rádio piauí

Maria Vai Com as Outras #5: Crime e castigo contra a mulher

Uma socióloga e uma defensora pública falam dos efeitos que a violência tem na vida profissional das mulheres

14out2019_05h00
As entrevistadas pelo traço de Caio Borges

No quinto episódio da terceira temporada do Maria Vai Com as Outras, Branca Vianna conversa com duas especialistas sobre as consequências da violência doméstica na vida laboral das mulheres.

Tradicionalmente, o podcast ouve as experiências pessoais de suas entrevistadas mas, desta vez, optamos por abordar este assunto, tão delicado e difícil, de maneira diferente. Te convidamos a ouvir no primeiro bloco a socióloga paulista Wania Pasinato, que se dedica a estudar o assunto e desmistificar, por exemplo, a impressão de que mulheres de baixa renda sofrem mais violência do que outras.

No segundo bloco, quem fala com a gente é a defensora pública gaúcha Tatiana Boeira, e aqui, é importante fazer um aviso: Ela defende uma mulher condenada por não estar presente em casa para defender seu bebê morto pelo pai num crime violentíssimo, por isso, se para você for muito difícil ouvir esse tipo de relato, a gente pede para você esperar um pouco que aguarde um novo episódio que estará no ar em duas semanas. 

Bloco 1
Wania Pasinato trabalha como consultora para a implementação de políticas públicas de enfrentamento de violência contra a mulher. Socióloga, ela se debruçou num estudo publicado em agosto de 2019 que confrontou teorias feministas, de gênero e patriarcado, com teorias econômicas, e como cada um desses campos explica a violência contra a mulher. Uma das conclusões é que aumentar o poder econômico de uma mulher não garante que ela vá sair de uma situação de agressão doméstica – seja verbal, emocional, física ou patrimonial.



Bloco 2
Nesta entrevista, a defensora pública do Rio Grande do Sul Tatiana Kosby Boeira fala do caso de Tatiane da Silva, condenada a 24 anos de prisão por omissão porque estava trabalhando quando o marido, usuário de crack e envolvido com o tráfico, matou o filho caçula, ainda bebê. Tatiane, que perdeu a guarda dos outros dois filhos mais velhos, já tinha procurado ajuda por conta da violência que sofria.

Citações no episódio:

O estudo citado por Wania Pasinato, publicado pelo Ipea, pode ser lido aqui.

E um estudo publicado pela ONU que mostra o impacto da violência doméstica sobre a produtividade das mulheres pode ser lido aqui

O Núcleo de Estudos de Gênero Pagu, da Unicamp, e o Núcleo de Estudos da Violência da USP, também publicam artigos e pesquisas sobre o tema, entre eles alguns produzidos pela entrevistada Wania Pasinato.

Tomamos conhecimento do caso citado por Tatiana Boeira nesta reportagem quando a matéria sobre a misoginia na Justiça brasileira foi publicada pela Revista Galileu em março de 2018 sobre a misoginia na justiça brasileira. 

Denuncie os casos de violência contra a mulher discando 180 de qualquer telefone e em qualquer estado brasileiro. 

*

Novos episódios do podcast são publicados quinzenalmente, às segundas, a partir das 5h, em todos os aplicativos de podcasts e aqui no site da piauí.

Para ouvir programas anteriores, acesse a página do Maria.

Siga o Maria nas redes. Temos um perfil no Instagram e no Twitter, além de um grupo fechado para ouvintes no Facebook. Se quiser escrever para a produção do programa, mande um e-mail para: mariavaicomasoutras@revistapiaui.com.br.

O podcast é uma produção da Rádio Novelo para a revista piauí.

*

Neste bônus sobre violência e justiça, a advogada Denise Dora fala sobre os recortes econômicos e de raça que fazem a Lei Maria da Penha ineficiente para uma parcela da população.

