poesia

A dúvida, a falha

Um breve concerto, a uma só voz, inspirado em cantores e pianista

Gastão Cruz

Gastão Cruz estreou em 1961 com A Morte Percutiva. Hoje, com duas dezenas de livros publicados, abarcando antologias e obras reunidas, encontra-se entre os grandes poetas surgidos naquele que é considerado o “Século de Ouro” da poesia portuguesa.

Essa série de poemas inéditos é uma espécie de breve concerto, a uma só voz, sobre vozes e concertistas. Seus versos não se ocupam das composições (como acontece em Arte da Música, de outro grande poeta português, Jorge de Sena) e tampouco dos compositores. Assim, em vez de se voltarem para os mestres imortais – Mozart, Bach ou Beethoven – e suas obras, os poemas vão buscar personagens bem mais próximos de nós: os intérpretes. E, com eles, entram em cena a dúvida, o esforço, a falha, o gesto cotidiano, a finitude, marcas da condição terrena, mas que não impedem o salto para os vastos domínios da expressão e da beleza. É essa natureza dual – habitar um plano “baixo” e poder alcançar as esferas mais “altas” – que define “os grandes artesãos”, como se lê em “Glenn Gould”. Os poemas encerram, portanto, um conjunto de poéticas: modos de entender, de fazer, habilidades, experiências e idiossincrasias. Estamos frente ao que se poderia definir tão-somente como o empenho – ou o trabalho – para se chegar a um determinado fim: a música, apresentada não como entidade abstrata, mas no contexto de sua execução. É aí que se dá o salto: esse ofício guarda a dimensão erótica de nos poder levar – aquele que toca, aquele que canta e quem os ouve – a um gozo pleno, quando os estados de alma são um prodígio do corpo.

Onde se lê música, pode-se ler poesia.

Eucanaã Ferraz

 

UN BALLO IN MASCHERA

(Montserrat Caballé, ROH Covent Garden, 2 de janeiro de 1981)

Pouco tempo depois de estar no palco

quem sai? Pelo amor à personagem

torturada, ou quem sente a ameaça

de qualquer mal ao canto vulnerável?

 

(Madame Caballé is unwell veio

dizer alguém à boca de

cena interrompido o primeiro acto)

 

O amor e o canto são metades

iguais do ser da arte confundíveis

por quem o canto escuta não porém

pelo cantor, digo, também por

 

ele: a voz às vezes com a dor confunde

a sua natureza, então no palco fica

uma súbita pausa um som de morte

a incerteza do que viver seja

 

 

HOROWITZ NO FESTIVAL HALL

Talvez ele só volte

daqui a outros vinte e cinco anos,

disse na bilheteira o vendedor;

não precisava de ser convencido

e é claro que paguei as vinte libras,

quanto custava ter a sensação

de a música ser pedra sob a onda das mãos

 

 

ALGUNS PIANISTAS

Emil Gilels tocava

como se detivesse fogo ou água:

em torno dele a luz formava um laço

de ouro líquido jorrando do teclado

 

A cabeça potente assemelhava-se

à do autor do som que se expandia

como de ouro fundido um

largo rio

 

Sviatoslav Richter imitava

o rigor da poesia ou da leitura

que dela fazem os que lêem nela

do universo a explosão futura:

 

em cada nota morre o universo

tal como em cada sílaba

da poesia, por isso ele tocava

em sala escura

 

e uma pequena luz mostrava a pauta

somente, para que não se perdesse

nenhum quinto de som, sua vogal,

e, ele e o público, nada os distraísse

 

Arturo Benedetti Michelangeli

vinha segundo a lenda acompanhado

de dois pianos e não agradecia

aplausos: só a música

 

e os autores dela deveriam

merecer o aplauso que era a escuta

apenas, uma arte tão difícil

e rara de que tanto necessita

 

também a poesia; a perfeição

parecia o limite inatingível,

por vezes atingível mito fixo

num céu longínquo como a arquetípica

 

imagem do pianista, este ou outro

dos que cantei ou já cantara quando

os vira como exemplos do domínio

dos braços e da mente sobre o rio,

 

em vertigem,

do som feito sentido,

assim sobre o teclado as evidentes

mãos de Horowitz

 

 

ANDREA CHÉNIER

(Plácido Domingo, ROH Covent Garden, 27 de abril de 1985)

 

O cantor sai de cena logo após

o começo do canto depois volta

e recomeça a ária; por alguns

minutos foi preciso acreditar

 

que a música findara ou duvidar

de que continuasse, como vaga

roubada pelo mar indiferente

em impossível suspensão parada

 

O canto pára às vezes indevida-

mente, e o cantor sai do palco inóspito

temeroso talvez da própria voz

 

um castelo de areia como a escrita

mas volta sempre à ânsia interrompida

tal como a vaga volta à praia lisa

 

GLENN GOULD

Depois de sete anos recolheu-se

à comedida sombra dos estúdios;

não queria exceder o som exacto

 

que devia criar, o seu volume:

só assim pronunciaria

convictamente, sobre o que saía

 

das teclas percutidas,

como se já cantasse, soltas sílabas;

exemplo para poetas poderia

 

ser o deste pianista ao recusar-se

a forçar o seu som até que enchesse

enormes salas (ele próprio o disse):

 

os grandes artesãos sempre algo ensinam

ao verso como outrora manolete

a joão cabral de melo neto

Gastão Cruz

Gastão Cruz é poeta e crítico literário português. Seu livro mais recente é A Vida da Poesia: Textos Críticos Reunidos, lançado pela Assírio & Alvim.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

2

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

4

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

6

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

7

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

8

Na piauí_158

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

9

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

10

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi