Igualdades

Governo Bolsonaro no fogo do Twitter

Luigi Mazza, Amanda Rossi e Renata Buono
16set2019_08h12

Em agosto, as queimadas na Amazônia também incendiaram o Twitter. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi citado mais de 900 mil vezes na rede – tornando-se o terceiro bolsonarista mais mencionado. Paralelamente, as novas mensagens vazadas da Operação Lava Jato puseram Deltan Dallagnol na boca dos tuiteiros. Com 1,5 milhão de citações, o procurador de Curitiba ultrapassou figuras importantes do bolsonarismo. O =igualdades  desta semana mostra a movimentação do governo no Twitter a partir de monitoramento da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (DAPP-FGV).

A divulgação de novas conversas vazadas da Lava Jato voltou as atenções do Twitter para o procurador Deltan Dallagnol. Em agosto, ele foi mencionado 1,5 milhão de vezes na rede social. Com isso, ultrapassou Eduardo Bolsonaro e Ricardo Salles, prata e bronze do bolsonarismo no mês passado. À sua frente, apenas o ministro Sergio Moro, medalha de ouro no Twitter.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi queimado na fogueira do Twitter em agosto, mês em que eclodiu a crise dos incêndios na Amazônia. Foram 903 mil citações, cerca de cinco vezes o que tinha recebido no mês anterior (189 mil).

As queimadas colocaram Ricardo Salles no mesmo patamar de menções do deputado federal Eduardo Bolsonaro. O filho 03 de Bolsonaro é a segunda figura do governo que mais mobiliza o Twitter, com 1 milhão de menções em agosto. Eduardo ainda assoprou o fogo do debate, impulsionando uma hashtag de apoio ao ministro.



Ainda assim, nem Salles nem Eduardo Bolsonaro chegaram perto do patamar do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Em agosto, Moro foi citado 3,1 milhões de vezes no Twitter. Para alcançar o ex-juiz, seria preciso somar 2 Eduardos e 1 Salles.

Moro é, de longe, a figura mais popular do governo no Twitter desde fevereiro. Seu auge foi em junho, quando vazaram as primeiras conversas da Operação Lava Jato. Desde então, o ex-juiz está em queda. De 9,3 milhões de citações em junho, caiu para 6,3 milhões em julho e, por fim, 3,1 milhões em agosto.

No ranking do bolsonarismo no Twitter, a deputada federal Carla Zambelli (PSL) é a mulher mais bem colocada. Em agosto, seu nome circulou 886 mil vezes na rede. É um pouco mais que outro tuiteiro ativo do governo, o ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Paulo Guedes assumiu a Economia como superministro e foi encolhendo. Pelo menos no Twitter. Em abril, teve 1 milhão de menções na rede social. Em agosto, 351 mil. O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes teve o dobro de citações que Guedes no mês passado.

A primeira-dama Michelle Bolsonaro foi muito falada nas redes sociais em agosto, devido à divulgação do passado de sua família. Recebeu 274 mil menções no Twitter. Para cada 5 vezes em que Michelle foi lembrada, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, foi citado 3 vezes. Mourão vem perdendo importância na rede social desde o começo do ano.

Fonte: Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP) da Fundação Getulio Vargas.

Dados abertos: O documento que serviu de base para a reportagem pode ser acessado aqui.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Aldeias na mira do tráfico

Assassinatos de dois adolescentes indígenas, mortos com sinais de tortura no Acre, alertam para  o avanço de facções criminosas em territórios protegidos 

Sonhos de Patrício Guzmán e Jorgen Leth

Quanto tempo levaremos para nos recuperar após tudo isso?

Invasão de privacidade chancelada por lei

Professor da USP defende alteração na Lei de Proteção de Dados para que Estado brasileiro não seja autorizado a compartilhar em massa informações dos cidadãos

Brasil de costas para a ciência

Pesquisa inédita realizada em vinte países mostra que brasileiros são os que menos acreditam em seus cientistas

Os desvios da intervenção militar

TCU apura irregularidades no uso de 93 milhões de reais durante operação das Forças Armadas no Rio em 2018, comandada pelo hoje ministro Braga Netto

“Agora eu cheguei ao inferno”

Biólogo em expedição no Pantanal relata os apelos desesperados de moradores da região diante do fogo e acompanha trabalho dos bombeiros

Mais textos
4

Um café na lanchonete

A história de Saeed, dos pais de Saeed – e o segredo de Nadia

5

Proust ─ Do pêndulo ao calendário

O acesso à riqueza de Tempo Perdido não requer preâmbulos. Demanda algo que está fora da obra e é cada vez mais complicado de conseguir: tempo e concentração

6

Desenhando esquinas

Andrés Sandoval explica o processo por trás das ilustrações que adornam a piauí desde a primeira edição.

8

Sardanapalo

Babilônios cabotinos contracenarão com garbosas falanges assírias?

10