Igualdades

Lixo, doce lixo

Luigi Mazza e Renata Buono
01abr2019_10h00

Se lixo fosse um produto de exportação brasileiro, venderia mais do que café e açúcar – mercados dos quais o Brasil é líder mundial. São dezenas de milhões de toneladas de resíduos por ano. O Brasil é o quarto país do mundo que mais descarta lixo plástico, à frente de economias desenvolvidas como o Japão; por outro lado, os japoneses reciclam quase o triplo do que os brasileiros.

Em 2017, o Brasil produziu 78,4 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos – ou seja,  o lixo doméstico e comercial das cidades. Esse volume corresponde a mais que o triplo de todo o açúcar de cana que o país exportou nesse mesmo ano (23,3 milhões de toneladas).

Só de lixo plástico, foram 11,3 milhões de toneladas em 2016 – 59% a mais do que o Japão  (7,1 milhões de toneladas).

O volume de lixo plástico reciclado no Brasil (145 mil toneladas em 2016) é menos da metade do reciclado no Japão (405,8 mil toneladas).

No período de um ano, a cidade do Rio de Janeiro coleta tanto lixo quanto o Brasil produz café: são aproximadamente 3,6 milhões de toneladas de resíduos – equivalente à safra de café de 2018.

A cidade do Rio coleta 10 mil toneladas de lixo por dia. Se esse volume fosse empilhado durante quatro anos e quatro meses, seria suficiente para preencher o equivalente a dois morros do Pão de Açúcar.

No verão, a cidade do Rio coleta nas praias uma média de 3,7 mil toneladas de lixo por mês. É como se os garis coletassem um peso equivalente a 3 estátuas do Cristo Redentor.

 

Fontes: Abrelpe; Ministério da Economia; WWF; Comlurb; IBGE; cálculo do professor da Coppe/UFRJ Maurício Ehrlich.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí e produtor da rádio piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Dor e Glória – lembranças luminosas de Almodóvar

Inteligência e sensibilidade marcam filme que traduz vulnerabilidade física do diretor e de Banderas

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Alertas mais precisos contra o desmatamento

Nova plataforma gratuita de monitoramento flagrou, em seis meses de testes, quase 900 quilômetros quadrados desmatados

Foro de Teresina #54: O trânsito de Bolsonaro, o bate-cabeça da oposição e o elogio da agressão

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

2

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

3

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

4
5

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

7

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

9

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

10

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo