Igualdades

Há vagas, só não são boas

Marcella Ramos e Carol Cavaleiro
22abr2019_10h00

Depois de quatro anos com mais demissões que contratações no Brasil, em 2018 essa conta se inverteu – mesmo que de maneira modesta e com ênfase nos postos de baixos salários. Com base em dados de fluxo de emprego de carteira assinada nos últimos anos, recolhidos pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a piauí preparou uma série de comparações visuais.

 

 

Em 2018 houve mais contratações do que demissões. O último ano em que isso aconteceu foi 2014, quando 20,7 milhões de pessoas conseguiram emprego. No ano passado, esse número foi mais modesto: 14,9 milhões tiveram a carteira assinada.

 

 

Em cada 200 vagas criadas em 2018, só uma foi com remuneração de dez ou mais salários mínimos, e 171 para receber até dois salários mínimos.

 

 

Em 2011 foram criadas duas vezes mais vagas para empregos com salário acima de dez salários mínimos do que em 2018.



 

 

Em 2018 a média salarial das vagas abertas para programadores foi de 4 958 reais – três vezes a média salarial de professores universitários (1 800 reais).

 

 

A cada vaga de professor de ensino médio criada no ano passado, surgiram quatro para professores de alfabetização e ensino fundamental.  

 

 

Para contratar um professor de língua italiana, foi preciso pagar 139% acima do que ganhava um professor demitido. Enquanto isso, professores de comunicação social contratados em 2018 tiveram queda de 84% do salário.

 

 

A categoria de vendedor foi a que mais teve contratações de carteira assinada em 2018: 1,8 milhão de pessoas.

 

 

Na outra ponta, a profissão com menos contratações de carteira assinada foi a de investigador criminal, que fechou o ano com apenas duas admissões.

 

Fontes: Caged – Classificação Brasileira de Ocupações Subgrupo e Caged CBO Ocupação/MTE.

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Repórter e coordenadora de checagem da piauí

Carol Cavaleiro (siga @revistapiaui no Twitter)

Carol Cavaleiro é infografista.

leia mais

Últimas Mais Lidas

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder

Em 70% das ocorrências de violência sexual no Brasil em 2019, vítimas eram crianças ou pessoas incapazes de consentir ou resistir - como na acusação contra Robinho na Itália

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

8

Assista a um trecho da mesa com Nikil Saval no Festival Piauí de Jornalismo

Nikil Saval é editor e membro da mesa diretora da revista literária n+1, revista de literatura, cultura e política, publicada em versão impressa três vezes ao ano.
Saval esteve em novembro no Festival Piauí de Jornalismo e conversou com os jornalistas Fernando de Barros e Silva e Flávio Pinheiro. 

9

Histórias da Rússia

Uma viagem pelo país da revolução bolchevique, cem anos depois

10

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia