questões eleitorais

Faltou combinar com a Bahia

Defensor do apoio a Ciro Gomes em 2018, senador Jaques Wagner minimiza encontro do pedetista com Lula e diz que presidenciável cearense se aproxima da direita

Thais Bilenky
30out2020_17h42
O senador Jaques Wagner: “É público o movimento que Ciro está fazendo para ser candidato de centro, centro-direita”
O senador Jaques Wagner: “É público o movimento que Ciro está fazendo para ser candidato de centro, centro-direita” - Foto: Alessandro Dantas/PT/Senado Federal

Se em 2018 Ciro Gomes “não ajudou muito” o senador pela Bahia Jaques Wagner a defender sua candidatura a presidente com apoio do PT, como ele diz, em 2020 o pedetista continua criando dificuldades. Alianças costuradas pelo PDT nas eleições municipais não só colocam a sigla na disputa com o PT como soam como provocação para o principal defensor do pedetista no partido de Lula.

Ao apoiar o candidato do prefeito ACM Neto à sua sucessão na capital baiana e indicar a vice na chapa, o PDT mexe com os brios da esquerda na Bahia e sua histórica oposição ao carlismo. O PT lançou candidata própria na disputa com o apoio somente do PSB. O DEM reuniu catorze siglas em sua coligação, entre as quais oponentes quase inconciliáveis do PT, como PSL e PSDB. “Isso aponta mais o caminho de 2022 que o encontro com Lula”, critica Wagner.

O ex-presidente esteve com Ciro Gomes reservadamente em setembro. A conversa só foi revelada nesta semana, pelo jornal O Globo, dias depois de o marqueteiro João Santana sugerir, no programa Roda Viva, da TV Cultura, uma chapa com o pedetista – ou Wagner – como candidato e Lula vice. 

Para as personagens todas fazerem da conversa uma aliança formal, primeiro será preciso que o ex-governador da Bahia se convença da conveniência disso.

“É público o movimento que ele está fazendo para ser candidato de centro, centro-direita [em 2022], na aproximação com o DEM”, diz Wagner sobre Ciro. “Na estratégia dele, se o PT lança candidato próprio, o eleitorado de centro, centro-esquerda [tende a votar no petista], então ele tem que procurar outro nicho.”   

A manifestação de Wagner é um contra-ataque, uma vez que Ciro, já em 2018, rejeitou a conclusão de que, ao enfrentar o PT, mudaria de posição no espectro político-ideológico. “Não vou votar na direita, não vou fazer como a Marina, que o PT empurrou para a direita”, afirmou à revista Carta Capital naquele ano.

A contraposição tem um peso diferente daquela protagonizada por Ciro e outros petistas como a presidente do partido, Gleisi Hoffmann, já que Wagner é a principal ponte entre as duas siglas, além de Lula.

Outras disputas entre PDT e PT nas eleições de 2020 expõem as arestas na relação. Em Fortaleza, capital do Ceará, reduto político da família Gomes, o candidato do clã, José Sarto, tem o apoio de nove siglas, como o DEM e o PSDB, enquanto o PT tem candidatura isolada, com Luizianne Lins.

O PDT também se aliou a adversários petistas em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Branco, Maceió e João Pessoa.  

Wagner deixa escapar resquícios da frustração com o temperamento do cearense durante a campanha de 2018, quando ele subiu o tom nas críticas ao PT, a Lula e ao candidato do partido, Fernando Haddad. “Ciro não me ajudou muito. Eu defendia [a composição], e ele em seguida dava chapuletadas em alguém”, lembra o senador. A chapuletada mais famosa foi disparada pelo irmão de Ciro, o senador Cid Gomes, dirigida a militantes petistas: “O Lula tá preso, babaca!”, e repetida pelo ex-ministro, coincidência ou não, em Salvador, meses depois. Virou bordão.

O senador baiano rejeita as hipóteses de, um, Lula sair como candidato a vice de qualquer pessoa, dois, o PT não lançar candidato próprio em 2022, e, três, Ciro abrir mão da cabeça de chapa. A reaproximação entre Ciro e Lula é, portanto, pouco promissora eleitoralmente, segundo Wagner. “A conversa é bem-vinda, mas não acho que tenha sido para organizar nada para 2022, e sim para estabelecer uma convivência positiva. O foco era mais tirar as feridas de um relacionamento antigo.” 

Sua preocupação em se mostrar cético quanto à aliança entre PT e PDT é tal que, depois da conversa com a reportagem da piauí, Wagner pediu a seu assessor que reiterasse por mensagem que não fez a defesa da candidatura de Ciro em 2022.

Thais Bilenky (siga @thais_bilenky no Twitter)

Repórter na piauí. Na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Nova York e repórter de política em São Paulo e Brasília

Leia também

Últimas

Nome aos números

No dia em que o Brasil ultrapassa a marca de 500 mil mortos pela Covid-19, um pouco da história de 133 deles

Doria x Ciro, o duelo pelo terceiro lugar

O que funciona ou não nas estratégias de quem se vende como “alternativo”

Um país que vai ficando sem ar

Confira o ritmo das 500 mil mortes pela Covid-19 no Brasil

Séculos de escuridão nas Forças Armadas

Se uma mesma pessoa pedisse acesso a todos os documentos desclassificados pelo Exército desde 2013, levaria 695 anos para receber todas as respostas

Cinco anos para protestos de junho de 2013, sigilo eterno para a exportação de armas

Documentos com informações sobre junho de 2013 ficaram ocultos até 2018; dados sobre armas vendidas ao Zimbábue permanecem sob sigilo industrial

A história do coveiro filósofo

Sepultador narra de que forma a filosofia alemã o ajuda a enfrentar os horrores da pandemia, como tirar o caixão de um filho das mãos da mãe ou enterrar doze pessoas no mesmo dia

Foro de Teresina #155: O apagão de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Quinze anos de sigilo sobre “reunião da boiada” e cinco anos para relatórios do Ministério da Justiça sobre rolezinhos

Monitoramento de rolezinhos de jovens mereceu segredo por cinco anos; vídeo da reunião ministerial de abril de 2020, pelo triplo desse tempo

Candidato a animador

A não candidatura que promoveu Luciano Huck das tardes de sábado para as de domingo na Globo

Foro de Teresina ao vivo

Podcast de política da piauí terá edição especial em vídeo

Mais textos