questões eleitorais

Faltou combinar com a Bahia

Defensor do apoio a Ciro Gomes em 2018, senador Jaques Wagner minimiza encontro do pedetista com Lula e diz que presidenciável cearense se aproxima da direita

Thais Bilenky
30out2020_17h42
O senador Jaques Wagner: “É público o movimento que Ciro está fazendo para ser candidato de centro, centro-direita”
O senador Jaques Wagner: “É público o movimento que Ciro está fazendo para ser candidato de centro, centro-direita” - Foto: Alessandro Dantas/PT/Senado Federal

Se em 2018 Ciro Gomes “não ajudou muito” o senador pela Bahia Jaques Wagner a defender sua candidatura a presidente com apoio do PT, como ele diz, em 2020 o pedetista continua criando dificuldades. Alianças costuradas pelo PDT nas eleições municipais não só colocam a sigla na disputa com o PT como soam como provocação para o principal defensor do pedetista no partido de Lula.

Ao apoiar o candidato do prefeito ACM Neto à sua sucessão na capital baiana e indicar a vice na chapa, o PDT mexe com os brios da esquerda na Bahia e sua histórica oposição ao carlismo. O PT lançou candidata própria na disputa com o apoio somente do PSB. O DEM reuniu catorze siglas em sua coligação, entre as quais oponentes quase inconciliáveis do PT, como PSL e PSDB. “Isso aponta mais o caminho de 2022 que o encontro com Lula”, critica Wagner.

O ex-presidente esteve com Ciro Gomes reservadamente em setembro. A conversa só foi revelada nesta semana, pelo jornal O Globo, dias depois de o marqueteiro João Santana sugerir, no programa Roda Viva, da TV Cultura, uma chapa com o pedetista – ou Wagner – como candidato e Lula vice. 

Para as personagens todas fazerem da conversa uma aliança formal, primeiro será preciso que o ex-governador da Bahia se convença da conveniência disso.



“É público o movimento que ele está fazendo para ser candidato de centro, centro-direita [em 2022], na aproximação com o DEM”, diz Wagner sobre Ciro. “Na estratégia dele, se o PT lança candidato próprio, o eleitorado de centro, centro-esquerda [tende a votar no petista], então ele tem que procurar outro nicho.”   

A manifestação de Wagner é um contra-ataque, uma vez que Ciro, já em 2018, rejeitou a conclusão de que, ao enfrentar o PT, mudaria de posição no espectro político-ideológico. “Não vou votar na direita, não vou fazer como a Marina, que o PT empurrou para a direita”, afirmou à revista Carta Capital naquele ano.

A contraposição tem um peso diferente daquela protagonizada por Ciro e outros petistas como a presidente do partido, Gleisi Hoffmann, já que Wagner é a principal ponte entre as duas siglas, além de Lula.

Outras disputas entre PDT e PT nas eleições de 2020 expõem as arestas na relação. Em Fortaleza, capital do Ceará, reduto político da família Gomes, o candidato do clã, José Sarto, tem o apoio de nove siglas, como o DEM e o PSDB, enquanto o PT tem candidatura isolada, com Luizianne Lins.

O PDT também se aliou a adversários petistas em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Branco, Maceió e João Pessoa.  

Wagner deixa escapar resquícios da frustração com o temperamento do cearense durante a campanha de 2018, quando ele subiu o tom nas críticas ao PT, a Lula e ao candidato do partido, Fernando Haddad. “Ciro não me ajudou muito. Eu defendia [a composição], e ele em seguida dava chapuletadas em alguém”, lembra o senador. A chapuletada mais famosa foi disparada pelo irmão de Ciro, o senador Cid Gomes, dirigida a militantes petistas: “O Lula tá preso, babaca!”, e repetida pelo ex-ministro, coincidência ou não, em Salvador, meses depois. Virou bordão.

