Questões da Ciência

Janelas para o passado

Vêm da Inglaterra iniciativas interessantes lançadas na internet esta semana que ajudam a entender melhor duas civilizações antigas. Um projeto disponibiliza na rede fragmentos de papiros egípcios da época da ocupação grega, incluindo textos de Platão, Heródoto e Epicuro, e convida os internautas para ajudar a decifrá-los. Foi inaugurada também uma biblioteca digital de manuscritos de Avicena e outros nomes da medicina árabe do período medieval.

Bernardo Esteves
29jul2011_19h13
Manuscrito árabe sobre medicina que integra a biblioteca digital inaugurada esta semana (foto: Wellcome Arabic Manuscripts Online)
Manuscrito árabe sobre medicina que integra a biblioteca digital inaugurada esta semana (foto: Wellcome Arabic Manuscripts Online)

Vêm da Inglaterra iniciativas interessantes lançadas na internet esta semana que ajudam a entender melhor duas civilizações antigas. Um projeto disponibiliza na rede fragmentos de papiros egípcios da época da ocupação grega, incluindo textos de Platão, Heródoto e Epicuro, e convida os internautas para ajudar a decifrá-los. Foi inaugurada também uma biblioteca digital de manuscritos de Avicena e outros nomes da medicina árabe do período medieval.

Para os interessados pela Antiguidade, a dica é perder-se pelas páginas do site Ancient Lives [Vidas Antigas], lançado por iniciativa da Universidade de Oxford em parceria com outras instituições. O projeto disponibiliza on-line centenas de milhares de papiros e conta com a ajuda de voluntários para transcrevê-los e catalogá-los.

Os documentos em questão pertencem à Coleção de Papiros Oxyrhynchus, desenterrados nessa cidade egípcia entre 1896 e 1907 por dois egiptólogos de Oxford, com a ajuda de trabalhadores egípcios. Os papiros estão escritos em grego (o Egito foi conquistado no século 4 a.C. por Alexandre, o Grande). De acordo com um relato do Daily Mail, apenas 2% deles foram transcritos até aqui.

O acervo contém verdadeiras relíquias, como relata James Brusuelas no post inaugural do blog do projeto. Entre as preciosidades, estão escritos de Platão, Heródoto e Tucídides, fragmentos do evangelho segundo Mateus e de um evangelho apócrifo atribuído a Tomás, um papiro do filósofo pré-socrático Empédocles sobre a anatomia do olho, cartas desconhecidas de Epicuro, uma peça perdida de Eurípedes e várias peças de Aristófanes. Além desses escritos, há documentos que podem dar pistas valiosas sobre como era o Egito dos tempos da ocupação greco-romana.



São alguns desses textos que os pesquisadores do projeto convidam os internautas a transcrever. O site tem uma interface limpa e descomplicada que permite ao voluntário identificar as letras num fragmento do papiro e transcrevê-la com a ajuda de um teclado na parte de baixo da tela. Mesmo quem não tiver qualquer familiaridade com o alfabeto grego não terá dificuldade para fazer a transcrição. E a atividade tem um caráter lúdico, que pode estimular internautas de todas as idades a colaborar com os egiptólogos.

O projeto Ancient Lives é mais um exemplo do que se convencionou chamar de crowdsourcing – um modelo colaborativo para realização de tarefas e solução de problemas que recorre ao saber coletivo de uma comunidade. Outras iniciativas do gênero aplicadas à ciência incluem projetos para catalogar ossos de dinossauros ou para classificar galáxias.

Medicina islâmica
A outra boa notícia para quem gosta de história da ciência vem da Wellcome Trust. Essa instituição de caridade britânica que financia pesquisas sobre medicina e saúde anunciou esta semana o lançamento de uma biblioteca on-line gratuita de manuscritos importantes da medicina árabe da Idade Média. Nesse período histórico, principalmente entre os séculos 8 e 13, a medicina e outros campos do conhecimento floresceram na civilização islâmica, que ocupava então o norte da África e a o sudoeste da Ásia, do Oriente Médio até a Índia.

Uma das principais figuras da medicina islâmica foi o do polímata Ibn Sina, conhecido entre nós como Avicena, que viveu no fim do século 10 e início do 11. Avicena escreveu dezenas de tratados médicos entre os quais o principal é o Cânone da medicina, que pretendia reunir os conhecimentos médicos do seu tempo. O livro descreveu várias doenças e tratamentos e teve grande influência sobre a medicina europeia.

Avicena é um dos autores dos manuscritos que agora estão disponíveis on-line por iniciativa de uma parceria entre três instituições. Os documentos foram digitalizados a partir da coleção de manuscritos de medicina árabe da Biblioteca Wellcome, que tem cerca de mil tratados, livros e documentos variados. A biblioteca digital foi inaugurada com cerca de 120 manuscritos – o número deve aumentar com o passar do tempo. Os documentos não estão traduzidos, o que restringe seu interesse para leigos. Ainda assim, trata-se de uma iniciativa valiosa para os estudiosos da história da ciência e da civilização árabe medieval.

Bernardo Esteves (siga @besteves no Twitter)

Repórter da piauí desde 2010, é autor do livro Domingo É Dia de Ciência, da Azougue Editorial

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Consórcio de checagem de fatos é indicado ao Nobel da Paz

Presente em 51 países, entre eles o Brasil, Rede Internacional de Verificação de Fatos (IFCN) recebeu a nomeação nesta quinta-feira (21)

A queda do padre youtuber

Marcos de Miranda é afastado da Igreja após denúncia de que infringiu o celibato e tem um filho de 2 anos. Ele nega a acusação

“O mundo em torno de mim está se desfazendo”

Jornalista que vive no Amazonas há trinta anos descreve o colapso dos hospitais manauaras durante a segunda onda da pandemia

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

121

5

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

6

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

7

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

8

Quixote venceu

Memórias e dúvidas metafísicas de um torcedor do Galo diante da glória

9

Um pierrô apaixonado

As melhores marchas do carnaval do Rio de Janeiro sucederam-se na boca do povo ao longo das décadas de 1920 a 1950, para fixar-se em seguida na memória de todos os cariocas, mesmo aqueles para quem o carnaval será sempre apenas um feriado. Repetidas ao infinito nas rádios, cantadas nas ruas e nas casas, muitas das marchinhas mais populares tornaram-se imortais.