questões brasileiras

A queda

Hipóteses sobre o governo Bolsonaro

Celso Rocha de Barros 
O Brasil elegeu um político muito mais extremo do que os outros novos líderes autoritários. Bolsonaro é o sujeito mais radical a ocupar a Presidência de um país democrático no mundo atual
O Brasil elegeu um político muito mais extremo do que os outros novos líderes autoritários. Bolsonaro é o sujeito mais radical a ocupar a Presidência de um país democrático no mundo atual ILUSTRAÇÃO: ROBERTO NEGREIROS_2019

Em artigo publicado na piauí de fevereiro, “O ponto a que chegamos”, Sergio Fausto relembra um debate que tivemos nas páginas do caderno Ilustríssima, da Folha de S.Paulo, no longínquo ano de 2015, quando ainda tínhamos a ilusão de que a crise do lulismo certamente daria lugar a alguma coisa melhor.

Sergio havia escrito para o jornal um artigo defendendo que, com a crise do PT, o PSDB poderia recuperar a herança social-democrata de seus primeiros anos. Respondi que o PSDB já tinha assumido outro papel, importantíssimo, o de civilizar a direita que o Brasil herdou da ditadura militar. Pouco antes, eu havia publicado um artigo defendendo uma renovação do Partido dos Trabalhadores.

Quatro anos depois, o PT está no mesmo ponto em que estava em 2015. E a direita, em 2018, chegou à conclusão de que civilização é frescura: reivindicou com orgulho os torturadores que o PSDB lhe havia ensinado repudiar. Nem a esquerda se renovou, nem a centro-direita sobreviveu. E, depois da vitória de Bolsonaro, é até engraçado lembrar que, em 2015, falássemos de “crise política”. Era como se estivéssemos debatendo o vexame brasileiro na Copa de 2014 baseados somente na péssima atuação do Brasil contra o Chile nas oitavas de final.

 

Parte do artigo de Sergio Fausto é uma versão sofisticada do discurso mainstream entre os tucanos, ao qual eu poderia contrapor o discurso mainstream petista, mas não acho que ganharíamos muito com isso. As duas versões da história têm méritos, mas já são bem conhecidas, e ando cada vez mais cético quanto à possibilidade de alguém mudar de ideia sobre essas coisas.

Só chamo atenção para o fato de que Sergio teve coragem de escrever o que muitos tucanos acham sobre o impeachment. Continuam sustentando os argumentos que defenderam em 2016 contra Dilma Rousseff, mas reconhecem que o impeachment teve efeitos, no mínimo, ambíguos: enfraqueceu a série A da direita brasileira (tucanos, liberais), deu a vitória em 2018 à série B e, no fim das contas, fortaleceu um PT não reformado.

Por esse e outros motivos, continuo achando que a coisa toda foi uma ideia terrível. Entretanto, é também verdade que o PT aproveitou muito mal o trabalho do “companheiro impeachment”. Fernando Haddad era, na minha opinião, um bom candidato à Presidência. Mas foi mandado para a briga em 2018 por um partido pouco sintonizado com a opinião pública, exatamente por não ter feito as correções de rumo que o segundo mandato de Dilma exigia.

E tenho que acrescentar, antes que alguém diga: não, não foi porque o PT deixou de se mexer o suficiente para o centro que os tucanos não apoiaram Haddad no segundo turno. Foi porque os eleitores do PSDB migraram em massa para o candidato extremista, e o partido disputava governos estaduais importantes em estados fortemente bolsonaristas.

Mas não quero desperdiçar este artigo com o tênis de mesa habitual entre tucanos e petistas. Seria mentir para o leitor que ainda estamos nos bons tempos em que a disputa era assim. Este artigo é sobre o fim desses bons tempos.