O senador baiano rejeita as hipóteses de, um, Lula sair como candidato a vice de qualquer pessoa, dois, o PT não lançar candidato próprio em 2022, e, três, Ciro abrir mão da cabeça de chapa. A reaproximação entre Ciro e Lula é, portanto, pouco promissora eleitoralmente, segundo Wagner. “A conversa é bem-vinda, mas não acho que tenha sido para organizar nada para 2022, e sim para estabelecer uma convivência positiva. O foco era mais tirar as feridas de um relacionamento antigo.” 

Sua preocupação em se mostrar cético quanto à aliança entre PT e PDT é tal que, depois da conversa com a reportagem da piauí, Wagner pediu a seu assessor que reiterasse por mensagem que não fez a defesa da candidatura de Ciro em 2022.

Thais Bilenky (siga @thais_bilenky no Twitter)

Repórter na piauí. Na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Nova York e repórter de política em São Paulo e Brasília

Leia também

Últimas Mais Lidas

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Parente é serpente, visse!

Disputa ferrenha no Recife expõe influência da viúva de Eduardo Campos na campanha do filho João; aliança pró-Marília Arraes reúne de Lula a figuras próximas do bolsonarismo

A morte de um cinema de rua

Empresário que administrou por dez anos o Cine Joia, em Copacabana, relata crise que levou o cinema a fechar as portas após oito meses de pandemia

Assassinato no supermercado

Inépcia e inoperância do governo federal desautorizam expectativas favoráveis em qualquer frente - inclusive no audiovisual

Derrota por correspondência

Filho de imigrantes brasileiros, gay e conservador, o republicano George Santos já se considerava eleito deputado federal por Nova York – até chegarem os votos retardatários pelos correios

O novo Tio Sam e o Brasil

Biden terá que reatar tratados e rever estratégia de acordos bilaterais; guerra comercial é desastre para exportações brasileiras

Foro de Teresina ao vivo no segundo turno

Saiba como acompanhar a transmissão

PT reelege, mas não renova

Se não fosse pelos prefeitos com mandato renovado, partido de Lula definharia ainda mais; siglas de direita como o Democratas avançam sobre adversários

Mais textos
3

Sarney decide encerrar a carreira

BRASILIA - Em entrevista ao Fantástico de ontem, o senador José Sarney anunciou que abandonará a política. "Eu queria continuar, mas não consigo. Penso na nomeação de uma prima de terceiro grau, mas não executo como quero. Tá na hora. Mas foi lindo pra caramba, " disse, emocionado, a Patrícia Poeta.

4

The BolsozApp Herald

A rede social mais patriótica do Brasil

5

Lula e o eleitor do agreste

Trabalhadores rurais de Alagoas entendem que ele se envolveu com corrupção, mas não deve ser punido diante da “lama geral”

6

Ele e eu – Dziga Vertov em apuros

Biografia de cineasta russo lembra relação estreita entre arte e resistência

7

Um esporte individual

Já nos acréscimos, o São Paulo perdia por dois a um e Ganso bateu uma dessas faltas que viraram moda: levantada na área, a bola passou por todo mundo, o goleiro ficou com aquela cara de qualé, e pronto. Barbante e jogo empatado. Mas que nada: quando a bola ultrapassava a linha, o centroavante Aloísio, certamente para somar um golzinho a mais na artilharia, empurrou-a pra dentro com a mão.

8

Revoltada, Nana Gouvêa sensualiza de biquini preto

EGO - Super inn na tendência new revolt iniciada por Susana Vieira e seguida pela família de Carla Perez, Nana Gouvêa realizou um ensaio sensual vestindo apenas um biquininho preto. "Como sou uma modelo e manequim à frente do meu tempo, resolvi ir além: sensualizei com peças de roupa que expressam metaforicamente o tamanho da decência que restou ao STF", explicou Nana, professoral.

9

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

10

Documentos vazados revelam que governo brasileiro é um tédio

BRASÍLIA - O vazamento dos telegramas diplomáticos americanos pelo site WikiLeaks vem causando grande constrangimento ao governo brasileiro. Uma fonte ligada ao Itamaraty revelou que cada nova revelação aumenta o sentimento de desconforto do Palácio do Planalto em relação à condução da política externa brasileira.