Igualdades

Há vagas, só não são boas

Marcella Ramos e Carol Cavaleiro
22abr2019_10h00

Depois de quatro anos com mais demissões que contratações no Brasil, em 2018 essa conta se inverteu – mesmo que de maneira modesta e com ênfase nos postos de baixos salários. Com base em dados de fluxo de emprego de carteira assinada nos últimos anos, recolhidos pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a piauí preparou uma série de comparações visuais.

 

 

Em 2018 houve mais contratações do que demissões. O último ano em que isso aconteceu foi 2014, quando 20,7 milhões de pessoas conseguiram emprego. No ano passado, esse número foi mais modesto: 14,9 milhões tiveram a carteira assinada.

 

 

Em cada 200 vagas criadas em 2018, só uma foi com remuneração de dez ou mais salários mínimos, e 171 para receber até dois salários mínimos.

 

 

Em 2011 foram criadas duas vezes mais vagas para empregos com salário acima de dez salários mínimos do que em 2018.

 

 

Em 2018 a média salarial das vagas abertas para programadores foi de 4 958 reais – três vezes a média salarial de professores universitários (1 800 reais).

 

 

A cada vaga de professor de ensino médio criada no ano passado, surgiram quatro para professores de alfabetização e ensino fundamental.  

 

 

Para contratar um professor de língua italiana, foi preciso pagar 139% acima do que ganhava um professor demitido. Enquanto isso, professores de comunicação social contratados em 2018 tiveram queda de 84% do salário.

 

 

A categoria de vendedor foi a que mais teve contratações de carteira assinada em 2018: 1,8 milhão de pessoas.

 

 

Na outra ponta, a profissão com menos contratações de carteira assinada foi a de investigador criminal, que fechou o ano com apenas duas admissões.

 

Fontes: Caged – Classificação Brasileira de Ocupações Subgrupo e Caged CBO Ocupação/MTE.

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Repórter e coordenadora de checagem da piauí

Carol Cavaleiro (siga @revistapiaui no Twitter)

Carol Cavaleiro é infografista.

leia mais

Últimas Mais Lidas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

Valores permanentes, circunstâncias efêmeras

Cinema, apesar de tudo, mas em que condições?

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Tem cloroquina?

Um balconista de farmácia conta seu dia a dia durante a pandemia

3

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

4

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

5

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

6

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

8

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

9

Quarentena evita um bilhão de toneladas de carbono na atmosfera

Emissão de poluentes caiu 17% no mundo; no Brasil, queda chegou a 25% em 20 de março, mas regrediu a 8% no fim de abril

10

O que move a CNN Brasil

Com dois sócios que sempre estiveram ao lado do poder, a nova emissora tenta mostrar que pode ser independente