questões de mídia e política

“Embaixador”, Eduardo Bolsonaro triplica de tamanho no Twitter

Zero Três é agora o filho mais citado na rede; entre parlamentares, Carla Zambelli se destaca

Luigi Mazza
09ago2019_13h07
ILUSTRAÇÃO DE PAULA CARDOSO

A provável indicação para o cargo de embaixador do Brasil no Estados Unidos, as críticas por nepotismo e os hambúrgueres do Maine fizeram o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) decolar no Twitter. Em julho, as menções ao filho 03 do presidente Jair Bolsonaro quase triplicaram na comparação com o mês anterior. Foram, ao todo, 2,3 milhões de citações, que fizeram dele o personagem do governo mais mencionado na rede social em julho – atrás apenas do ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro. O número de menções a Eduardo Bolsonaro no Twitter foi o maior já atingido por um filho do presidente desde o início do ano. Superou até mesmo as citações ao primogênito, o senador Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), que em janeiro foi mencionado 2,2 milhões de vezes em meio às investigações sobre seu ex-assessor, Fabrício Queiroz. Os dados foram compilados pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (DAPP-FGV), que, a pedido da piauí, monitora as citações a políticos ligados ao governo no Twitter.

No dia 11 de julho, Bolsonaro afirmou pela primeira vez que indicaria Eduardo para o posto na Embaixada, cargo mais importante da diplomacia brasileira no exterior. A declaração acarretou críticas de que o presidente estaria tentando favorecer o filho. Eduardo saiu em defesa própria. “Sou presidente da Comissão de Relações Exteriores [da Câmara], já fiz intercâmbio, já fritei hambúrguer lá nos Estados Unidos, no frio do Maine.” O assunto polarizou as redes e alavancou hashtags como #EmbaixariaBrasileira.

As menções a Eduardo no Twitter já vinham em tendência de crescimento desde abril. Somando as interações do ano inteiro, Eduardo ficava atrás de Flavio e Carlos até o mês de junho. Agora, o 03 ultrapassou os dois irmãos e assumiu o segundo lugar no ranking dos bolsonaristas mais citados nessa rede social em 2019 – de novo, o ministro Moro é o primeiro no acumulado do ano.



Os dados compilados pela Dapp mostram que, dos filhos do presidente, Eduardo e Carlos são os principais mobilizadores do governo no Twitter. Embora Flavio apareça em posição de destaque na lista dos mais citados, tem pouco protagonismo ativo na rede. O 01 é muito citado ainda em decorrência do caso Queiroz, mas, diferentemente de seus irmãos, tem poucos retuítes e não serve como polo aglutinador da direita. Em geral, na rede social, quanto maior o número de retuítes, maior o potencial de alcance.

Além dos filhos do presidente, estão no topo da lista de menções os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Educação, Abraham Weintraub. Este último, que até o início de abril era um ilustre anônimo para o grande público, teve um pico em maio e depois recuou, mas se mantém como um dos bolsonaristas mais citados na rede social. Está num patamar semelhante ao de Guedes, que vem sendo cada vez menos citado no Twitter desde abril. O ministro da Economia, além de perder o protagonismo na tramitação da reforma da Previdência, tem visto a pauta econômica do governo se diluir em meio a outras polêmicas.

Made with Flourish

O ex-juiz Sergio Moro, ministro da Justiça, segue como o bolsonarista mais citado no Twitter em 2019. Moro teve 6,3 milhões de citações no Twitter em julho. Foi um volume 32% menor que o do mês anterior – quando teve início a publicação das conversas vazadas da Operação Lava Jato pelo site The Intercept Brasil –, mas Moro continua isolado na liderança. Desde janeiro, foi citado 21,3 milhões de vezes, mais que os três filhos de Bolsonaro somados. Continua sendo o personagem do governo com maior visibilidade na rede social depois do presidente.

A novidade do ranking é a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) – que, à exceção dos filhos do presidente, é a única bolsonarista do Legislativo a figurar entre os dez mais citados do Twitter. A parlamentar teve 766 mil menções na rede social em julho e, no acumulado do ano, desbancou até o vice-presidente da República, Hamilton Mourão. 

O general Mourão saiu de cena em maio, após ter sido abertamente criticado pelo vereador Carlos Bolsonaro. Em abril, havia registrado 532 mil menções; em junho e julho, ficou com pouco mais de 100 mil menções. Outro que encolheu de tamanho no Twitter nos últimos dois meses foi Olavo de Carvalho, polemista que tem influência sobre os seguidores de Bolsonaro. O guru teve um pico em maio, com 1,2 milhão de menções na rede, e em julho caiu para 332 mil.

