negócios da áfrica

Ex-sócio da Vale é condenado por corrupção

Após julgamento que durou sete dias, tribunal da Suíça condenou o bilionário israelense Beny Steinmetz a cinco anos de prisão nesta sexta-feira (22)

Consuelo Dieguez
22jan2021_18h27
FOTO: ACERVO PESSOAL

O bilionário israelense Beny Steinmetz, ex-sócio da Vale em um projeto de mineração de ferro na Guiné, um dos países mais pobres do continente africano, foi condenado nesta sexta-feira (22) a cinco anos de prisão pela Justiça da Suíça. A decisão foi anunciada pelo tribunal, em Genebra, às cinco da tarde no horário local (13 horas no horário de Brasília). Além da pena de reclusão, Steinmetz, de 64 anos, deverá pagar uma multa de 50 milhões de francos suíços pelos crimes de corrupção de funcionários públicos estrangeiros e falsificação de documentos. A piauí_171 contou a história do empresário e de seus rolos na Justiça. A reportagem está aberta a todos os leitores.

O julgamento teve início em 11 de janeiro e se encerrou sete dias depois, quando a Promotoria pediu a condenação de Steinmetz. Diante de provas obtidas pelo governo da Guiné e por testemunhas, os promotores concluíram que, em 2008, o empresário corrompeu Mamadie Touré, a quarta mulher do então ditador guineano, Lansana Conté, com o intuito de conseguir os direitos de exploração dos blocos 1 e 2 da mina de ferro de Simandou. Situada no sudeste da Guiné, Simandou é a maior reserva de ferro ainda intocada no mundo. A licença para explorar a mina pertencia, na época, à gigante anglo-australiana Rio Tinto.

Dois anos depois de obter a concessão para explorar a reserva, Steinmetz vendeu metade dela para a Vale, num acordo de 2,5 bilhões de dólares. A empresa brasileira, no entanto, só pagou 500 milhões de dólares, já que a sociedade entrou em conflito depois que o novo governo da Guiné, liderado pelo presidente Alpha Condé, cassou os direitos de exploração sob alegação de corrupção. Em 2015, a sociedade foi finalmente desfeita, e a Vale processou Steinmetz na Corte de Londres. A empresa acusa o israelense de ter omitido que a concessão havia sido obtida de forma irregular, e que isso, além de criar constrangimento, inviabilizou o negócio no qual a brasileira já havia investido mais de 1,2 bilhão de dólares.

Na sentença proferida hoje, a juíza suíça acatou a decisão dos três jurados do tribunal. Eles concordaram com a tese da promotoria de que Steinmetz só conseguiu a concessão às custas de corrupção. Até ontem, porém, dizem os advogados, o bilionário israelense estava confiante de que seria inocentado. Uma das razões para isso era o fato de que Touré, ex-primeira-dama da Guiné, não compareceria ao julgamento. Principal testemunha de acusação, ela confessou ao FBI ter recebido dinheiro de Steinmetz para fechar o negócio.

Durante uma das sessões de julgamento, o israelense voltou as baterias contra a Vale. “Eu tenho muito mais coisas para dizer sobre o papel da Vale nessa transação”, afirmou Steinmetz, em um de seus depoimentos. Foi, contudo, interrompido prontamente por seu advogado, que disse que aquele não era o momento adequado para entrar no assunto.

Na noite de quinta-feira (21), o empresário preparou uma apresentação que divulgou somente hoje para a imprensa, após o resultado do julgamento. Nessa apresentação, voltou a dizer que é vítima de uma armadilha montada pelo presidente Alpha Condé e pelo megainvestidor húngaro George Soros, seu inimigo fidagal, que vinha orientando o novo governo da Guiné a respeito das concessões de mineração. Segundo Steinmetz, eles o queriam fora do país para que pudessem pegar sua parte na sociedade com a Vale.

Ao condenar o empresário, a presidente do tribunal, Alexandra Banna, reclamou do que chamou de “justificativas absurdas” e “falsas declarações” de sua defesa. Segundo relatos de quem esteve presente ao julgamento, a juíza ainda acusou Steinmetz e seus colegas de serem “péssimos mentirosos, cujo testemunho invariavelmente acaba se mostrando falso”. Um dos advogados do israelense contou que, antes de o julgamento começar, ao notar a linguagem corporal dos jurados suíços, previu que o desfecho seria ruim para seu cliente. 

Apesar da condenação sofrida hoje, Beny Steinmetz vai recorrer da sentença em liberdade.



Consuelo Dieguez (siga @consuelodieguez no Twitter)

Repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Mais partido do que novo

De olho em 2022, Amoêdo abre oposição tardia a Bolsonaro, e Novo racha antes de crescer

A era do testemunho e o impeachment

Julgamento de Trump ignorou imagens e relatos dos acontecimentos

Cada crime no seu quadrado

Áreas de milícia no Rio concentram ocorrências ligadas ao "controle" da população; mortes por intervenção policial e crimes envolvendo drogas são mais frequentes em regiões de tráfico

O jogo do prende-e-solta

Como o doleiro Chaaya Moghrabi escapou três vezes da prisão

Parados na contramão

Cidades brasileiras rejeitam um debate urgente: cobrar de usuários de carros custo da infraestrutura pública e destinar recursos ao transporte coletivo

Variantes demais

Mutações dos Sars-CoV-2 demandam pesquisas sobre a eficácia das vacinas contra as novas cepas e sequenciamento do vírus para saber qual tipo prevalece no Brasil

Mais textos
1

Proust, moscas, nada:

no tríduo momesco, uma folia de silêncio

2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

4

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

6

Tabloide – doença mental na América

Errol Morris define Tabloide, exibido na mostra Panorama do Cinema Mundial, no Festival do Rio, como sua “primeira história de amor desde Gates of Heaven [Portais no céu, seu primeiro filme, feito em 1978, sobre dois cemitérios de animais de estimação, na California], uma história de amor estranha, mas muito romântica.” É uma definição desconcertante, ainda mais quando Morris diz estar “contente por ter feito um filme engraçado.”

7

Na piauí_130

A capa e os destaques da edição de julho

8

Polícia Militar não consegue calcular o número de ministérios de Dilma

PASÁRGADA - O Departamento de Cálculo de Multidões da Polícia Militar convocou uma coletiva de imprensa para declarar que não logrou êxito na tarefa de contabilizar o número de ministérios da presidente. "Temos experiência com grandes aglomerações humanas, mas para tudo nessa vida há limite", desabafou, desesperado, o tenente-coronel Oswald de Souza Bolsonaro.