rádio piauí

Maria vai com as outras #6: O bicho que sangra todo mês e não morre

Uma anestesiologista e uma consultora de recursos humanos falam de como o ciclo menstrual é tratado nos seus ambientes de trabalho

08abr2019_05h00
As convidadas Ana e Eliza, pelo traço do ilustrador Caio Borges
As convidadas Ana e Eliza, pelo traço do ilustrador Caio Borges

Segundo a biologia, o ciclo menstrual de uma mulher garante que todo mês, da menarca à menopausa, seu corpo esteja pronto para gerar uma criança. Mas, no mercado de trabalho as variações hormonais desse período e o que elas provocam no corpo da mulher podem servir para desmerecer o seu trabalho e até mesmo punir a funcionária.

Numa discussão profissional, por exemplo, há quem desqualifique a opinião legítima de uma mulher atribuindo-a a um sintoma da TPM, a tensão pré-menstrual. Há ainda os chefes e colegas que são solidários à dor física ou desconforto de um funcionário, a menos que seja provocado pela menstruação. Neste caso é exagero, chilique, frescura.

Por isso, neste sexto episódio do Maria Vai Com as Outras, Branca conversa com a anestesiologista Ana Fujita e com a consultora de recursos humanos Eliza Sarrico sobre o tabu que é a mulher sangrar todo mês e continuar trabalhando.

Bloco 1
Ana Fujita é anestesiologista pediátrica e conta como sangue em hospital é algo corriqueiro, mas só se não for sangue menstrual, especialmente o sangue menstrual das médicas.

Na entrevista, ela fala sobre uma lenda que corria na faculdade de medicina: uma grande profissional da área, mulher excepcional e de grande sucesso como cirurgiã, só teria tido o sucesso que teve porque retirou o útero no início da carreira e assim não sofreria com “essas coisas de menina”.

Bloco 2
Eliza Sarrico presta consultoria de recursos humanos para empresas, mas ao longo da carreira trabalhou como profissional de RH em indústrias que empregavam muitas mulheres. Segundo ela, quando a menstruação não era um tabu, era um problema. E isso não só entre chefes homens e funcionárias mulheres, mas entre colegas de trabalho também.

Mesmo que as mulheres tenham que lidar com a menstruação todo mês, é como se precisassem fazer isso sem que ninguém perceba. E, caso não consigam, pagarão o preço, muitas vezes literalmente, com descontos de salário.

Maria vai com as outras tem um grupo de debate no Facebook. Clique aqui para participar. Estamos também no Twitter. Siga nosso perfil neste link.

O programa vai ao ar quinzenalmente às segundas-feiras pela manhã. Para ouvir a primeira temporada, acesse a página do podcast. O Maria também está disponível em tocadores como o Spotify Apple Podcasts.

*

Ficha técnica:
Apresentação: Branca Vianna
Direção: Paula Scarpin
Produção: Mari Faria
Edição: Mari Romano
Finalização e mixagem: João Jabace
Coordenação digital: Kellen Moraes
Identidade visual: Cecilia Marra, Caio Borges e Paula Cardoso
Distribuição: Yasmin Santos, Ana Carolina Santos e Luigi Mazza
Transcrição: Isabel Scorza
Engenheiro de som: Danny Dee
Gravado no estúdio Rastro e no estúdio da Rádio Batuta



mais rádio piauí

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #140: A variante Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Luz no Fim da Quarentena: A melhor vacina

A vacina da Pfizer tem aprovação definitiva da Anvisa e os melhores resultados em campanhas...

Cobaias ou heróis?

Cerca de 90 voluntários serão infectados por cientistas com o SARS-COV-2 para ajudar a responder...

Foro de Teresina #139: Liberalismo adernado e o tsunami

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Variantes demais

Mutações dos Sars-CoV-2 demandam pesquisas sobre a eficácia das vacinas contra as novas cepas e...

Foro de Teresina #138: Mais armas, menos vacinas

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #137: Pós-Lava Jato, pré-Arenão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #136: Todo poder ao Arenão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #135: Vacina pouca, meu braço primeiro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

3

Greve de PMs no Rio faz violência despencar 40%

UPP - Com um efetivo menor de policiais militares nas ruas do Rio de Janeiro, os índices de criminalidade despencaram. Foram registradas quedas expressivas de interceptação truculenta de meliante sem camisa (65%), tapas na cara de playboy da Zona Sul (44%) e sacode em camelô (39%). Padarias e bares comemoraram a brusca diminuição do número de viaturas exigindo arrego. O comércio paralelo de cafezinhos caiu 87%. "A greve da PM é um passo importantíssimo para o processo de pacificação da cidade", explicou José Mariano Beltrame.

4

Duelo na selva

Os ingleses se preparam para ir a Manaus

5

STF afasta Nacional-URU e Corinthians volta à Libertadores

ARENA BRASÍLIA - Após suspender o mandato do deputado Eduardo Cunha, o plenário do STF iniciou o julgamento de novos casos.

6

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

7

Em protesto contra Feliciano, Lula divulga foto beijando o espelho

ID - Ávido por se reconciliar com sua porção militante, enrustida desde que assumiu o poder em 2003, o ex-presidente em exercício Luiz Inácio da Silva postou no instagram uma foto contra o pastor Marco Feliciano. "Nunca antes na história deste país um presidente emérito havia beijado um trabalhador nordestino de origem pobre na boca", escreveu. Em seguida, associou o beijo na boca ao sucesso de seu governo e disse que ele é o pai do smak!

9

Seymour Hersh e o massacre de My Lai

Em 1969, a Guerra do Vietnã se arrastava por 14 anos e ainda contava com o apoio da maioria dos americanos. Naquele ano, o jornalista Seymour Hersh recebeu de uma fonte sigilosa a informação de que um oficial do exército americano seria julgado como responsável pelo massacre de civis em uma aldeia no Vietnã.

10

O candidato enjaulado

Há três décadas, um macaco disputou eleições em um Brasil conflagrado – poderia ser hoje