questões manuscritas

João Cabral contabiliza seus versos

João Cabral de Melo Neto, certamente o maior poeta brasileiro de sua geração, notabilizou-se pela concisão e a busca da palavra precisa. Odiava a verborragia da poesia parnasiana que, segundo ele, lhe “dava nojo” e o havia afastado do fazer poético na juventude. Até descobrir, com Manuel Bandeira e Mário de Andrade, que a poesia não precisava ser como a de Olavo Bilac.

Manuel Bandeira era seu primo e o ajudou no início da carreira, mas seus estilos eram diversos. Cabral praticava um “lirismo de subtração” na feliz expressão do crítico Antonio Carlos Secchin, que criou também a idéia da “poesia do menos” para definir a obra de Cabral. Ainda que admirado por seu perfeccionismo e economia de palavras, um documento privado do poeta, reproduzido nesta página, surpreende ao mostrar que também a quantidade e não somente a excelência importava para João Cabral.

Pedro Corrêa do Lago
17abr2012_15h49

João Cabral de Melo Neto, certamente o maior poeta brasileiro de sua geração, notabilizou-se pela concisão e a busca da palavra precisa. Odiava a verborragia da poesia parnasiana que, segundo ele, lhe “dava nojo” e o havia afastado do fazer poético na juventude. Até descobrir, com Manuel Bandeira e Mário de Andrade, que a poesia não precisava ser como a de Olavo Bilac.

Manuel Bandeira era seu primo e o ajudou no início da carreira, mas seus estilos eram diversos. Cabral praticava um “lirismo de subtração” na feliz expressão do crítico Antonio Carlos Secchin, que criou também a idéia da “poesia do menos” para definir a obra de Cabral. Ainda que admirado por seu perfeccionismo e economia de palavras, um documento privado do poeta, reproduzido nesta página, surpreende ao mostrar que também a quantidade e não somente a excelência importava para João Cabral.

Nesta página comovente, Cabral faz uma curiosíssima estatística intitulada . Na pequena folha de papel, o grande poeta contabiliza os versos presentes em cada um de seus livros desde os modestos 295 da Pedra do Sono até os generosos 1.548 de Quaderna, passando pelos 1.233 do famoso Morte e Vida Severina. No total, em 16 livros, João Cabral conta 13.298 versos. (Outro documento anterior também sobreviveu em que Cabral adiciona o número de versos, e atualiza a sua contagem com correções a lápis).

Esses papéis foram guardados por sua família e fizeram parte de um leilão de seus livros e de alguns manuscritos organizado no Rio de Janeiro pouco depois de sua morte, ocorrida em 1999. Seus herdeiros somente autorizaram o leilão, pois esperavam que uma instituição cultural exercesse uma prerrogativa prevista no regulamento, que permitia sobrepor-se aos arrematantes individuais exercendo o direito de reunião de todos os lotes leiloados. Isso não ocorreu, e acabaram, portanto, dispersadas entre colecionadores apaixonados e admiradores de João Cabral várias peças curiosas ou importantes que pertenceram ao grande poeta.



Naquela noite, seu atual detentor adquiriu este documento, uma das mais inesperadas e fascinantes entre as páginas produzidas pelo grande escritor.

Pedro Corrêa do Lago

Pedro Corrêa do Lago é mestre em economia pela PUC - Rio. Foi autor do blog questões manuscritas no site da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Respirador dá fôlego a devedor

Ministério da Saúde contrata para fornecer ventiladores empresa que deve pelo menos 75 milhões de reais em impostos federais, estaduais e municipais

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

3

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

4

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

O taxista carioca

Armando Japiassú dirige com o cotovelo para fora, finge que o ar-condicionado quebrou agorinha mesmo e definitivamente não acredita que a reta seja o caminho mais curto entre dois pontos 

7

Uma arma, dois assassinatos e uma só tragédia no Rio

Como uma mesma pistola 9 mm de uso restrito está diretamente ligada às mortes de um sniper e de um PM em menos de 24 horas na capital carioca

9

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

10

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira