portfólio

A marca do Zorro

Banksy
Nunca ninguém me ouviu, até não saberem quem eu era
Nunca ninguém me ouviu, até não saberem quem eu era FOTO: FRED DUVAL_FILMMAGIC_GETTY IMAGES

Na calada da noite, o justiceiro surge das sombras com sua latinha de spray e bombardeia os muros do mundo com imagens contra a injustiça, a guerra e o capitalismo. Tudo o que está à mostra em sua loja virtual pode ser baixado de graça, mas celebridades pagam milhares de dólares pelo privilégio de pendurar na parede, com a devida assinatura, um de seus desaforos bem-humorados.

Seus pensamentos estão reunidos em quatro livros e espalhados em várias entrevistas, todas por e-mail ou telefone. Em carne e osso, só uma, para um jornalista do Guardian, de Londres. A grande revelação dessa entrevista é que qualquer branco magrela, nascido nas redondezas de Bristol, na Inglaterra, há mais ou menos trinta anos, que use camiseta, boné e brinco pode muito bem ser o famoso Banksy, o artista que inventou um modo de ficar rico com o grafite político.

A sua verdadeira identidade foi descoberta pelo menos duas vezes. Segundo a mais recente, Banksy é um certo Robin Gunningham, desaparecido de Bristol há tempos e descrito por ex-colegas como um cara muito jeitoso para desenho. Sem negar ou confirmar, Banksy apenas comentou em seu site: “Se é bom em desenho não parece ser Banksy.” Andy Warhol, com quem tem sido comparado, aprovaria.

Pintar propriedades alheias na Inglaterra é crime. Dá cadeia mesmo quando a assinatura do vândalo é capaz de valorizar a propriedade, o bairro, a cidade e até colocar o país no mapa da arte contemporânea. Por isso Banksy, como Zorro, se mantém anônimo, misturado na multidão de admiradores dos seus protestos românticos.

Nova York, outubro de 2008, “Que eles comam crack”, alusão ao crack da bolsa, à cocaína em pedra e à frase atribuída à Maria Antonieta, quando foram contar à rainha que os pobres não tinham nem pão para comer: “Que eles comam brioche”

“Os que mandam nas cidades não entendem o grafite porque acham que nada pode existir, a não ser que dê lucro”

Londres, 2005, no governo Tony Blair
FOTO: DAVE ETHERIDGE-SEAN GARDNER_GETTY IMAGES BARNES_GETTY IMAGES

Nova Orleans, 2008, no governo de George W. Bush
FOTO: SEAN GARDNER_GETTY IMAGES

Palestina, 2005, no muro construído pelo governo de Israel

“Me manifesto anonimamente para exigir coisas nas quais ninguém acredita, como paz, justica e liberdade”

Londres, 2005, ecos da tortura em Abu Ghraib e Guantánamo

Londres, 2007

“O grafite só é perigoso para três tipos de gente: políticos, publicitários e grafiteiros”

Londres, 2005

Vinte e sete adolescentes morreram neste ano (até outubro) em brigas de faca na capital da Inglaterra

Banksy inaugurou o vandalismo em áreas cobertas em 2003: aplicou seus stencils sobre quadros de desconhecidos e saiu os pendurando nas galerias dos museus

“O mundo da arte é a maior piada que existe. É um asilo para os superprivilegiados, os pretensiosos e os fracos”

Homem ancestral vai ao supermercado foi afi xado, em maio de 2005, na parede do British Museum, juntamente com um quadrinho explicativo. O texto estava tão bem-feito que o museu resolveu manter o “fragmento” em seu acervo permanente

“Todo artista está preparado para sofrer por sua arte, mas por que tão poucos estão preparados para aprender a desenhar?”

Banksy

Banksy é grafiteiro da cidade de Bristol, na Inglaterra.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Mais textos
1

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

4

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

5

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

7

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

9

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

10

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana