humor e podcast

Entre gargalhadas, cotidiano e estratégia: os podcasts de humor

Linguagem politicamente incorreta e medo da repetição estão entre as preocupações dos realizadores 

17ago2019_17h53
Mauricio Cid, Samir Duarte e o mediador Dan Stulbach
Mauricio Cid, Samir Duarte e o mediador Dan Stulbach FOTO: MARCELO SARAIVA

O ônibus, o sexo, a internet, a roupa, a militância das cenas da vida cotidiana, pouco escapa ao radar atento de Mauricio Cid e Samir Duarte, apresentadores de podcasts de humor e participantes da quarta mesa da 2ª Maratona Piauí CBN de Podcast, realizada neste sábado em São Paulo. Com mediação do ator Dan Stulbach, também comentarista da CBN, a mesa levou às gargalhadas a plateia do auditório da ESPM, na Vila Mariana. Mas os convidados deixaram claro que criatividade não basta para garantir a vida de um podcast de humor, e a estratégia conta.

Cid é o humorista e empresário é a figura por trás de quase trinta blogs, programas no YouTube e podcasts da marca Não Salvo. O primeiro podcast criado por ele foi o Não Ouvo. Sob esse guarda-chuva, surgiram outros três, também humorísticos. Juntos, constituem uma série que disponibiliza novos episódios nos tocadores de segunda a quinta-feira, cada dia com um podcast diferente. Atualmente, o Não Ouvo é o segundo podcast mais escutado no Brasil, de acordo com a última PodPesquisa. O medo de se repetir, em comparação com outros programas, é uma preocupação constante, mas Cid confia no humor como ferramenta de diálogo.

“Eu gosto de contar uma boa história. Eu fazia vários podcasts, para outras pessoas, aí resolvi fazer também”, contou Cid. Ele considera que o brasileiro tem uma pegada humorística muito forte, e é até de estranhar que os podcasts de humor tenham demorado a ganhar mercado.

Com frequência, o podcast Um Milkshake Chamado Wanda conta com convidados para falar dos assuntos mais comentados nas redes sociais, estratégia que provocou forte engajamento dos ouvintes. Wanda foi eleito o podcast do ano pela MTV e o quinto mais mencionado no Twitter em 2018, com cerca de 700 mil downloads a cada episódio. Duarte afirmou que o programa, iniciado no improviso, aos poucos foi se profissionalizando: tem roteiro fixo e anunciantes.  

“Experiência, vivência e tragédia”, resumiu Duarte sobre o que atrai seu ouvinte, ainda que, num podcast de humor, o sentido de tragédia varie de uma situação para outra. Um dos episódios mais comentados do Wanda, segundo ele, foi o de uma jovem que alugou uma casa mobiliada para um Carnaval e, ao chegar lá, encontrou apenas um lugar vazio, com alguns colchões e um freezer com sorvete.

Outra preocupação de Duarte é evitar a linguagem politicamente incorreta e qualquer forma de preconceito. “A gente aprende muito. Existem termos que a gente usava, mas não usa mais. Por a gente ter essa veia de militância, as pessoas cobram isso de nós”, contou Duarte. “É uma mão no joelho e outra na consciência.”

Cid afirmou que, em seus podcasts, esse tipo de preocupação é bem menor. Por outro lado, disse entender que o humor pode contribuir para ajudar a discutir temas tabu, como doenças sexualmente transmissíveis. “Num episódio, teve um cara que tinha todas as doenças, deu detalhes, contou de doenças que eu nunca nem imaginei. A gente até recebeu mensagem do Ministério da Saúde elogiando, dizendo que, com humor, a gente tinha abordado um tema muito importante”, contou.

 



Leia também

Últimas Mais Lidas

Na estrada da agonia

Sem UTIs suficientes contra Covid, cidades do interior sofrem para transferir pacientes para capitais - que também estão lotadas

A polícia não pode tudo

Decisão do STJ obriga policial a gravar em áudio e vídeo autorização do morador para entrar numa casa

Foro de Teresina #140: A variante Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na piauí_174

A capa e os destaques da edição de março

Luz no Fim da Quarentena: A melhor vacina

A vacina da Pfizer tem aprovação definitiva da Anvisa e os melhores resultados em campanhas de vacinação ao redor do mundo; o que falta para ser aplicada no Brasil?

Depois da festa, o pior da Covid

Rio Grande do Sul vive momento mais grave da pandemia, com mais jovens internados e a chegada da variante P.1; hospital aluga contêiner para corpos

Mais textos
1

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

3

Greve de PMs no Rio faz violência despencar 40%

UPP - Com um efetivo menor de policiais militares nas ruas do Rio de Janeiro, os índices de criminalidade despencaram. Foram registradas quedas expressivas de interceptação truculenta de meliante sem camisa (65%), tapas na cara de playboy da Zona Sul (44%) e sacode em camelô (39%). Padarias e bares comemoraram a brusca diminuição do número de viaturas exigindo arrego. O comércio paralelo de cafezinhos caiu 87%. "A greve da PM é um passo importantíssimo para o processo de pacificação da cidade", explicou José Mariano Beltrame.

4

Duelo na selva

Os ingleses se preparam para ir a Manaus

5

STF afasta Nacional-URU e Corinthians volta à Libertadores

ARENA BRASÍLIA - Após suspender o mandato do deputado Eduardo Cunha, o plenário do STF iniciou o julgamento de novos casos.

6

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

7

Em protesto contra Feliciano, Lula divulga foto beijando o espelho

ID - Ávido por se reconciliar com sua porção militante, enrustida desde que assumiu o poder em 2003, o ex-presidente em exercício Luiz Inácio da Silva postou no instagram uma foto contra o pastor Marco Feliciano. "Nunca antes na história deste país um presidente emérito havia beijado um trabalhador nordestino de origem pobre na boca", escreveu. Em seguida, associou o beijo na boca ao sucesso de seu governo e disse que ele é o pai do smak!

9

Seymour Hersh e o massacre de My Lai

Em 1969, a Guerra do Vietnã se arrastava por 14 anos e ainda contava com o apoio da maioria dos americanos. Naquele ano, o jornalista Seymour Hersh recebeu de uma fonte sigilosa a informação de que um oficial do exército americano seria julgado como responsável pelo massacre de civis em uma aldeia no Vietnã.

10

O candidato enjaulado

Há três décadas, um macaco disputou eleições em um Brasil conflagrado – poderia ser hoje