Igualdades

Esticando o Auxílio

Camille Lichotti e Renata Buono
31ago2020_11h16

Diante da crise econômica provocada pela Covid-19, o governo federal implementou o Auxílio Emergencial, para distribuição de até R$ 1200 mensais. Com isso, o número de beneficiários de programas de transferência de renda saltou de 20,5 milhões em 2019 para 85,3 milhões em 2020. De cada dez pessoas beneficiadas por algum desses programas, oito recebem o Auxílio Emergencial. Até julho, foram distribuídos cerca de R$ 115,8 bilhões através do Auxílio, equivalente ao orçamento de quatro anos do Bolsa Família. Segundo o Tribunal de Contas da União, houve mais de R$ 42 bilhões em pagamentos indevidos do Auxílio, valor suficiente para bancar por onze anos a Universidade Federal do Rio de Janeiro, uma das mais importantes do país. O programa aumentou a popularidade do presidente Bolsonaro, e o governo discute como prolongar o benefício, ainda que com valor mais baixo. Nesta semana, o =igualdades desvenda os números do Auxílio Emergencial.

O número de beneficiários de programas de transferência de renda quadruplicou de 2019 para 2020. No ano passado, eram 20,5 milhões de atendidos, considerando o Bolsa Família, BPC, Seguro Defeso, PETI etc. Em 2020, o número saltou para 85,3 milhões de beneficiários, que corresponde à população da Alemanha. 

Esse crescimento se deu graças ao Auxílio Emergencial, implementado em abril de 2020 para reduzir os efeitos da crise econômica provocada pela pandemia de Covid-19. Dos 85,3 milhões de beneficiários dos programas de transferência de renda contabilizados pela Controladoria-Geral da União, 65,2 milhões ganham também o Auxílio Emergencial. Ou seja, de cada 10 beneficiários, 8 recebem o Auxílio Emergencial.

O orçamento do Auxílio Emergencial foi de R$ 115,8 bilhões – de abril, quando foi implementado, a julho. A folha de pagamento do Bolsa Família, em todo o ano de 2019, foi de R$ 31,2 bilhões. Ou seja, em quatro meses o governo gastou no Auxílio Emergencial valor equivalente a quatro anos de pagamento do Bolsa Família.



O perfil dos dois programas é diferente. Em 2020, a região Nordeste concentrou mais da metade do orçamento do Bolsa Família até julho – no Auxílio Emergencial, a região ficou com 35% do orçamento, e o Sudeste levou a maior fatia, 37%. Os moradores da região Sul também tiveram mais participação no Auxílio Emergencial – o dobro do que representavam no Bolsa Família. 

Enquanto o Bolsa Família é destinado a famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza, o Auxílio Emergencial beneficia também desempregados ou trabalhadores informais com renda familiar de até três salários mínimos. Mas a falta de fiscalização e erros na base de dados resultaram em irregularidades no pagamento desse benefício. Segundo o Tribunal de Contas da União, os pagamentos indevidos do Auxílio Emergencial chegam a R$ 42 bilhões. Esse valor é onze vezes o orçamento destinado à Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2020. 

Em maio, o Tribunal de Contas da União determinou que militares deveriam devolver o dinheiro indevidamente recebido pelo Auxílio Emergencial. Pelo menos até dia 1º de agosto, 26 mil realizaram a devolução. Isso significa que cerca de uma em cada quatro pessoas que devolveram o valor indevidamente repassado pelo Auxílio Emergencial era militar. 

Pelo menos até dia 1º de agosto, R$ 104,2 milhões de reais distribuídos pelo Auxílio Emergencial foram devolvidos voluntariamente aos cofres públicos. Isso representa  0,25% do total de pagamentos indevidos constatados pelo TCU até agora. Ou seja, de cada 1000 reais pagos indevidamente pelo Auxílio Emergencial, apenas R$ 2,50 foram devolvidos pelos beneficiários aos cofres públicos. 

Fontes: Tribunal de Contas da União; Portal da Transparência da Controladoria-Geral da União 

Camille Lichotti (siga @camillelichotti no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Cercados pelas chamas

Uma família encurralada em casa por um incêndio no Cerrado

Roupa suja lavada a jato

Como lavajatistas e bolsonaristas se aproximaram, se afastaram, romperam ao longo do governo - e publicaram tudo nas redes

Foro de Teresina #118: O presidente no meio do fogo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

A mão que acende o fogo

Aquecimento global e desmatamento aumentam o material combustível para os incêndios, mas, sem ação de pessoas, o Pantanal e a Amazônia não queimariam assim

“O fogo acabou com tudo”

Líder indígena em Mato Grosso relata como as queimadas avançam sobre sua aldeia, destruindo casas, árvores, animais e memórias

Mais textos
2

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

3

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

5

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário

6

O barato de Hannah

Pela legalização da maconha, jovem americana se muda para Montevidéu

7

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

8

O tom certo

Quatro meses depois de nos conhecermos, o Orlando sumiu. Em casa contei que a professora tinha falado que o Orlando não era culpado. O garoto é uma vítima, ela repetia nervosa, como todos nós

10

Vitória em Cristo

Com uma leitura singular da Bíblia, o pastor Silas Malafaia ataca feministas, homossexuais e esquerdistas enquanto prega que é dando muito que se recebe ainda mais