rádio piauí

Foro de Teresina #44: Congresso desafia Bolsonaro, as últimas olavadas e Temer livre

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

28mar2019_17h00
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

O Foro de Teresina discute a crise do governo com o Congresso; o conflito entre Olavo de Carvalho e os militares; e o prende e solta de Michel Temer.

Bloco 1: Lições da velha política
Depois de uma intensa troca de chumbo entre Rodrigo Maia e Bolsonaro, a Câmara dos Deputados atropelou o governo, impondo mais gastos e aumentando a preocupação com as chances da reforma da Previdência.

Bloco 2: O general contra o guru
Ao chamar Olavo de Carvalho de desequilibrado, o general Santos Cruz atiça a ira do mentor bolsonarista e aprofunda o racha no entorno do presidente da República.

Bloco 3: Temer fora
Depois de passar apenas quatro noites na cadeia, Temer foi libertado por um desembargador fluminense, num clima de críticas e questionamentos sobre a Lava Jato.

>Links citados neste episódio:

A íntegra da PEC nº 2/2015, aprovada pela Câmara dos Deputados, que propõe reduzir o controle do governo sobre o orçamento da União.

A lista que mostra como votou cada deputado federal no segundo turno da votação da PEC.

A entrevista do ministro da Secretaria de Governo, general Santos Cruz, à Folha de S.Paulo, publicada no dia 25 de março. Ele fez críticas a Olavo de Carvalho e chama o polemista de “inconsequente”.

O tuíte em que Olavo de Carvalho responde ao general Santos Cruz, chamando-o de “assanhado”. Em outra publicação, ele diz que o militar vai “desaparecer da memória nacional”.

A thread do Twitter em que Filipe Martins, assessor especial da Presidência da República, diz que há “uma flagrante tentativa de isolar a ala anti-establishment” do governo Bolsonaro.

A reportagem publicada no site da piauí, em fevereiro de 2018, sobre a atuação do empresário Fábio Wajngarten na campanha de Bolsonaro. Nesta semana, ele passou a ser cotado para chefiar a Secretaria de Comunicação do Planalto.

A sentença do juiz federal Marcelo Bretas que decretou a prisão preventiva de Michel Temer. E a decisão do desembargador Antonio Ivan Athié que determinou a soltura de Temer e outros sete presos.

*

Ficha técnica:
Apresentação: Fernando de Barros e Silva, José Roberto de Toledo e Malu Gaspar
Direção: Paula Scarpin
Edição: Mari Romano
Produção: Luigi Mazza, Mari Faria e Ana Carolina Santos
Produção musical, finalização e mixagem: João Jabace
Música tema: Wânya Sales e Beto Boreno
Técnico de som: Danny Dee
Identidade visual: João Brizzi
Ilustração: Paula Cardoso
Distribuição: Luigi Mazza, Yasmin Santos e Julia Sena
Coordenação digital: Kellen Moraes
Gravado no estúdio Rastro
Para falar com a equipe: forodeteresina@revistapiaui.com.br



mais rádio piauí

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #140: A variante Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Luz no Fim da Quarentena: A melhor vacina

A vacina da Pfizer tem aprovação definitiva da Anvisa e os melhores resultados em campanhas...

Cobaias ou heróis?

Cerca de 90 voluntários serão infectados por cientistas com o SARS-COV-2 para ajudar a responder...

Foro de Teresina #139: Liberalismo adernado e o tsunami

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Variantes demais

Mutações dos Sars-CoV-2 demandam pesquisas sobre a eficácia das vacinas contra as novas cepas e...

Foro de Teresina #138: Mais armas, menos vacinas

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #137: Pós-Lava Jato, pré-Arenão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #136: Todo poder ao Arenão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #135: Vacina pouca, meu braço primeiro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

3

Greve de PMs no Rio faz violência despencar 40%

UPP - Com um efetivo menor de policiais militares nas ruas do Rio de Janeiro, os índices de criminalidade despencaram. Foram registradas quedas expressivas de interceptação truculenta de meliante sem camisa (65%), tapas na cara de playboy da Zona Sul (44%) e sacode em camelô (39%). Padarias e bares comemoraram a brusca diminuição do número de viaturas exigindo arrego. O comércio paralelo de cafezinhos caiu 87%. "A greve da PM é um passo importantíssimo para o processo de pacificação da cidade", explicou José Mariano Beltrame.

4

Duelo na selva

Os ingleses se preparam para ir a Manaus

5

STF afasta Nacional-URU e Corinthians volta à Libertadores

ARENA BRASÍLIA - Após suspender o mandato do deputado Eduardo Cunha, o plenário do STF iniciou o julgamento de novos casos.

6

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

7

Em protesto contra Feliciano, Lula divulga foto beijando o espelho

ID - Ávido por se reconciliar com sua porção militante, enrustida desde que assumiu o poder em 2003, o ex-presidente em exercício Luiz Inácio da Silva postou no instagram uma foto contra o pastor Marco Feliciano. "Nunca antes na história deste país um presidente emérito havia beijado um trabalhador nordestino de origem pobre na boca", escreveu. Em seguida, associou o beijo na boca ao sucesso de seu governo e disse que ele é o pai do smak!

9

Seymour Hersh e o massacre de My Lai

Em 1969, a Guerra do Vietnã se arrastava por 14 anos e ainda contava com o apoio da maioria dos americanos. Naquele ano, o jornalista Seymour Hersh recebeu de uma fonte sigilosa a informação de que um oficial do exército americano seria julgado como responsável pelo massacre de civis em uma aldeia no Vietnã.

10

O candidato enjaulado

Há três décadas, um macaco disputou eleições em um Brasil conflagrado – poderia ser hoje