Igualdades

Ibama multa cada vez menos

Emily Almeida, Amanda Rossi e Renata Buono
11nov2019_09h45

Em um ano marcado por tragédias ambientais, como o rompimento da barragem de Brumadinho, as queimadas na Amazônia e o megavazamento de óleo nas praias do Nordeste, o Ibama está multando cada vez menos. Em setembro de 2019, o número de multas caiu 26% em relação a setembro de 2018; no mesmo período, o desmatamento na Amazônia aumentou 80%, mostram dados do Sistema de Alerta de Desmatamento do Imazon (SAD). Entre janeiro e setembro deste ano, o número de autos de infração aplicados pelo órgão ambiental foi o menor da última década, e o valor cobrado nas multas também caiu ao menor patamar do período. A Amazônia é o bioma com o maior número de infrações. O =igualdades desta semana apresenta um raio-X das multas aplicadas pelo Ibama de 2010 a 2019.

O Ibama está multando cada vez menos. Para cada 5 multas aplicadas de janeiro a setembro de 2010, apenas 3 foram emitidas no mesmo período deste ano, a menor quantidade da década.

Nos últimos dez anos*, as multas aplicadas pelo Ibama chegam a R$ 30 bilhões – mas só 1,2% disso foi efetivamente pago (R$ 366 milhões). Isso significa que, de cada R$ 82 cobrados, somente R$ 1 foi pago.

Este ano, a cada R$ 100 em multas aplicadas, R$ 66 foram por crimes cometidos na Amazônia e R$ 18 na Mata Atlântica.

Em 2019, os crimes mais autuados pelo Ibama foram os contra a flora, que incluem o desmatamento, com 3,5 mil infrações. Já os crimes contra a fauna, nos quais se enquadra a caça de alguns espécimes, representaram 1,2 mil infrações. De janeiro a setembro, para cada crime cometido contra a fauna, houve 3 contra a flora. 

O episódio que gerou a maior multa do Ibama foi o lançamento de esgoto em rios paranaenses pela empresa de saneamento Sanepar, com multa de R$ 300 milhões, registrada nas bases do Ibama em 2018. Em segundo lugar, empatados, estão os rompimentos das barragens da Vale em Brumadinho, este ano, e da Samarco em Mariana, em 2015, com multas de R$ 250 milhões cada. Já a terceira maior multa foi para a Sidepar Siderúrgica do Pará, pela compra e transporte de carvão vegetal sem origem legal, em 2011, no valor de R$ 224 milhões.

As 5 pessoas mais multadas pelo Ibama em 2019 são acusadas de desmatar 9 mil hectares da Amazônia em Altamira (PA) e queimar outros 4,4 mil hectares em Paranatinga (MT). Somadas, as áreas desmatadas equivalem a 13,4 mil hectares. A área é da mesma extensão que a Ilha de Itaparica, na Bahia.

A Petrobras foi quem mais infringiu regras do Ibama este ano, entre pessoas físicas e jurídicas. Ao todo, recebeu 315 autos de infração. Outra petrolífera aparece na lista com o segundo maior número de autos, a Shell (12). Também está na lista a Odebrecht, com 2 infrações.

O município de Altamira, no Pará, superou o valor de multas de Brumadinho. De janeiro a setembro, o Ibama aplicou R$ 259 milhões em multas em Altamira. Em Brumadinho, R$ 250 milhões.

 

Fontes: Ibama, Imazon. 

* Dados de 2019 incluem as multas emitidas no período de 1 de janeiro a 30 de setembro de 2019. 

Os valores não estão corrigidos pela inflação.

Dados abertos: acesse a planilha que serviu de base para a reportagem.

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

É estagiária de jornalismo da piauí. Antes, trabalhou no jornal O Globo

Amanda Rossi

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

China leva churrasco brasileiro

Peste dizima rebanho suíno chinês; para suprir demanda externa, picanha bovina sobe até 33% nos supermercados do Brasil

Uísque com sopapos

Presidente da Firjan consegue aprovar mudança em regra eleitoral que lhe permite disputar nono mandato; disputa sucessória causa confusão em happy hour de empresários

Foro de Teresina #80: A tragédia em Paraisópolis, o desaforo de Trump e a cultura do desaforo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Conversão na fé ou na marra

Diante da ameaça de facção criminosa no Acre, integrantes de grupo rival têm de optar entre aderir a invasores ou entrar para igrejas evangélicas – e gravar vídeos como prova

2020 – Esperança vã

Propósito deliberado do governo Bolsonaro é asfixiar atividade cinematográfica

Na piauí_159

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

O sapo escaldado da democracia

Prisão de brigadistas aumenta mais um grau em ambiente de autoritarismo lento e irrestrito  

Em busca do centro perdido

Cinco partidos se reúnem em torno de Rodrigo Maia, assumem o nome de Centro e investem nas redes contra a "guerra dos extremos"

Mais textos