rádio piauí

Foro de Teresina #32: A canetada de Marco Aurélio, o sumiço do Queiroz e a diplomacia de Bolsonaro

Podcast da piauí discute os fatos recentes da política nacional

20dez2018_17h07
A liminar de Marco Aurélio Mello, concedida no apagar das luzes do STF, criou instabilidade política às vésperas da posse do novo governo
A liminar de Marco Aurélio Mello, concedida no apagar das luzes do STF, criou instabilidade política às vésperas da posse do novo governo ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO / ISABELA DA SILVEIRA

No último episódio do ano, o Foro de Teresina discute a decisão do ministro do Supremo Marco Aurélio Mello de libertar condenados em segunda instância; o não-depoimento de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro; e os movimentos diplomáticos para a posse do novo governo, no dia 1º de janeiro.

Bloco 1: Uma chicana de Natal
A minutos do recesso do Judiciário, Marco Aurélio Mello determinou a soltura de presos em segunda instância – entre eles o ex-presidente Lula. A decisão foi cassada em poucas horas, mas foi o suficiente para botar fogo no circo político nacional.

Bloco 2: O amigo-oculto
Fabrício Queiroz, o ex-motorista de Flávio Bolsonaro que movimentou mais de 1 milhão de reais, faltou ao depoimento que daria ao Ministério Público nesta quarta-feira. O sumiço já completa duas semanas, piorando as suspeitas no entorno do presidente eleito.

Bloco 3: A diplomacia da posse
O chanceler Ernesto Araújo convidou e desconvidou os representantes da Venezuela e Cuba para a posse de Jair Bolsonaro, mas dará tratamento VIP ao  premiê israelense Benjamin Netanyahu.



>Links citados neste episódio:

A íntegra da liminar concedida pelo ministro do Supremo Marco Aurélio Mello nesta quarta-feira, último dia de trabalho antes do recesso do Judiciário.

A revelação de que sete ex-servidores do gabinete de Flávio Bolsonaro fizeram transferências para Fabrício Queiroz.

A declaração dada por Flávio Bolsonaro esta semana, em que o deputado estadual e senador eleito diz que “quem tem que dar explicação é o meu ex-assessor, não sou eu”.

A lista de partidos e deputados da Assembleia Legislativa do Rio que contam com assessores incluídos no relatório do Coaf.

O roteiro da cerimônia de posse do presidente eleito Jair Bolsonaro, conforme divulgado esta semana pelo Palácio do Planalto.

O tuíte em que o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirma que “não há lugar para Maduro numa celebração da democracia e do triunfo da vontade popular brasileira”.

A resposta dada pelo ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, também pelo Twitter, mostrando que o convite para a posse de Bolsonaro já havia sido feito pelo Itamaraty.

Em seguida, Arreaza publicou um tuíte com o documento da resposta supostamente enviada pelo governo venezuelano ao Itamaraty, com críticas a Bolsonaro, que é chamado de “expressão da intolerância”.

O tuíte em que Bolsonaro afirma que “regimes que violam as liberdades de seus povos” não estarão presentes em sua cerimônia de posse.

*

>Ficha técnica:
Apresentação: Fernando de Barros e Silva, Malu Gaspar e Consuelo Dieguez
Direção: Mari Faria
Produção: Luiza Miguez, Luigi Mazza e Mari Faria
Edição: Danny Dee
Finalização e mixagem: João Jabace
Música tema: Wânya Sales e Beto Boreno
Identidade visual: João Brizzi
Ilustração: Paula Cardoso
Distribuição: Kellen Moraes e Luigi Mazza
Gravado no estúdio Rastropop
Para falar com a equipe: forodeteresina@revistapiaui.com.br

 

mais rádio piauí

Últimas Mais Lidas

Foro ao vivo no 2º turno: o que concluir das eleições

Podcast de política da piauí fez um balanço do resultado das eleições municipais; a...

Marcadores do destino

Marcadores presentes no sangue podem aumentar ou diminuir os riscos do paciente infectado pela Covid-19...

Foro de Teresina #128: As urnas, o racismo e o vírus

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Sobra eficácia, faltam vacinas

Vacinas da Moderna e da Pfizer contra Sars-CoV-2 protegem 95 em cada 100 imunizados, mas...

Foro de Teresina #127: Maré alta contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro ao vivo no 1º turno: veja como foi a transmissão

Programa transmitido no domingo de eleição está disponível no YouTube, na íntegra; análise sobre...

Foro de Teresina #126: Saliva e pólvora contra a vacina

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #125: As urnas contra Trump e Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Podcast Praia dos Ossos chega ao último episódio

Ouça já o capítulo final da série produzida pela Rádio Novelo

Quando gente vira cobaia

Fernando Reinach explica quais são e como funcionam os controles que existem para cientistas não...

Mais textos
2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

6

Cirurgia à peruana

Em conversa com Paula Scarpin, Bernardo Esteves fala sobre a Chegada da piauí_100

7

Ministério da Agricultura proíbe promoção de chã, patinho e lagarto

BRASÍLIA - “É um cartel!” Foi assim, com exclamação e tudo, que o ministro da Agricultura e Pecuária, Reinhold Stephanes, abriu a coletiva de imprensa para anunciar as resoluções de sua pasta para o último ano do governo Lula. Entre as principais medidas, a que causou mais impacto foi a proibição da venda de chã, patinho e lagarto por preços iguais. “Faz mais de vinte anos que escuto, nos anúncios dos mercados, que essas três carnes estão em promoção, e mais, vendidas pelo mesmo valor", disse indignado.

8

Hipótese Escorel

Após ler o post de Eduardo Escorel motivado por um debate sobre cinema brasileiro em Porto Alegre, o crítico Jean-Claude Bernardet escreveu-lhe: “Aceito tudo o que você escreve, não me sinto em contradição com você. No entanto, seu texto me deixa insatisfeito, porque eu sinto no teu texto como nos meus que estamos girando em torno de algo que não sabemos o que é, ou preferimos não saber.” 

9

Cinema político (I)

Nós – cineastas, produtores e demais integrantes da comunidade cinematográfica – temos capacidade de interagir com o público através de filmes que reflitam a gravidade da crise que o país atravessa?