colunistas

Espero Tua (Re)volta

No Brasil sem esperança de hoje, as manifestações documentadas por Eliza Capai parecem pertencer a um tempo remoto

Eduardo Escorel
04set2019_09h03

Lançado no circuito comercial há três semanas, o documentário Espero Tua (Re)volta parece tratar de um país distante em época remota. O que o filme de Eliza Capai registra, porém, são as manifestações dos estudantes secundaristas de São Paulo, entre 2015 e 2018, e a brutal repressão da Polícia Militar – eventos relativamente próximos e recentes. Prova, se ainda fosse preciso, da mudança radical ocorrida a partir da posse no novo presidente da República e que estamos vivendo um outro tempo – um tempo sem esperança.

Onde andam hoje e o que estão fazendo Marcela Jesus, Nayara Souza e Lucas “Koka” Penteado, os três jovens protagonistas e narradores de Espero Tua (Re)volta? É o que me perguntava, enquanto assistia ao filme sexta-feira passada, com mais duas pessoas, uma moça e um rapaz, em um cinema de sessenta lugares.

Uma das palavras de ordem dos secundaristas paulistanos que ocuparam mais de duzentas escolas públicas, em 2015, e a Assembleia Legislativa de São Paulo, no ano seguinte, era: “O governo pode esperar tudo de nós, menos silêncio!” Mas, como costuma acontecer, períodos de mobilização intensa podem ser seguidos de relativa pasmaceira ou apenas de reações esporádicas, como a deste ano contra os cortes orçamentários do governo federal na área da educação.

Outro aspecto que Espero Tua (Re)volta vem confirmar é a incompatibilidade entre, de um lado, espectadores e circuito exibidor, voltados ambos para o entretenimento, e, de outro lado, filmes brasileiros, em especial documentários que, mesmo tendo qualidade reconhecida, não atraem sequer o que se poderia esperar constituísse seu público cativo.

CRÉDITO: DIVULGAÇÃO

 

Dados do censo escolar referentes a 2018 indicam que havia naquele ano mais de 7,7 milhões de matriculados no Ensino Médio. Onde estão esses estudantes? O que os impede de assistir a Espero Tua (Re)volta? A frequência aos cinemas que estão exibindo o filme é eloquente a esse respeito. Nas duas primeiras semanas, em poucos cinemas, com uma sessão diária, em geral, no Rio, São Paulo, Porto Alegre, Recife, Fortaleza, Vitória e Belém, houve 2 282 espectadores, incluindo a gratuidade para estudantes de escolas públicas, segundo dados da distribuidora, Taturana mobilização social. O dado do portal Filme B, de 473 ingressos em três semanas, ao que tudo indica é parcial e se refere apenas ao Rio e a São Paulo.

No caso de Espero Tua (Re)volta, a barreira que mantém o público afastado não pode ser atribuída ao próprio documentário. Trata-se de um filme acessível – descontraído, ágil e alegre –, bem narrado, valioso como registro histórico e que agrega ao olhar da realizadora gravações feitas por vários documentaristas independentes. Cabe destacar em especial as contribuições, entre várias outras, das imagens de Caio Castor, gravadas em 2015 e 2016, de Henrique Cartaxo, da rede alternativa Jornalistas Livres, de 2015, e as do documentário 20 Centavos, de Tiago Tambelli, de 2013, conforme consta dos créditos.

Não foi à toa que, depois de participar em mais de dez festivais, Espero Tua (Re)volta recebeu os prêmios de Melhor Filme, Montagem e Roteiro, além do prêmio da Associação Brasileira de Críticos de Cinema – Abraccine, na 23ª edição do Cine-PE – Festival do Audiovisual, realizado no início de agosto, em Recife. Isso depois de ter participado, em fevereiro, da Mostra Generation 14plus do Festival de Berlim, onde além do prêmio Peace Film recebeu o da Anistia Internacional.

