questões da República

O jogo imobiliário dos Temer

Leia um breve resumo da reportagem de capa da piauí_143 que mostra como a família do presidente acumulou um patrimônio em imóveis de 33 milhões de reais

Allan de Abreu
02ago2018_14h55

O patrimônio imobiliário da família do presidente Michel Temer (MDB) soma atualmente 33 milhões de reais. São casas, apartamentos e salas comerciais distribuídos pela região mais valorizada da cidade: a avenida Brigadeiro Faria Lima, Zona Oeste de São Paulo. Quase tudo foi adquirido nas duas últimas décadas, período que coincide com a ascensão política de Temer, de deputado suplente a presidente da República, e à sua crescente influência na gestão do porto de Santos e seus contratos milionários.

Curiosamente, quase nada desse patrimônio milionário está em nome de Temer, exceto alguns poucos terrenos e uma chácara em Tietê, sua terra natal no interior paulista. Ao mesmo tempo em que comprava imóveis, o político também os doava, primeiro à ex-mulher, em seguida às três filhas e por último à atual cônjuge e seu filho caçula. Assim, a partir da virada do século, o patriarca fica cada vez mais pobre em bens imóveis, ao contrário dos seus familiares.

Um personagem foi sempre muito presente nessas negociações: o advogado José Yunes, amigo de Temer desde os tempos da Faculdade de Direito da USP e profundo conhecedor do mercado imobiliário paulistano. O próprio Yunes vendeu imóveis para a família Temer.

Durante quatro meses, a reportagem da piauí se debruçou sobre o histórico dos bens imóveis dos Temer no estado de São Paulo desde a década de 60. O resultado é uma radiografia inédita sobre a evolução patrimonial do atual presidente da República, paralelamente à sua carreira política e ao avanço das investigações da Polícia Federal sobre supostos atos de corrupção no porto de Santos envolvendo o presidente e seu núcleo político mais próximo.

Acesse a página especial com a investigação completa neste link.

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela editora Record

Leia também

Relacionadas Últimas

Minhas casas, minha vida

Patrimônio imobiliário da família Temer cresce quase cinco vezes em vinte anos e chega a 33 milhões de reais

O patrimônio imobiliário da família Temer e de Michel Temer

Veja no gráfico animado a evolução do patrimônio em milhões de reais

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Alertas mais precisos contra o desmatamento

Nova plataforma gratuita de monitoramento flagrou, em seis meses de testes, quase 900 quilômetros quadrados desmatados

Foro de Teresina #54: O trânsito de Bolsonaro, o bate-cabeça da oposição e o elogio da agressão

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo

Os Papéis de Aspern – apelo de Henry James contra a bisbilhotice

Diretor e roteirista não sairiam ilesos de um tribunal que julgasse atentados à obra alheia

Mais textos
1

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

2

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

3

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

4

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

6
7

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo

10

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita