Igualdades

Lixo, doce lixo

Luigi Mazza e Renata Buono
01abr2019_10h00

Se lixo fosse um produto de exportação brasileiro, venderia mais do que café e açúcar – mercados dos quais o Brasil é líder mundial. São dezenas de milhões de toneladas de resíduos por ano. O Brasil é o quarto país do mundo que mais descarta lixo plástico, à frente de economias desenvolvidas como o Japão; por outro lado, os japoneses reciclam quase o triplo do que os brasileiros.

Em 2017, o Brasil produziu 78,4 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos – ou seja,  o lixo doméstico e comercial das cidades. Esse volume corresponde a mais que o triplo de todo o açúcar de cana que o país exportou nesse mesmo ano (23,3 milhões de toneladas).

Só de lixo plástico, foram 11,3 milhões de toneladas em 2016 – 59% a mais do que o Japão  (7,1 milhões de toneladas).

O volume de lixo plástico reciclado no Brasil (145 mil toneladas em 2016) é menos da metade do reciclado no Japão (405,8 mil toneladas).



No período de um ano, a cidade do Rio de Janeiro coleta tanto lixo quanto o Brasil produz café: são aproximadamente 3,6 milhões de toneladas de resíduos – equivalente à safra de café de 2018.

A cidade do Rio coleta 10 mil toneladas de lixo por dia. Se esse volume fosse empilhado durante quatro anos e quatro meses, seria suficiente para preencher o equivalente a dois morros do Pão de Açúcar.

No verão, a cidade do Rio coleta nas praias uma média de 3,7 mil toneladas de lixo por mês. É como se os garis coletassem um peso equivalente a 3 estátuas do Cristo Redentor.

 

Fontes: Abrelpe; Ministério da Economia; WWF; Comlurb; IBGE; cálculo do professor da Coppe/UFRJ Maurício Ehrlich.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

3

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

4

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

5

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

8

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

10

De volta à Rua do Ouvidor

Uma pequena livraria no Centro do Rio sobrevive à catástrofe econômica causada pela quarentena