Ao justificar o prêmio da Anistia Internacional atribuído a Espero Tua (Re)volta, o júri deu a entender que o filme retrata fatos atuais, desconsiderando terem ocorrido entre 2015 e 2018, em contexto político diverso do existente no momento da premiação. À parte essa imprecisão, o comentário lido por Feo Aladag, diretora e atriz austríaca integrante do júri, transcrito a seguir na íntegra, faz justiça ao filme:

“Imagine seus filhos marchando pelas ruas porque o governo quer fechar suas escolas. Imagine seus filhos sendo atingidos por gás lacrimogêneo e espancados com cassetetes. Isso faz parte da realidade brutal do Brasil atualmente. Setenta anos após ser promulgada a Declaração Universal dos Direitos Humanos, crianças e jovens no Brasil são privados de seus direitos humanos à educação de qualidade. Centenas de escolas públicas correm o risco de ser vítimas de políticas governamentais que negligenciam a necessidade e o direito à educação de todos, independentemente de seu status social. Famílias pobres e desfavorecidas são particularmente afetadas. Mas a juventude do Brasil não aceita isso sem resistência intensa, clara e corajosa.

O vencedor deste ano do Prêmio da Anistia Internacional rompe as estruturas convencionais usando narrativa documental não linear. Ilumina os jovens em sua luta pela democracia e pela educação. Também mostra como esses jovens protagonistas vivem relações pautadas por valores solidários e democráticos. Eles são assim por obrigação e, ao mesmo tempo, de modo irresistível, nunca deixando que suas vozes sejam silenciadas por aqueles menos corajosos e menos comprometidos entre eles. Eles lutam por seus objetivos, expressam seus sonhos, suas esperanças e seus direitos humanos, e é por isso que estão sempre um passo à frente de todos ao redor. Este filme extraordinário nos dá esperança e nos inspira, através de todas as gerações e além de todas as fronteiras, a elevar nossas próprias vozes e a tomar posição em defesa dos nossos direitos humanos básicos. E um dos direitos humanos mais básicos que nos cabe defender, e que devemos defender unidos, é a educação para todos.”

Seria de se esperar que um filme descrito nesses termos fosse acolhido de forma ampla e interessada nas salas de cinema de seu país de origem, o que não parece estar ocorrendo. É verdade que Espero Tua (Re)volta está disponível nas plataformas NOW e Tamanduá, mas não há dados disponíveis que permitam saber o número de acessos.

Esquecemos, por vezes, que o preço do ingresso é um obstáculo que pode impedir a maior frequência de estudantes secundaristas aos cinemas. Ciente desse fato, os responsáveis pelo filme oferecem sessões gratuitas em escolas, cineclubes, casas etc., bastando para isso acessar e marcar a exibição. Até o momento, foram realizadas 36 sessões em dezenove estados, e há outras 65 projeções programadas. Ao todo, 549 espectadores assistiram ao filme em nove dessas sessões com relatório de impacto, segundo consta do site da Taturana mobilização social. 

O que se pode dizer que falta a Espero Tua (Re)volta, visto hoje, é alguma reflexão sobre a eficácia das ocupações, em especial da Assembleia Legislativa, como tática de ação política.

Ao agradecer emocionada o prêmio da Anistia Internacional, em Berlim, Capai foi ao encontro do sentimento existente entre brasileiros que não votaram no candidato a presidente eleito em outubro de 2018. Mesmo sem a endossar por completo, essa declaração vai também transcrita a seguir na íntegra por situar Espero Tua (Re)volta no atual momento político do Brasil:

