questões científicas

Lobby pró-cloroquina põe pesquisadores na fogueira

Depois das críticas da direita americana, procuradores brasileiros abrem inquérito sobre estudo que contesta uso da droga em pacientes de covid-19

Allan de Abreu
27abr2020_16h41
Ilustração de Carvall

“Eu me sinto um pouco como Galileu Galilei”, diz o infectologista Marcus Lacerda, coordenador de um estudo que apontou para os riscos da cloroquina para vítimas da covid-19 em Manaus. O físico italiano quase foi queimado vivo pela inquisição católica no século XVII por defender a tese de que a Terra girava em torno do Sol. Lacerda e outros 27 pesquisadores brasileiros que participaram da pesquisa com a cloroquina tornaram-se alvo de um inquérito civil instaurado por três procuradores do Ministério Público Federal (MPF), dois deles simpatizantes do bolsonarismo. Não sem antes sofrerem um linchamento virtual, com ameaças de morte, por contrariarem a versão, difundida pelo clã Bolsonaro, de que o medicamento é benéfico às vítimas do coronavírus. Há mais de uma semana Lacerda e a família andam com escolta policial na capital do Amazonas. “Desde o fim da ditadura militar, nenhum cientista passou por isso no Brasil”, afirma o infectologista.

No dia 11 de abril, 27 pesquisadores, a maioria ligada à Fiocruz e à Fundação de Medicina Tropical em Manaus, publicaram no repositório digital medRxiv, que divulga trabalhos ainda não submetidos à avaliação de outros cientistas, os resultados de um estudo avaliando os efeitos de altas doses de cloroquina e azitromicina em 81 pacientes com covid-19 no hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz, da capital amazonense. Metade dos doentes recebeu doses de 450 mg de cloroquina durante cinco dias; o restante recebeu uma dose de 600 mg duas vezes ao dia por dez dias. Já no terceiro dia, os pesquisadores observaram um aumento significativo de arritmias cardíacas no segundo grupo de pacientes. No sexto dia, a pesquisa com esse segundo grupo foi interrompida depois que onze deles morreram. A letalidade, de 13%, é menor do que a de 18% para pacientes que não usaram a cloroquina, segundo estudos internacionais.

Segundo os pesquisadores, o estudo, aprovado pelo Conselho Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), não teve pacientes em quantidade representativa no primeiro grupo (que recebeu as doses mais baixas) para concluir com segurança que a cloroquina era eficaz para os doentes de covid-19. "Para mim, esse estudo transmite uma informação útil: a cloroquina causa um aumento dependente da dose em uma anormalidade no eletrocardiograma que pode predispor as pessoas à morte cardíaca súbita", disse o Dr. David Juurlink, chefe da divisão de farmacologia clínica da Universidade de Toronto, em reportagem publicada no dia 12 pelo jornal The New York Times.

Dois dias depois, em 14 de abril, Michael Coudrey, ativista da alt-right e entusiasta do presidente do Estados Unidos, Donald Trump, comentou o estudo brasileiro com base na reportagem do NYTimes: “Um estudo sobre a cloroquina foi feito de modo tão irresponsável que não posso acreditar. Os pesquisadores usaram os pacientes como ratos de laboratório.” Após vários tuítes em sequência, Coudrey encerrou com uma frase em português: “Viva o povo do Brasil. Viva os conservadores e o presidente Bolsonaro.” Trump foi um defensor ferrenho do uso da cloroquina contra a covid-19 – em março, as prescrições do medicamento dispararam após o presidente do Estados Unidos elogiar a substância em um de seus pronunciamentos diários à imprensa.

 

Na manhã de 17 de abril, foi a vez de o deputado Eduardo Bolsonaro atacar a pesquisa no mesmo Twitter: “Estudo clínico realizado em Manaus pra desqualificar a cloroquina causou 11 MORTES após pacientes receberem doses muito fora do padrão. Este absurdo deve ser investigado imediatamente. Os responsáveis são do PT. Mas isso é pura coincidência, claro…” Logo abaixo da postagem, o parlamentar anexou texto do site bolsonarista Conexão Política contendo imagens de parte dos autores do estudo em Manaus retiradas do Facebook, em que os pesquisadores declaram apoio aos então candidatos à Presidência Fernando Haddad (PT) e Ciro Gomes (PDT), adversários de Bolsonaro na disputa de 2018.

Eduardo Bolsonaro possui ligação estreita com o chamado “gabinete do ódio”, grupo de assessores do Palácio do Planalto suspeito de difundir ataques e fake news contra desafetos da família Bolsonaro. Ele e o irmão Carlos, vereador no Rio, são investigados pela Polícia Federal por supostamente liderarem um grupo que monta notícias falsas para intimidar autoridades públicas na internet.

A partir da postagem do parlamentar, os pesquisadores do estudo de Manaus começaram a receber ataques em série pelas redes sociais, incluindo ameaças de morte contra Lacerda e os demais autores a Polícia Civil do Amazonas investiga o caso. “Tentaram hackear o meu celular. Estamos todos com muito medo”, disse um dos cientistas, sob a condição do anonimato.

Na guerra virtual contra os cientistas do estudo de Manaus, os Bolsonaro passaram a contar com um aliado relevante: o pesquisador Paolo Zanotto, professor do departamento de microbiologia da USP e entusiasta da cloroquina para pacientes com covid-19. No dia 6 de abril, Zanotto participou de uma transmissão ao vivo na rede social Instagram com Eduardo Bolsonaro para falarem sobre a cloroquina. Poucos dias depois, o Instituto de Ciências Biomédicas (ICB), da USP, divulgou nota desautorizando publicamente o pesquisador, ainda que sem citá-lo nominalmente. "A instituição declara que as colocações feitas pelo docente são de sua inteira responsabilidade e não representam uma posição institucional. [...] O ICB reafirma seu compromisso com a ciência e a ética em pesquisas relacionadas à epidemia de covid-19, assim como em todas as áreas em que atua", disse o comunicado.

