rádio piauí

Maria vai com as outras #2: Peso

Duas professoras falam sobre como perder ou ganhar muitos quilos afetou suas vidas dentro e fora do trabalho

11fev2019_05h00
As convidadas Gabriela Souza e Flávia Santos, pelo traço do ilustrador Caio Borges
As convidadas Gabriela Souza e Flávia Santos, pelo traço do ilustrador Caio Borges

Para Gabriela Souza, tradutora e professora de inglês, o sobrepeso parecia incomodar mais as outras pessoas do que ela mesma. Os quilos a mais só viraram uma questão quando ela torceu o tornozelo e ouviu dos médicos que a única solução possível era perder peso rapidamente. Ela se submeteu então a uma cirurgia bariátrica mas hoje, 40 quilos mais magra, ela diz ter mais limitações e problemas de saúde do que quando era gorda.

Ao entrar na adolescência, a pedagoga Flávia Santos começou a se incomodar com a maneira como seu corpo de mulher adulta chamava a atenção. Aos 14 anos, controlar o peso virou uma obsessão que a fez perder 22 quilos em quatro meses e ser internada para tratar uma anorexia e depressão.

Neste segundo episódio da nova temporada do Maria Vai Com as Outras, elas contam como essas transformações bruscas no corpo mudaram a maneira como se veem.

Bloco 1
Gabriela Souza chegou a pesar 110 quilos, e conta que a sua relação com o próprio corpo sempre oscilou, independentemente do sobrepeso. A cirurgia bariátrica, que reduziu o tamanho de seu estômago, teve consequências drásticas na sua saúde, decorrentes da absorção de nutrientes mas também na sua maneira de estar no mundo, nos relacionamentos profissionais e afetivos.



Bloco 2
A pedagoga Flávia Santos trabalha na biblioteca de uma escola particular no Rio de Janeiro, e convive diariamente com jovens
especialmente meninas com a mesma idade que ela tinha quando emagreceu subitamente e foi diagnosticada com anorexia. Depois de anos fazendo terapia, acredita que o gatilho para todo esse processo foi o assédio que passou a sofrer no começo da adolescência. A compulsão por exercícios físicos e dietas cada vez mais rigorosas arbitrou sobre amizades de juventude, relacionamentos afetivos, e o seu ingresso na vida profissional – até que a maternidade a libertasse pela primeira vez do desconforto com o próprio corpo.

Maria vai com as outras  tem um grupo de debate no Facebook. Clique aqui para participar. Estamos também no Twitter. Siga nosso perfil neste link.

O programa vai ao ar quinzenalmente às segundas-feiras pela manhã. Para ouvir a primeira temporada, acesse a página do podcast. O Maria também está disponível em tocadores como o Spotify Apple Podcasts.

*

Ficha técnica:
Apresentação: Branca Vianna
Direção: Paula Scarpin
Produção: Luiza Miguez e Mari Faria
Finalização e mixagem: João Jabace
Identidade visual: Cecilia Marra, Caio Borges e Paula Cardoso
Distribuição: Kellen Moraes e Luigi Mazza
Transcrição: Isabel Scorza
Gravado no estúdio Rastro.

mais rádio piauí

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #133: Pouca vacina, muita lambança

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Sem sintoma, com Covid-19

Estudo descobre que os 29% de casos sem nenhum sintoma de Covid-19 têm a mesma...

Foro de Teresina #132: Presidente mimimi

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

E a vacina, quando vem?

Fernando Reinach explica por que demora um ano e meio para testar uma vacina (como...

Foro de Teresina #131: Para que essa ansiedade?

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Máscara reduz seu risco e o do outro

Usar máscaras cirúrgicas reduz à metade perigo de contaminação; se o contaminado usar, probabilidade fica...

Foro de Teresina #130: À deriva, sem vacina

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #129: O Brasil na rabeira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Dose errada é a certa?

AstraZeneca diz que dose menor de sua vacina contra o Sars-CoV-2 aumentou, sem querer, eficácia...

Mais textos
1

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

2

Pontes e perdas – carta do leitor

O engenheiro civil Ubirajara Ferreira da Silva, “autor do projeto básico da ponte Forte-Redinha”, em Natal, escreve dizendo-se surpreso com os comentários feitos no post publicado semana passada. Transcrevo a seguir a carta recebida, na qual o missivista explica as razões técnicas que levaram a ponte a ser construída na foz do rio Potenji, e reconhece a ocorrência indicada de “retenções de trânsito que afligem a população, sobretudo nas horas de pico”:

3

Planos de candidatos para alfabetizar adultos são vagos

País não cumpre meta acertada com a Unesco e analfabetos são 11,5 milhões – e 4,4% dos 147 milhões de eleitores

4

“Snowden foi um herói de nosso tempo”

A pedido de piauí, o historiador Perry Anderson – autor do artigo A pátria americana, publicado nesta edição de outubro – enviou os seguintes comentários a respeito das recentes revelações sobre a espionagem cibernética dos Estados Unidos.

“O fato de nenhum país ocidental ter ousado dar asilo a Snowden diz muito sobre a realidade da Pax Americana”

5

Sinfonia para os sem-orquestra

Uma Heróica sob medida para instrumentistas espalhados pelo mundo inteiro

9

Lula se oferece para suceder Mandela

COSTA DO SAUÍPE – Profundamente abatido com o falecimento de Nelson Mandela, Lula convocou a imprensa para anunciar que está preparado para preencher a lacuna deixada pelo líder sul-africano. "O companheiro Mandela fez muita coisa boa, disso ninguém duvida. Não lhe coube, contudo, vencer a inflação, estabilizar a economia, transpor as águas do São Francisco, criar o Bolsa Família, lutar contra a pobreza, tourear a mídia burguesa, estabelecer cotas nas universidades, descobrir o Pré-Sal e difundir o Luz Para Todos”, disse. “Diante disto, ponho-me à disposição da Humanidade para sucedê-lo", concluiu, já posando para a estátua.

10

Ricardo Aronovich & Eduardo Coutinho

A foto de Eduardo Coutinho publicada na piauí 82, deste mês, foi feita por Ricardo Aronovich, o que explica a qualidade excepcional do registro.

Não tendo sido possível identificar a autoria a tempo, porém, a revista saiu sem o devido crédito, e só hoje, graças à suspeita levantada pelo próprio Coutinho ao ver a foto impressa, chegou a confirmação por e-mail do Aronovich de que a foto é mesmo dele.