No acumulado do ano, Olavo tem quase o mesmo patamar de menções que Zambelli. Fundadora e líder do movimento Nas Ruas, a deputada também figura entre os governistas mais retuitados. Em junho, alcançou 192 mil retuítes e ficou atrás apenas de Bolsonaro nesse quesito. No mês seguinte, julho, a parlamentar ficou na cola do presidente, do ministro Sergio Moro e dos irmãos Eduardo e Carlos.

Além de ser uma importante influenciadora da direita, Zambelli ganha visibilidade em discussões com outros bolsonaristas. Em meados de maio, entrou em rota de colisão com sua correligionária e líder do governo no Congresso, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP). As duas trocaram farpas, via Twitter, sobre a atuação da bancada do PSL na votação da MP 870, que reconfigurou a estrutura dos ministérios. “A MP 870 sofreu grave ataque na comissão, e pergunto: a líder @joicehasselmann não fala nada disso em suas redes, pq?”, tuitou Zambelli, na época. O caso repercutiu por dias.

Mais recentemente, a parlamentar se desentendeu com outro correligionário, Alexandre Frota (PSL-SP). O deputado vem fazendo críticas duras ao governo Bolsonaro, e nesta semana se absteve de votar o segundo turno da reforma da Previdência na Câmara. Zambelli acusou Frota de “hipocrisia”, e o deputado reagiu: “Duas caras a essa altura não dá. Cuida da vidinha seja feliz e me esqueça.” Na última quarta-feira, 7, Zambelli protocolou um pedido de expulsão contra Frota no Diretório Nacional do PSL.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Leia também

Últimas Mais Lidas

O dilema do impeachment

Especialistas divergem sobre possibilidade legal de Trump ser condenado após terminar o mandato; no fim, decisão deve ser política

A guerra da soja

Ao responsabilizar a produção de soja pelo desmatamento da Amazônia, presidente Emmanuel Macron optou por uma mentira conveniente

A gastança amazônica dos militares

Na virada do ano, Ministério da Defesa comprou satélite de 179 milhões de reais e fechou 2020 gastando o triplo dos órgãos ambientais para monitorar a floresta

A morte e a festa

Os chilenos se preparam para criar uma nova Constituição – e um novo país

A tropa de choque ataca outra vez

Grupo que tentou livrar Eduardo Cunha da cassação agora luta para conduzir Arthur Lira à Presidência da Câmara

Mais textos
1

O Brasil e a recessão democrática

Como o cenário político global ajuda a entender a nossa crise – e vice-versa

2

Uma família de poder

A imagem reproduzida nesta página não é uma foto de família, apesar de representar quatro gerações de uma mesma família. Não foi feita para ser vista apenas por seus membros mas por um público amplo e não serviu para lembrar uma reunião de parentes, mas para passar uma clara mensagem política: a perenidade da dinastia reinante sobre a Inglaterra, então a nação mais poderosa do mundo. Tirada em 1899, às vésperas do novo século que prenunciava uma nova era, mostra a Rainha Vitória, então muito mais soberana do mundo que simplesmente rainha da Inglaterra, cujo reinado completara 62 anos, cercada por seu filho e herdeiro, o futuro Edward VII, seu neto, o futuro George V e seu bisneto, o futuro Edward VIII, cujo reinado, por oposição à sua bisavó, bateria o recorde de brevidade (apenas dez meses em 1936).

3

Após esfaquear Bolsonaro, agressor disse cumprir “ordem de Deus”

Policiais Federais que prenderam Adelio Bispo de Oliveira em Juiz de Fora imediatamente após o atentado afirmaram duvidar de sua “integridade psicológica”

4

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

5

A planta inteligente

Cientistas debatem um novo modo de entender a flora

6

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

7

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

8

Romário convoca CPI para investigar a cor do cabelo de Marin

BARRACA DO PEPÊ - Decidido a colocar em pratos limpos tudo que acontece na CBF, o deputado federal Romário recolheu assinaturas para uma CPI que investigará a cor do cabelo do presidente da entidade. "Se o Marin está diante de um fundo azul, o cabelo fica acaju. Se o fundo é branco, fica tudo meio esverdeado", desconfiou o craque, enquanto fazia aquecimento para uma partida de futevôlei com Aécio Neves.

9

Hidroginástica ou morte

Desespero e amolação em sorteio de vagas no Sesc