[…] Mesmo nos meus piores pesadelos, eu nunca poderia imaginar que este filme estrearia no contexto em que o Brasil está vivendo agora. O Brasil acabou de eleger o primeiro presidente de extrema direita da história. Jair Bolsonaro foi eleito prometendo armar os ‘bons cidadãos’ do Brasil, e o Brasil é um país que sempre foi, e a Anistia Internacional sabe disso muito bem, sempre esteve no topo da violência no mundo. Estamos sempre no topo da violência contra negros, contra a comunidade LGBT, contra mulheres. E Jair Bolsonaro foi eleito prometendo acabar com todo tipo de ‘ativismo’ no Brasil, prometendo proibir a prisão ou exilar todas as pessoas ‘vermelhas’, como nós. E mesmo nos meus piores pesadelos, eu nunca imaginaria que nosso ex-presidente, aquele que liderava todas as pesquisas, em 2018, para ser o novo presidente do Brasil, que ele não poderia concorrer à eleição, por que Luiz Inácio Lula da Silva foi preso por um juiz chamado Sergio Moro, e esse mesmo juiz agora é o novo ministro da Justiça desse novo presidente de extrema direita. E para mim, a imagem de Lula, como a imagem de Marielle Franco, uma mulher negra das favelas do Rio que foi baleada quase um ano atrás, são os rostos da injustiça no Brasil. Eles são os rostos desse novo governo que está tentando dizer: ‘Vocês, pobres, não merecem ser o presidente do Brasil. Vocês, mulheres negras, calem a boca. Você, LGBT, volte para o armário. Vocês, mulheres, voltem para a cozinha. Então, aqui, como diretora de um filme, uma brasileira, estar aqui significa muitas coisas, não só para mim. E estar aqui com um filme sobre estudantes no Brasil, estudantes pobres, estudantes negros, que lutam pelas coisas mais básicas, é uma grande honra. Esse prêmio é para todos que lutam por um mundo melhor, um mundo com justiça e para cada um dos estudantes, jovens e idosos com mentalidade jovem, lutando por uma educação mais crítica em todo o mundo. Muito obrigado.”

Em resposta à pergunta que lhe fiz por e-mail, Capai informa continuar “em contato com os protagonistas. O Koka, que depois das ocupações participou de Malhação – série da Rede Globo – atualmente atua em espetáculos teatrais em São Paulo, onde estava circulando pelos CEUs. A Marcela também é atriz; ela atua na ColetivA, grupo que surgiu a partir das ocupações e que tem circulado nos Sesc do Brasil, além de apresentações na Inglaterra e Portugal com o espetáculo Quando Quebra Queima. Ela foi comigo à estreia em Berlim, e foi um momento bem especial já que foi a primeira vez que saiu do Brasil. A Nayara continuou na presidência da União Estadual dos Estudantes de São Paulo até a posse da nova diretoria ocorrida em 9 de agosto; ela pretende seguir carreira ativista e política.”

Coproduzido pela GloboNews e Globo Filmes, Espero Tua (Re)volta foi realizado com a parceria do Canal Curta!. Contou com recursos obtidos através da Lei do Audiovisual e do Fundo Setorial do Audiovisual, geridos pelo BRDE/Ancine.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Mais textos de Eduardo Escorel

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Parasita – nepotismo, corrupção e benfeitores

Em conexão inesperada com o Brasil, sátira coreana ajuda a pensar sobre parasitas e hospedeiros

O que é o cinema? – problema sem resposta

Na periferia do mundo desenvolvido, é preciso saber qual cinema queremos

O Mês Que Não Terminou – cinema e inteligência

Sem decifrar 2013, filme padece de solução narrativa própria

Domingo – um dia especial

Filme paga preço alto ao ser lançado agora, quando expectativa de “nova era” se mostrou ilusória

Frans Krajcberg – dignidade e revolta

Documentário faz reviver inconformismo do artista diante da destruição ambiental brasileira 

Raoni – dignidade e vilania (mais uma vez)

Ao atacar cacique na ONU, Bolsonaro reafirma seu exercício estabanado do poder

Torre das Donzelas – Alerta de um passado remoto

Vulgaridade e vilania que emanam hoje da Presidência da República contrastam com dignidade de mulheres presas pela ditadura

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Mais textos