Ficha técnica:
Apresentação: Branca Vianna
Direção: Paula Scarpin
Produção: Mari Faria
Edição: Evelin Argenta e Mari Romano
Finalização e mixagem: João Jabace
Redes sociais: Ana Beatriz Ribeiro
Vídeos: Desiré Taconi
Coordenação digital: Kellen Moraes
Identidade visual: Cecilia Marra, Caio Borges e Paula Cardoso
Distribuição: Ana Carolina Santos, Júlia Sena, Luigi Mazza e Yasmin Santos
Engenheiro de som: Danny Dee
Gravado no Estúdio Rastro

mais rádio piauí

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #133: Pouca vacina, muita lambança

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Sem sintoma, com Covid-19

Estudo descobre que os 29% de casos sem nenhum sintoma de Covid-19 têm a mesma...

Foro de Teresina #132: Presidente mimimi

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

E a vacina, quando vem?

Fernando Reinach explica por que demora um ano e meio para testar uma vacina (como...

Foro de Teresina #131: Para que essa ansiedade?

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Máscara reduz seu risco e o do outro

Usar máscaras cirúrgicas reduz à metade perigo de contaminação; se o contaminado usar, probabilidade fica...

Foro de Teresina #130: À deriva, sem vacina

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #129: O Brasil na rabeira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Dose errada é a certa?

AstraZeneca diz que dose menor de sua vacina contra o Sars-CoV-2 aumentou, sem querer, eficácia...

Mais textos
1

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

2

Pontes e perdas – carta do leitor

O engenheiro civil Ubirajara Ferreira da Silva, “autor do projeto básico da ponte Forte-Redinha”, em Natal, escreve dizendo-se surpreso com os comentários feitos no post publicado semana passada. Transcrevo a seguir a carta recebida, na qual o missivista explica as razões técnicas que levaram a ponte a ser construída na foz do rio Potenji, e reconhece a ocorrência indicada de “retenções de trânsito que afligem a população, sobretudo nas horas de pico”:

3

Planos de candidatos para alfabetizar adultos são vagos

País não cumpre meta acertada com a Unesco e analfabetos são 11,5 milhões – e 4,4% dos 147 milhões de eleitores

4

“Snowden foi um herói de nosso tempo”

A pedido de piauí, o historiador Perry Anderson – autor do artigo A pátria americana, publicado nesta edição de outubro – enviou os seguintes comentários a respeito das recentes revelações sobre a espionagem cibernética dos Estados Unidos.

“O fato de nenhum país ocidental ter ousado dar asilo a Snowden diz muito sobre a realidade da Pax Americana”

5

Sinfonia para os sem-orquestra

Uma Heróica sob medida para instrumentistas espalhados pelo mundo inteiro

9

Lula se oferece para suceder Mandela

COSTA DO SAUÍPE – Profundamente abatido com o falecimento de Nelson Mandela, Lula convocou a imprensa para anunciar que está preparado para preencher a lacuna deixada pelo líder sul-africano. "O companheiro Mandela fez muita coisa boa, disso ninguém duvida. Não lhe coube, contudo, vencer a inflação, estabilizar a economia, transpor as águas do São Francisco, criar o Bolsa Família, lutar contra a pobreza, tourear a mídia burguesa, estabelecer cotas nas universidades, descobrir o Pré-Sal e difundir o Luz Para Todos”, disse. “Diante disto, ponho-me à disposição da Humanidade para sucedê-lo", concluiu, já posando para a estátua.

10

Ricardo Aronovich & Eduardo Coutinho

A foto de Eduardo Coutinho publicada na piauí 82, deste mês, foi feita por Ricardo Aronovich, o que explica a qualidade excepcional do registro.

Não tendo sido possível identificar a autoria a tempo, porém, a revista saiu sem o devido crédito, e só hoje, graças à suspeita levantada pelo próprio Coutinho ao ver a foto impressa, chegou a confirmação por e-mail do Aronovich de que a foto é mesmo dele.