 

Para além do jogo de escolhas individuais e disputas partidárias, Sergio – em seu artigo de fevereiro – identifica um processo de longo prazo que teria culminado na crise atual: o “esgotamento dos acordos explícitos e implícitos predominantes a partir de 1988 sobre a organização e gestão do Estado, da economia e da política”.

Apesar do marco de 1988, o processo a que Sergio se refere é o das reformas da Constituição, que teriam produzido bons resultados nos dois governos FHC e no primeiro governo Lula – o período que Samuel Pessôa chamou de “era Malocci” (Pedro Malan + Antonio Palocci).

As reformas foram interrompidas no segundo governo Lula. O “projeto de poder” do PT, segundo Fausto, envolvia a cooptação dos empresários com o BNDES e o capitalismo de compadrio, e a descoberta do pré-sal teria lançado o país em um surto de euforia irresponsável. Depois que se abandonou o “Malocci”, a economia travou, e a frustração de expectativas crescentes nos deu as manifestações de 2013 e a crise política subsequente.

A era Malocci merece todos os elogios que Sergio Fausto lhe faz. A inflação foi controlada, boas políticas foram implementadas, o caos que a democracia herdou da ditadura militar foi, no geral, debelado. Pouco antes do Plano Real, a dívida externa foi renegociada. Nos anos 2000, o Brasil deixou de ter dívida em moeda externa, o que aumentou nossa resistência a crises internacionais. A pobreza caiu, a desigualdade também. O saldo é claramente positivo.

Mas permanece o fato: o crescimento nesse período todo foi baixo. As reformas dos anos 90 não produziram crescimento alto. Em artigo publicado no Journal of Economic Perspectives, em 2003, Armínio Fraga descreveu os ganhos econômicos gerados pelas reformas na América Latina, mas também reconheceu que a performance de crescimento foi “algo modesta”.

O crescimento foi maior nos anos Lula, como os petistas gostam de lembrar. Mas grande parte dessa diferença deve ter sido o fato incrível de que o chamado “superciclo das commodities” ocorreu quase que perfeitamente durante os dois mandatos presidenciais de Lula.

E isso ajuda a explicar por que Dilma topou quebrar o Malocci. As fragilidades da economia brasileira haviam sido disfarçadas pela alta das commodities, e o fim do bônus externo com certeza afetaria negativamente nossas taxas de crescimento. As políticas sociais que de fato dependiam mais de “vontade política” do que de ajustes finos – como o Programa Bolsa Família – já haviam sido implementadas. Daí em diante, qualquer que fosse o programa de ajuste escolhido, haveria sacrifícios pesados a serem distribuídos, tanto na base eleitoral petista quanto no empresariado que Lula havia deixado em paz.

É óbvio que a solução dada por Dilma – a chamada “nova matriz econômica” – foi desastrosa, porém não há dúvidas de que era real o problema que ela tinha diante de si. Os economistas, tucanos inclusive, sabem que isso é verdade. Se se faz necessária a agenda de reformas profundas defendidas pelos economistas liberais é porque parte do problema sempre foi a tendência de longo prazo de crescimento baixo.

E para entender a mudança de cenário internacional, a virada populista conservadora e diversos outros aspectos importantes do Brasil nos últimos anos é preciso levar em conta algo que não aparece na história contada por Sergio e que quase não apareceu na discussão travada no Brasil nos últimos dez anos – apesar de se tratar, literalmente, do fato mais importante do mundo.

 

Em 2008, o quadro mundial que deu origem ao Malocci explodiu.

Os quase vinte anos entre a queda do Muro de Berlim e o crash do Lehman Brothers foram um período de otimismo com relação ao mercado, à democracia, à tolerância. Uma a uma, as ditaduras foram caindo em todo o mundo. Na mesma época, a China tirou da miséria um número de pessoas que corresponde mais ou menos à população do mundo na Idade Média. Alguns dos “objetivos do milênio” da Organização das Nações Unidas foram alcançados antes do prazo. O ápice da humanidade até agora foram os “trinta gloriosos”, os anos do pós-Segunda Guerra europeu, mas o período da globalização na passagem do milênio chegou a muito mais gente.

