Igualdades

Lixo, doce lixo

Luigi Mazza e Renata Buono
01abr2019_10h00

Se lixo fosse um produto de exportação brasileiro, venderia mais do que café e açúcar – mercados dos quais o Brasil é líder mundial. São dezenas de milhões de toneladas de resíduos por ano. O Brasil é o quarto país do mundo que mais descarta lixo plástico, à frente de economias desenvolvidas como o Japão; por outro lado, os japoneses reciclam quase o triplo do que os brasileiros.

Em 2017, o Brasil produziu 78,4 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos – ou seja,  o lixo doméstico e comercial das cidades. Esse volume corresponde a mais que o triplo de todo o açúcar de cana que o país exportou nesse mesmo ano (23,3 milhões de toneladas).

Só de lixo plástico, foram 11,3 milhões de toneladas em 2016 – 59% a mais do que o Japão  (7,1 milhões de toneladas).

O volume de lixo plástico reciclado no Brasil (145 mil toneladas em 2016) é menos da metade do reciclado no Japão (405,8 mil toneladas).

No período de um ano, a cidade do Rio de Janeiro coleta tanto lixo quanto o Brasil produz café: são aproximadamente 3,6 milhões de toneladas de resíduos – equivalente à safra de café de 2018.

A cidade do Rio coleta 10 mil toneladas de lixo por dia. Se esse volume fosse empilhado durante quatro anos e quatro meses, seria suficiente para preencher o equivalente a dois morros do Pão de Açúcar.

No verão, a cidade do Rio coleta nas praias uma média de 3,7 mil toneladas de lixo por mês. É como se os garis coletassem um peso equivalente a 3 estátuas do Cristo Redentor.

 

Fontes: Abrelpe; Ministério da Economia; WWF; Comlurb; IBGE; cálculo do professor da Coppe/UFRJ Maurício Ehrlich.



Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Cobaias ou heróis?

Cerca de 90 voluntários serão infectados por cientistas com o SARS-COV-2 para ajudar a responder perguntas vitais que permanecem sem resposta desde o começo da pandemia

A sutil arte de ligar o BBB

Com 77 milhões de menções no Twitter, programa deixou para trás Bolsonaro, Covid, vacina e futebol; Globo acolhe Karol Conká em “operação descancelamento”

Vacina atrasada, variante acelerada

Ritmo lento de imunização aumenta risco de disseminação de mutações do Sars-CoV-2

Foro de Teresina #139: Liberalismo adernado e o tsunami

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Erros em série e 250 mil mortes

Sem plano eficaz de imunização, dinheiro das vacinas paga até gasto sigiloso com operação de inteligência do Exército; governo financia campanha de tratamento precoce e mantém no ar manual para uso de cloroquina

No rastro do doleiro dos doleiros

Inquérito investiga como Dario Messer movimentou mais de 100 milhões de dólares em contas no Banco Safra no exterior - e se banco violou regras contra lavagem de dinheiro

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

5

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

7

O quilo não é mais aquele

A definição da unidade de massa vai mudar

8

Aldemir Bendine substituirá propina por crédito consignado

POSTO IPIRANGA - Após assumir a presidência da Petrobras, o ex-BB Aldemir Bendine anunciou suas primeiras medidas para conter a corrupção. "Como venho de um banco, me especializei em encontrar as melhores soluções de crédito para seus clientes. Substituirei, portanto, as propinas por planos de crédito consignado", explicou, enquanto calculava os juros para pessoas físicas e jurídicas.

9

Em busca do cadáver

O que faz um perito policial, com quais equipamentos trabalha, e qual o resultado da sua análise científica de assassinatos no Rio de Janeiro

10

Governo paulista inicia internação compulsória de viciados em iPhone

FOURSQUARE - Promovido pelo governador Geraldo Alckmin, o programa de internação compulsória de viciados em gadgets começa hoje em São Paulo. "Trata-se de uma situação calamidade pública. Os smartphones estão destruindo os almoços em família, os papos de botequim e tornando as reuniões corporativas menos produtivas. Precisamos preservar as próximas gerações", postou Alckmin no Facebook, enquanto estava preso no trânsito da Marginal.