rádio piauí

Maria vai com as outras #7: Rugas de preocupação

Uma professora de inglês e uma física falam sobre como envelhecer afetou suas carreiras, suas vidas pessoais, a maneira como se apresentam e o que escolhem para vestir

22abr2019_05h00
As convidadas Heloisa e Marcia Barbosa, pelo traço do ilustrador Caio Borges
As convidadas Heloisa e Marcia Barbosa, pelo traço do ilustrador Caio Borges

Ser ao mesmo tempo jovem e experiente só não parece uma incoerência para empresas e empregadores que acham razoável exigir os dois de um só candidato ou candidata. Querer um funcionário com experiência específica faz sentido, mas exigir que essa pessoa seja jovem vem do preconceito que associa produtividade, e até mesmo criatividade, à juventude. E esse preconceito tem nome: “idadismo”. É o que aprendemos com a professora de inglês e pesquisadora Heloisa Duarte, de 44 anos, que estuda o assunto.

E quem também passa pelos julgamentos do “idadismo” é a física Marcia Barbosa, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, que, embora seja uma pesquisadora reconhecida internacionalmente, se vê, aos 59 anos, tendo que explicar sua escolha de roupa para colegas, familiares e até ilustres desconhecidos.

Heloisa e Marcia conversaram com Branca Vianna para o penúltimo episódio da segunda temporada do Maria Vai Com as Outras.

Bloco 1
Heloisa Duarte é professora de inglês e escritora de materiais didáticos para crianças. No seu curso de mestrado estuda o “idadismo”, a discriminação por motivo de idade, seja contra pessoas mais velhas, seja contra as mais jovens. Homens e mulheres são vítimas desse preconceito, mas a classe mais discriminada é a das mulheres com mais de 50 anos, às vezes até com mais de 40. Isso porque para a mulher os processos naturais do envelhecimento –como rugas e cabelos brancos – são vistos como algo a ser penalizado. E o resultado muitas vezes é serem tratadas como crianças, como incapazes de aprender coisas novas, como descartáveis.



Bloco 2
Marcia Barbosa é física e professora titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Entre seus projetos está chefiar uma equipe que estuda as propriedades da molécula da água com o objetivo de, lá na frente, resolver a questão da seca no Brasil. No entanto, nem a importância, nem a nobreza desse trabalho blindam Marcia dos julgamentos por ser uma mulher ativa e independente aos 59 anos. Com muito bom humor ela conta como até mesmo a menopausa pode ser usada para desqualificar o trabalho de uma mulher. E ainda explica o que define como “vida útil científica” de uma pesquisadora.

Maria vai com as outras tem um grupo de debate no Facebook. Clique aqui para participar. Estamos também no Twitter. Siga nosso perfil neste link.

O programa vai ao ar quinzenalmente às segundas-feiras pela manhã. Para ouvir a primeira temporada, acesse a página do podcast. O Maria também está disponível em tocadores como o Spotify Apple Podcasts.

*

Ficha técnica:
Apresentação: Branca Vianna
Direção: Paula Scarpin
Produção: Mari Faria
Edição: Mari Romano
Finalização e mixagem: João Jabace
Coordenação digital: Kellen Moraes
Identidade visual: Cecilia Marra, Caio Borges e Paula Cardoso
Distribuição: Yasmin Santos, Ana Carolina Santos e Luigi Mazza
Transcrição: Isabel Scorza
Engenheiro de som: Danny Dee
Gravado no estúdio Rastro

mais rádio piauí

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #133: Pouca vacina, muita lambança

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Sem sintoma, com Covid-19

Estudo descobre que os 29% de casos sem nenhum sintoma de Covid-19 têm a mesma...

Foro de Teresina #132: Presidente mimimi

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

E a vacina, quando vem?

Fernando Reinach explica por que demora um ano e meio para testar uma vacina (como...

Foro de Teresina #131: Para que essa ansiedade?

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Máscara reduz seu risco e o do outro

Usar máscaras cirúrgicas reduz à metade perigo de contaminação; se o contaminado usar, probabilidade fica...

Foro de Teresina #130: À deriva, sem vacina

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #129: O Brasil na rabeira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Dose errada é a certa?

AstraZeneca diz que dose menor de sua vacina contra o Sars-CoV-2 aumentou, sem querer, eficácia...

Mais textos
1

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

2

Pontes e perdas – carta do leitor

O engenheiro civil Ubirajara Ferreira da Silva, “autor do projeto básico da ponte Forte-Redinha”, em Natal, escreve dizendo-se surpreso com os comentários feitos no post publicado semana passada. Transcrevo a seguir a carta recebida, na qual o missivista explica as razões técnicas que levaram a ponte a ser construída na foz do rio Potenji, e reconhece a ocorrência indicada de “retenções de trânsito que afligem a população, sobretudo nas horas de pico”:

3

Planos de candidatos para alfabetizar adultos são vagos

País não cumpre meta acertada com a Unesco e analfabetos são 11,5 milhões – e 4,4% dos 147 milhões de eleitores

4

“Snowden foi um herói de nosso tempo”

A pedido de piauí, o historiador Perry Anderson – autor do artigo A pátria americana, publicado nesta edição de outubro – enviou os seguintes comentários a respeito das recentes revelações sobre a espionagem cibernética dos Estados Unidos.

“O fato de nenhum país ocidental ter ousado dar asilo a Snowden diz muito sobre a realidade da Pax Americana”

5

Sinfonia para os sem-orquestra

Uma Heróica sob medida para instrumentistas espalhados pelo mundo inteiro

9

Lula se oferece para suceder Mandela

COSTA DO SAUÍPE – Profundamente abatido com o falecimento de Nelson Mandela, Lula convocou a imprensa para anunciar que está preparado para preencher a lacuna deixada pelo líder sul-africano. "O companheiro Mandela fez muita coisa boa, disso ninguém duvida. Não lhe coube, contudo, vencer a inflação, estabilizar a economia, transpor as águas do São Francisco, criar o Bolsa Família, lutar contra a pobreza, tourear a mídia burguesa, estabelecer cotas nas universidades, descobrir o Pré-Sal e difundir o Luz Para Todos”, disse. “Diante disto, ponho-me à disposição da Humanidade para sucedê-lo", concluiu, já posando para a estátua.

10

Ricardo Aronovich & Eduardo Coutinho

A foto de Eduardo Coutinho publicada na piauí 82, deste mês, foi feita por Ricardo Aronovich, o que explica a qualidade excepcional do registro.

Não tendo sido possível identificar a autoria a tempo, porém, a revista saiu sem o devido crédito, e só hoje, graças à suspeita levantada pelo próprio Coutinho ao ver a foto impressa, chegou a confirmação por e-mail do Aronovich de que a foto é mesmo dele.