rádio piauí

Maria vai com as outras #5: Não me chamo mãe

Uma cozinheira e uma professora de química contam como a maternidade afetou suas escolhas profissionais

25mar2019_05h00
As convidadas Nádya e Piti, pelo traço do ilustrador Caio Borges
As convidadas Nádya e Piti, pelo traço do ilustrador Caio Borges

Nádya Pesce da Silveira foi mãe nos anos 80, e fala sobre a decisão de deixar os filhos no Brasil ao fazer o doutorado e, alguns a anos depois, o pós-doutorado no exterior. A diretora do Instituto de Química da Universidade Federal do Rio Grande do Sul acredita que não teria tido o mesmo sucesso na carreira se tivesse aberto mão dessas oportunidades.

Já Piti Lacerda, ao ver sua rotina como cozinheira em um restaurante se tornar incompatível com a chegada da primeira filha, foi obrigada a abrir o próprio negócio para poder conciliar o trabalho e a maternidade. Hoje, grávida pela segunda vez, ela trabalha 7 dias por semana em sua confeitaria caseira. Só trabalhando em casa e sem patrão, Piti consegue dar conta dos cuidados com a filha.

No quinto episódio desta temporada do Maria vai com as outras, dedicado a como as questões relativas ao corpo da mulher se relacionam com o mercado de trabalho, as entrevistadas falam sobre gravidez, maternidade e escolhas profissionais.

Bloco 1
Nádya Pesce é diretora do Instituto de Química da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e mãe de dois filhos frutos de dois casamentos. Ao longo das trajetórias como química industrial e como mãe, enfrentou dúvidas e julgamentos de familiares e colegas de trabalho sobre suas escolhas profissionais – fosse pelas jornadas exaustivas no laboratório, fosse pela decisão de fazer sua Pós-Graduação no exterior.



Bloco 2
Mãe de uma menina e grávida de outra, Piti Lacerda decidiu dar uma guinada em sua trajetória profissional depois de uma gravidez não planejada, e deixou o emprego como auxiliar em um restaurante tradicional para trabalhar como autônoma na cozinha de casa. Além das reflexões sobre a maternidade sendo tratada como problema por alguns chefes e colegas, ela fala sobre divisão doméstica do trabalho e da dificuldade para amamentar – experiências que ela já está acostumada a dividir numa comunidade online chamada Não me chamo mãe, que emprestou o nome ao episódio.

Maria vai com as outras tem um grupo de debate no Facebook. Clique aqui para participar. Estamos também no Twitter. Siga nosso perfil neste link.

O programa vai ao ar quinzenalmente às segundas-feiras pela manhã. Para ouvir a primeira temporada, acesse a página do podcast. O Maria também está disponível em tocadores como o Spotify Apple Podcasts.

*

Ficha técnica:
Apresentação: Branca Vianna
Direção: Paula Scarpin
Produção: Mari Faria
Edição: Mari Romano
Finalização e mixagem: João Jabace
Coordenação digital: Kellen Moraes
Identidade visual: Cecilia Marra, Caio Borges e Paula Cardoso
Distribuição: Luigi Mazza, Yasmin Santos e Ana Carolina Santos
Transcrição: Isabel Scorza
Engenheiro de som: Danny Dee
Gravado no estúdio Rastro

mais rádio piauí

Últimas Mais Lidas

A Terra é redonda: Depois da pandemia

Especialistas discutem como ficam a saúde mental, a luta contra o racismo, a vigilância e...

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

A Terra é redonda: Enigma submarino

Poluição, aquecimento global e pesca exagerada ameaçam riquezas oceânicas que mal conhecemos

Foro de Teresina #106: O presidente acuado

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #105: Espremendo Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

A Terra é redonda: Falsa epidemia

O consumo de drogas durante a quarentena no Brasil e as maneiras como o governo...

Foro de Teresina #104: As maquiagens de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #103: As ameaças contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

A Terra é redonda: Desnorteados

Hospitais saturados, indígenas ameaçados, desmatamento em alta: como a pandemia está afetando os povos e...

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

3

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

4

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

5

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

6

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

8

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

9

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

10

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados