma evidência mais contundente para provar que estava certa. Convencida de que as bactérias de Wolfe-Simon não estavam incorporando arsênio ao seu DNA, ela decidiu replicar o experimento original em seu laboratório. Queria mostrar, com isso, que os resultados relatados por Wolfe-Simon podiam ser explicado por fatores como a contaminação do meio de cultura por fosfato. Conforme ela esperava, sua equipe não conseguiu cultivar as bactérias num meio com arsênio e sem fósforo. Como manda o figurino, eles prepararam um artigo relatando os resultados da tentativa frustrada e submeteram para publicação na mesma Science que publicara o trabalho original.



Num exemplo raro de transparência, Redfield está documentando em seu blog todas as etapas desse processo. No final de janeiro, ela anunciou que submetera o artigo à revista. Paralelamente, disponibilizou uma cópia do texto para quem quisesse lê-lo no arXiv, um repositório de trabalhos ainda não publicados usado principalmente por pesquisadores das ciências exatas. A disponibilização do artigo suscitou vários comentários por parte dos leitores do blog, num exemplo bem sucedido de um modelo aberto de avaliação dos artigos científicos que poderia substituir a revisão por pares tal como é feita hoje.

Em meados de março, Redfield comunicou em seu blog que recebera a avaliação do seu artigo elaborada pelos três pareceristas anônimos designados pela Science. Mais que isso, ela publicou os pareceres na internet. Essa é uma iniciativa especialmente interessante para quem acompanha de fora o dia a dia da ciência, pois essas avaliações não costumam ser divulgadas. Apesar do caráter técnico da discussão, a leitura desses pareceres é fascinante por revelar a natureza das negociações entre autores e revisores.

A última novidade do caso foi anunciada por Redfield na semana passada: sua equipe voltou ao artigo e submeteu uma nova versão à revista Science, levando em conta as observações dos pareceristas (o texto disponível no arXiv também foi atualizado). Reproduziu ainda a carta encaminhada aos editores do periódico, na qual discute a mudança do título sugerida por eles e outros pontos.

A novela não acabou: o próximo passo deve ser o aceite ou a recusa do artigo pela Science. Redfield certamente relatará o desdobramento. A quem quiser acompanhar os próximos capítulos em tempo real, basta assinar o RSS de seu blog.

(foto: Jorge Barrios)

Leia também:
A volta das bactérias ‘extraterrestres’
Silêncio rompido

Bernardo Esteves (siga @besteves no Twitter)

Repórter da piauí desde 2010, é autor do livro Domingo É Dia de Ciência, da Azougue Editorial

Leia também

Últimas Mais Lidas

Marcadores do destino

Marcadores presentes no sangue podem aumentar ou diminuir os riscos do paciente infectado pela Covid-19 em desenvolver casos graves da doença

De puxadinho da Universal a queridinho da direita

No espaço deixado pelo PSL, Republicanos dobra número de prefeitos e se torna partido com mais vereadores eleitos em capitais

Foro de Teresina #128: As urnas, o racismo e o vírus

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Teatro político

Ricardo Nunes, vice da chapa de Bruno Covas, faz encontro em teatro que recebeu repasse de 150 mil reais autorizado pela prefeitura de São Paulo

Confiança no SUS tem crescimento recorde na pandemia

Pesquisa inédita do Ibope mostra que, em 2020, a população passou a confiar mais em quase todas as instituições – menos no presidente e seu governo

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Mais textos
3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

6

A Arquiduquesa da canção e do escracho

Algum jovem, bem jovem mesmo, que por ventura me leia neste momento, não há de saber quem foi “Araca, a Arquiduquesa do Encantado”, estou certa? Assim era chamada a cantora favorita de Noel Rosa e tantos outros, a super Aracy de Almeida. Mulher absolutamente singular em sua figura e trajetória.

7

Janelas para o passado

Vêm da Inglaterra iniciativas interessantes lançadas na internet esta semana que ajudam a entender melhor duas civilizações antigas. Um projeto disponibiliza na rede fragmentos de papiros egípcios da época da ocupação grega, incluindo textos de Platão, Heródoto e Epicuro, e convida os internautas para ajudar a decifrá-los. Foi inaugurada também uma biblioteca digital de manuscritos de Avicena e outros nomes da medicina árabe do período medieval.

8

Miriam

Miriam, a mulher com um problema na garganta

9

PMDB decide apoiar Obama e Raúl Castro

"Abaixo o capitalismo e o socialismo! Viva o fisiologismo!", discursou Temer