questões político-eleitorais

Huck vai conversar com FHC sobre candidatura

Apresentador vai a São Paulo falar nesta quinta com o ex-presidente; FHC disse que candidatura seria “boa para o Brasil”

José Roberto de Toledo
07fev2018_20h04
FOTOS: EDUARDO KNAPP_FOLHAPRESS E ADRIANO VIZONI_FOLHAPRESS

Luciano Huck voltou. Chegou de Paris, viu o noticiário eleitoral e decidiu conversar com Fernando Henrique Cardoso. O apresentador mal chegou da França, aonde havia ido com Angélica para a festa de aniversário de Neymar, e nesta quinta-feira já embarca para São Paulo, para se encontrar com o ex-presidente. Enquanto ele estava na Europa, FHC deu uma entrevista na qual disse que uma candidatura de Huck à Presidência seria “boa para o Brasil”. O líder tucano justificou-se dizendo que Huck como candidato a presidente arejaria e colocaria “em perigo a política tradicional”.

Por “política tradicional” entenda-se Geraldo Alckmin, também do PSDB, e quase todos os demais candidatos a presidente já anunciados, com exceção de Jair Bolsonaro. FHC tem dito e repetido que o cenário político precisa de renovação. Na sexta-feira da semana passada, um vídeo com uma fala sua foi apresentado durante o lançamento do movimento RenovaBR, que apoia candidatos a deputado que nunca se elegeram antes. Outro orador no mesmo lançamento foi Huck, também gravado em vídeo.

Por pressão da família e dos empregadores, o apresentador da Rede Globo continua dizendo que não é candidato. O melhor verbo para definir a situação dele não é “ser”, mas “estar”. Tudo é transitório e sujeito a mudanças de temperatura e pressão. O artigo publicado por Huck na Folha no fim de 2017afirmando que não era candidato a presidente teve a função de aplacar as pressões que ameaçavam matar a candidatura antes da decolagem. Funcionou.

Huck ainda se comporta como candidato a candidato: prospecta os efeitos de eventual prisão de Lula sobre o eleitorado pobre do Nordeste (o mesmo no qual ele tem maior penetração), negocia com o PPS uma possível filiação, conversa com conselheiros políticos como FHC. Tudo isso enquanto ouve apelos de operadores do mercado financeiro, empresários e de movimentos que ele apoia. Agora! e RenovaBR adorariam ter um puxador de votos.

Do lado oposto estão mãe, padrasto, irmão e mulher. E o patrão. Ter literalmente um “candidato da Globo” disputando a eleição presidencial colocaria a emissora no centro da campanha mais acirrada desde o fim da ditadura. E não mais como estilingue, mas como vidraça. Um dos objetivos das conversas de Huck com conselheiros como FHC é avaliar o tamanho do risco de retaliação por parte da “política tradicional” contra a emissora.

Eleitoralmente, Huck está na turma do dígito solitário. Na pesquisa Datafolha de janeiro, ele apareceu em três cenários de primeiro turno. Marcou 5% e 6% nos dois cartões em que Lula estava entre os candidatos e foi a 8% quando o petista não aparecia na lista. Em dois dos três casos, empatou com Alckmin e com Ciro, mas ficou sempre atrás de Lula, Bolsonaro e Marina. Isso foi depois de o apresentador ter dito que não seria candidato.

A janela de oportunidade está fechando para Huck. Para ter chance de ser candidato, ele precisa estar filiado a um partido até 7 de abril. O DEM, com quem chegou a flertar, está tentando viabilizar a candidatura do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Deve lançá-lo durante a convenção do partido, em março. A conversa com a Rede, de Marina Silva, não prosperou. Sobrou o PPS, que também deve abrigar candidatos do Agora! à Câmara.

A volta do Huck candidato depende do que dizem seu conselheiro FHC, a família, o empregador e, principalmente, o eleitor. Sua candidatura só tem viabilidade se o nome de Lula não estiver na urna. Um novo revés judicial ou mesmo a prisão do ex-presidente antes de 7 de abril podem servir de trampolim para o salto acrobático do apresentador rumo à eleição. Será um salto no escuro. Se mortal ou não, ele só saberá seis meses depois.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Relacionadas Últimas

Incerteza é a única coisa certa na eleição

Entre eleitores “nem nem” e eventuais órfãos da candidatura Lula, quase dois terços ainda podem mudar seu voto

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

3

A chicana

Uma floresta contra o autódromo de Crivella e Bolsonaro

4

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

5

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

6

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

8

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

9

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

10

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana