questões político-eleitorais

Huck vai conversar com FHC sobre candidatura

Apresentador vai a São Paulo falar nesta quinta com o ex-presidente; FHC disse que candidatura seria “boa para o Brasil”

José Roberto de Toledo
07fev2018_20h04
FOTOS: EDUARDO KNAPP_FOLHAPRESS E ADRIANO VIZONI_FOLHAPRESS

Luciano Huck voltou. Chegou de Paris, viu o noticiário eleitoral e decidiu conversar com Fernando Henrique Cardoso. O apresentador mal chegou da França, aonde havia ido com Angélica para a festa de aniversário de Neymar, e nesta quinta-feira já embarca para São Paulo, para se encontrar com o ex-presidente. Enquanto ele estava na Europa, FHC deu uma entrevista na qual disse que uma candidatura de Huck à Presidência seria “boa para o Brasil”. O líder tucano justificou-se dizendo que Huck como candidato a presidente arejaria e colocaria “em perigo a política tradicional”.

Por “política tradicional” entenda-se Geraldo Alckmin, também do PSDB, e quase todos os demais candidatos a presidente já anunciados, com exceção de Jair Bolsonaro. FHC tem dito e repetido que o cenário político precisa de renovação. Na sexta-feira da semana passada, um vídeo com uma fala sua foi apresentado durante o lançamento do movimento RenovaBR, que apoia candidatos a deputado que nunca se elegeram antes. Outro orador no mesmo lançamento foi Huck, também gravado em vídeo.

Por pressão da família e dos empregadores, o apresentador da Rede Globo continua dizendo que não é candidato. O melhor verbo para definir a situação dele não é “ser”, mas “estar”. Tudo é transitório e sujeito a mudanças de temperatura e pressão. O artigo publicado por Huck na Folha no fim de 2017afirmando que não era candidato a presidente teve a função de aplacar as pressões que ameaçavam matar a candidatura antes da decolagem. Funcionou.

Huck ainda se comporta como candidato a candidato: prospecta os efeitos de eventual prisão de Lula sobre o eleitorado pobre do Nordeste (o mesmo no qual ele tem maior penetração), negocia com o PPS uma possível filiação, conversa com conselheiros políticos como FHC. Tudo isso enquanto ouve apelos de operadores do mercado financeiro, empresários e de movimentos que ele apoia. Agora! e RenovaBR adorariam ter um puxador de votos.



Do lado oposto estão mãe, padrasto, irmão e mulher. E o patrão. Ter literalmente um “candidato da Globo” disputando a eleição presidencial colocaria a emissora no centro da campanha mais acirrada desde o fim da ditadura. E não mais como estilingue, mas como vidraça. Um dos objetivos das conversas de Huck com conselheiros como FHC é avaliar o tamanho do risco de retaliação por parte da “política tradicional” contra a emissora.

Eleitoralmente, Huck está na turma do dígito solitário. Na pesquisa Datafolha de janeiro, ele apareceu em três cenários de primeiro turno. Marcou 5% e 6% nos dois cartões em que Lula estava entre os candidatos e foi a 8% quando o petista não aparecia na lista. Em dois dos três casos, empatou com Alckmin e com Ciro, mas ficou sempre atrás de Lula, Bolsonaro e Marina. Isso foi depois de o apresentador ter dito que não seria candidato.

A janela de oportunidade está fechando para Huck. Para ter chance de ser candidato, ele precisa estar filiado a um partido até 7 de abril. O DEM, com quem chegou a flertar, está tentando viabilizar a candidatura do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Deve lançá-lo durante a convenção do partido, em março. A conversa com a Rede, de Marina Silva, não prosperou. Sobrou o PPS, que também deve abrigar candidatos do Agora! à Câmara.

A volta do Huck candidato depende do que dizem seu conselheiro FHC, a família, o empregador e, principalmente, o eleitor. Sua candidatura só tem viabilidade se o nome de Lula não estiver na urna. Um novo revés judicial ou mesmo a prisão do ex-presidente antes de 7 de abril podem servir de trampolim para o salto acrobático do apresentador rumo à eleição. Será um salto no escuro. Se mortal ou não, ele só saberá seis meses depois.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Relacionadas Últimas

Incerteza é a única coisa certa na eleição

Entre eleitores “nem nem” e eventuais órfãos da candidatura Lula, quase dois terços ainda podem mudar seu voto

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

4

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

7

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

8

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

9

Falta combinar no WhatsApp

Por 24 horas, a piauí acompanhou quatro grupos de caminhoneiros no aplicativo; viu minuto a minuto eles se insurgirem contra as forças federais, desprezarem o acordo de Temer e se negarem a encerrar a paralisação

10

O matemático que deu profundidade à superfície

Geômetra Manfredo do Carmo, fundador de seu campo de pesquisa no Brasil e pesquisador emérito do Impa, morre aos 89 anos