colunistas

Fraturas no antipetismo

Bolsonaro não consegue unificar eleitorado que é contra Lula

Marcos Nobre
26set2018_07h30

É um equívoco pensar que o eleitorado antipetista quer apenas um candidato capaz de impedir a vitória do lulismo. Nem todo mundo quer votar simplesmente contra. Quer também votar a favor de algo e de alguém. Especialmente no primeiro turno.

Na última semana, uma expressiva parcela do eleitorado antipetista mostrou que Bolsonaro pode até servir para vencer o PT, mas não serve para representá-la. Essa parcela do eleitorado antipetista subiu no telhado. E, sem a perspectiva de unificar o conjunto do voto antiPT, qualquer candidato antilulista entra manco no segundo turno. É por isso também que a última pesquisa Ibope, divulgada na segunda-feira, é uma notícia muito ruim para o capitão-candidato.

A estagnação de Bolsonaro na pesquisa não indica apenas que a campanha negativa contra sua candidatura teve efeito. Indica também que sua própria campanha cometeu um grave erro de cálculo. Não existe coisa pior em uma campanha eleitoral do que criar uma expectativa que não se confirma. E foi exatamente isso o que fez a campanha do capitão.

Logo após o ataque a faca em Juiz de Fora, o entorno de Bolsonaro – com importante ressonância midiática, ressalte-se – criou a expectativa de uma migração em massa de votos para o líder das pesquisas, criou a expectativa de uma vitória ainda em primeiro turno. E aí uma estagnação nas pesquisas virou um revés. A campanha de Bolsonaro acabou transformando seu maior trunfo, a liderança isolada nas pesquisas, em motivo de apreensão e dúvida.

A queda de oito pontos na região Sul, que era até então o maior reduto de votos do capitão-candidato, é um sinal bastante importante. Não por acaso, sua rejeição na mesma região subiu nada menos do que dez pontos, passando de 29% para 39%. É certo que a taxa de 39% já tinha sido observada na pesquisa de 20 de agosto. Mas aí é que está o teste, justamente: nem mesmo em sua maior fortaleza de votos Bolsonaro foi capaz de manter a baixa na rejeição que conquistou no período pós-atentado.

Não por acaso, a pesquisa Ibope indica que começou a balançar um dos mais importantes mitos da eleição, o da solidez da posição de Bolsonaro. A pesquisa mostrou que o voto que se considerava consolidado não é tão consolidado assim. Na pesquisa anterior, do dia 18, 53% diziam que a opção por Bolsonaro era definitiva. Agora, essa parcela caiu para 49%. A queda é pequena, mas está longe de ser irrelevante no contexto atual.

Essa volatilidade também relativiza o mito por excelência desta eleição: de que o voto espontâneo seria consolidado, especialmente quando próximo do voto estimulado. Parece que ninguém se lembra que, na última eleição, mais ou menos na mesma altura da campanha, em 19 de setembro de 2014, o Datafolha registrou que a então segunda colocada, Marina Silva, tinha 24% de voto espontâneo (30% no estimulado). Quase os mesmos índices que registrou Bolsonaro na pesquisa Ibope da última segunda-feira (24% na espontânea, 28% no estimulado). Como se sabe, Marina terminou em terceiro lugar, com 21% dos votos válidos.

A campanha de Bolsonaro criou confusão onde ela não existia. O eleitorado antipetista estacionado na candidatura do capitão parece começar a pensar duas vezes onde parecia mais do que decidido. A apreensão veio junto com uma sensação de bagunça onde a promessa era só de ordem, firmeza e segurança. Ficou claro que só existe o próprio candidato, nada mais. E o candidato começa a parecer tão frágil quanto seu estado de saúde.

O eleitorado antipetista interpretou o chamamento ao voto útil em primeiro turno como exigência de uma adesão forçada, em nome unicamente da derrota do PT. Foi como pedir um cheque em branco, erro primário em qualquer campanha eleitoral. Especialmente porque a tentativa de extorsão eleitoral vem associada ao perfil autoritário do capitão-candidato.

Não bastasse isso, a tentativa de extorsão teve ainda o efeito colateral de produzir o temor no eleitorado antipetista de que apenas uma vitória em primeiro turno poderá barrar a candidatura lulista, temor que ainda não estava de fato no horizonte até ali. À medida que fica cada vez mais clara a baixíssima possibilidade de uma decisão da eleição presidencial já em 7 de outubro, maior é a apreensão do eleitorado antipetista de ter Bolsonaro como seu representante no segundo turno. Não só não veio o voto útil para uma vitória em primeiro turno. O que veio foi o contrário: aumentou a rejeição ao capitão-candidato. A taxa de rejeição, que já era de proibitivos 42%, passou para estratosféricos 46%.

Tudo parece igual, já que o candidato mantém os 28% de intenção de voto que tinha na pesquisa Ibope anterior. Mas sob a superfície dos números tem muito movimento. Parte do eleitorado antipetista estacionado na candidatura de Bolsonaro deixou de dormir tranquilo. Começa a duvidar da capacidade de Bolsonaro vencer Haddad.

Além disso, Bolsonaro não dá mostras até agora de que conseguirá convencer o conjunto do eleitorado antipetista a apoiá-lo. É um claro indício de que terá dificuldades ainda maiores para conquistar o eleitorado “nem nem”, aquela parcela que não se sente representada pela divisão entre PT e antiPT e que costuma decidir a eleição em segundo turno. O voto em Bolsonaro no primeiro turno tende a contratar para o segundo turno pelo menos um recorde de abstenção e de brancos e nulos de parte do antipetismo.

 

São evidentemente muito baixas as chances de qualquer alteração de relevo no quadro atual quanto a uma disputa em segundo turno entre Bolsonaro e Haddad. Mas Bolsonaro precisa se precaver contra qualquer mudança nesse cenário. A primeira providência é barrar o caminho a qualquer competidor pelo voto antipetista. A maneira mais segura de fazer isso é não perder votos, é manter-se à frente de Haddad na próxima pesquisa Datafolha, a ser divulgada na sexta-feira. Se o próximo Datafolha mostrar um empate técnico que seja entre Bolsonaro e Haddad, aumentam as chances de as placas tectônicas da eleição virem a se mexer de maneira de fato significativa.

A unidade forçada que Lula consegue produzir na centro-esquerda não se reproduz no polo antipetista, que parece dividido de maneira aparentemente irremediável. Mas, essa vantagem com que Haddad entra no segundo turno pode virar pó com um único deslize. O PT nunca venceu uma eleição em primeiro turno. Para vencer em segundo turno, precisa da adesão de parte do eleitorado “nem nem”. Como precisa pelo menos da abstenção ou do branco e nulo de uma parcela do eleitorado antipetista.

Se a campanha de Haddad ou qualquer atitude do PT for recebida pelo eleitorado não-petista como expressão de intolerância, como desejo de vingança, revanchismo, desforra ou retaliação, o que hoje é uma vantagem se transformará imediatamente em derrota. O mesmo vale no caso da defesa de um indulto para Lula. O mesmo vale no caso de responder com violência a atos de violência praticados por apoiadores de Bolsonaro. Só erros dessa magnitude poderão afastar de Haddad o eleitorado “nem nem” e unificar novamente todo o eleitorado antipetista em torno de uma figura tão rejeitada quanto Bolsonaro.

Marcos Nobre

É professor de filosofia da Unicamp e autor de Imobilismo em Movimento, pela Companhia das Letras, e Como nasce o novo, pela Todavia

Mais textos de Marcos Nobre

A revolta conservadora

Bolsonaro será o líder de um governo antiestablishment

O grau zero da política

Sociedade está refém dos cálculos eleitorais de um sistema político destroçado

Concertação democrática já!

É urgente criar uma frente de defesa do estado de direito

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

O PT em segundo lugar

Ameaça autoritária exige pacto de refundação institucional

A eleição da vingança

A democracia virou arma de destruição que uma parte do eleitorado aponta contra a outra

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

O tudo ou nada de Alckmin

Tucano tem de saber aproveitar bem o momento de fragilidade de Bolsonaro

A fortaleza de Lula

Como o ex-presidente pretende evitar que Ciro ou Marina chegue ao segundo turno

Marina entra no jogo

Candidata enfim define estratégia à altura de seu potencial

Mais textos