No dia 21 de abril pela manhã, Zanotto fez uma publicação enigmática em sua página no Facebook: “Recomendo que vocês leiam a portaria nº 40, de 20 de abril de 2020, do MPF. Muito educativa… cutucaram a onça com o dedo.” No dia anterior, três procuradores do MPF haviam assinado portaria com idêntico número, originário da Procuradoria da República em Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, instaurando inquérito civil contra os 27 pesquisadores. O documento afirma que a dose de cloroquina oferecida aos pacientes em Manaus é três vezes maior que a “dose máxima segura” e cita “eventuais fragilidades epistemológicas e procedimentais do estudo, cujos resultados podem influenciar medidas de enfrentamento farmacológico à propagação da covid-19 na população brasileira como um todo”. A portaria elenca 32 questões que deverão ser respondidas pelos pesquisadores, convocados a prestar esclarecimentos ao MPF. Entre as perguntas,  “por que estudar o uso da cloroquina em pacientes graves, quando é razoável esperar maiores ganhos na fase precoce, oligossintomática [com poucos sintomas] da infecção” – um pleito recorrente do bolsonarismo. A portaria só foi divulgada no site do MPF no dia 22, quarta-feira, e publicada no diário oficial dia 23.

Dos três procuradores que assinam o documento do MPF, dois têm feito em suas redes sociais a defesa de pautas comuns ao bolsonarismo. O primeiro, atuante em Bento Gonçalves, é Alexandre Schneider, que ganhou fama em fevereiro, quando publicou em seu perfil no Instagram uma frase ofensiva à repórter da Folha Patrícia Campos Mello, alvo de difamação na CPI das Fake News, na Câmara dos Deputados. "Cuidado para você que quer ser jornalista: não confunda dar furo de reportagem com dar o furo pela reportagem", escreveu Schneider – repetindo a ofensa feita publicamente, horas antes, pelo presidente Bolsonaro. O segundo é Wesley Miranda Alves, lotado em Ituiutaba, Minas Gerais. Em sua página no Twitter, em várias ocasiões ele chama Trump de “gênio” e “mito”. O terceiro é Higor Rezende Pessoa, que atualmente trabalha em Palmas, Tocantins. Procurados pela piauí por meio das assessorias do MPF nos estados, os procuradores não quiseram se manifestar.

“Torcida não combina com ciência. Esse comportamento coloca os cientistas contra a sociedade, o que não se pode aceitar, já que, assim como a sociedade, também queremos soluções para essa doença tão grave”, diz Fernando Spilki, presidente da Sociedade Brasileira de Virologia. Na sexta-feira, 24, o estudo dos pesquisadores de Manaus foi publicado pela revista da Associação Médica Americana (Jama, na sigla em inglês). Em editorial baseado na pesquisa brasileira, a publicação defende cautela no uso da cloroquina contra doentes de coronavírus. “Os resultados deste ensaio devem provocar algum grau de ceticismo às alegações entusiásticas sobre a cloroquina e talvez servir para coibir seu uso exuberante. Por enquanto, os médicos prudentes devem discutir com os pacientes e suas famílias, quando possível, os riscos potenciais desse medicamento e os benefícios incertos antes de iniciá-lo.”

As menções de Jair Bolsonaro à cloroquina no Twitter caíram nos últimos dias – foram treze referências à substância nos nove primeiros dias do mês e apenas uma desde então. Eduardo Bolsonaro não respondeu a mensagens deixadas no seu celular via Whatsapp. Paolo Zanotto não foi localizado. Na quarta-feira, o Conselho Federal de Medicina (CFM) liberou a prescrição médica da cloroquina, incluindo o uso domiciliar. O anúncio foi feito pelo presidente do CFM, Mauro Luiz de Britto Ribeiro, logo após reunião com o ministro da Saúde, Nelson Teich, e com o presidente Bolsonaro.

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

Às vésperas de protestos, PM associa “antifas” à violência

Polícia mineira usa símbolos e bandeiras do movimento antifascista para “reconhecimento de  possíveis manifestantes violentos”

Aula de longe, mas ao pé do ouvido

Municípios do Rio Grande do Norte apostam no rádio para manter ensino durante a quarentena e atraem adultos de volta à escola

Foro de Teresina #103: As ameaças contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho

Na piauí_165

A capa e os destaques da revista de junho

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

Oxigênio e sobrevivência

Prioridades na Cinemateca Brasileira e na vida

Máscara, gás e pimenta

Epidemia amplia tensões sociais e eleva risco de confrontos

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

A Terra é redonda: Desnorteados

Hospitais saturados, indígenas ameaçados, desmatamento em alta: como a pandemia está afetando os povos e ecossistemas da Amazônia

Mais textos
1

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

2

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

3

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

4

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

6

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

7

A gestação do menino diabo

Como traduzir Memórias Póstumas de Brás Cubas para o inglês com dicionários frágeis e bases de dados gigantescas

8

Alexandre de Moraes absolve Alexandre de Moraes em caso de plágio

Antenado com o espírito de seu tempo, Alexandre de Moraes, recém-aprovado como ministro do Supremo Tribunal Federal, usou de suas prerrogativas para se defender das acusações de plágio. "Vou escolher meu julgador. Nesse caso, serei eu mesmo."

9

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

10

O que é fascismo

Quando uma palavra se transforma em palavrão