Nessa fase em que o Brasil melhorou, o mundo também melhorou, e não só na economia. E, quando o mundo foi para o buraco, nós fomos juntos, e não só na economia.

É até difícil dar a dimensão do impacto da crise de 2008. Os economistas Barry Eichengreen e Kevin O’Rourke mostraram que, não fosse a ação dos governos, essa crise teria sido muito pior que a de 1929. A economia desacelerou mais nos primeiros meses da crise de 2008 do que nos primeiros meses da de 1929, e o mesmo é verdade quanto ao comércio mundial. Além do salvamento dos bancos feito pelos governos, mecanismos globais de regulação, como a Organização Mundial do Comércio, conseguiram impedir a corrida de protecionismos que levou 1929 a ser o que foi. Como disse o professor de política internacional Daniel Drezner, “o sistema funcionou” em 2008, ao menos no primeiro momento da crise. Como a Europa, entretanto, reverteu o estímulo governamental cedo demais, a crise no continente acabou sendo pior do que a de 1929. Nos últimos tempos, o protecionismo ressuscitou como bandeira eleitoral. Ainda não temos certeza se o sistema vai continuar funcionando.

Discutir o efeito da crise de 2008 no Brasil não tem sido fácil. Onze anos depois, para nossa grande vergonha, ainda não há uma literatura nacional consistente sobre o assunto.

À direita, reconhecer o efeito da crise externa era tabu, pois significava admitir que alguma coisa na crise econômica local podia não ser culpa de Dilma. O que nunca fez sentido, nem sequer do ponto de vista político. Em primeiro lugar, porque, mesmo se Dilma fosse culpada por apenas 30% da crise, se trataria ainda de muita culpa, porque a crise foi gravíssima. Em segundo lugar, porque culpar Dilma por tudo aumenta muito as exigências que se pode fazer aos governos posteriores. Como vimos em 2018, isso deu errado.

A esquerda tentou jogar a carta do “cenário externo” quando a crise estourou em 2015, mas era difícil fazê-lo com credibilidade. Afinal, a turma passou a crise tentando transformar a necessidade em virtude: falando dos estímulos à economia que o Brasil fez bem em implementar nos primeiros anos pós-crise de 2008, como se fossem desejáveis em bases permanentes.

A própria ideia de chamar o conjunto das medidas econômicas de Dilma de nova matriz econômica deu ares de programa bem pensado ao que, em boa parte, não passava de uma série de improvisos. Se você baixa os juros porque o euro vai quebrar, é fácil aumentar de novo quando o euro sobreviver. Mas e se você tiver dito que baixou os juros porque estava combatendo o neoliberalismo? Vai admitir que, seis meses depois, descobriu que o neoliberalismo era uma coisa legal?

É muito implausível que as mudanças no cenário externo não expliquem parte da desaceleração brasileira. O economista Bráulio Borges tem tentado separar as causas internas e externas da crise e argumenta que pelo menos 38% do problema parece ter sido causado pela deterioração do quadro externo. Entre os economistas, como Samuel Pessôa, seu trabalho não é consenso, mas ainda não vi estudos tão sistemáticos quanto o dele que sustentem conclusões contrárias.

Nas análises feitas fora do Brasil não há ninguém que não reconheça que parte importante de nosso problema foi a mudança no cenário internacional. O Economic Bulletin (nº 1, 2016), do Banco Central Europeu, por exemplo, faz uma decomposição das causas da crise brasileira na qual fatores tanto domésticos quanto externos são importantes. A explicação apresentada tem três pontos: (a) a queda dos preços das commodities “revelou a fraqueza estrutural subjacente à economia brasileira”; (b) os desequilíbrios cresceram com as políticas fiscais expansionistas e forte influxo de capital (aqui entra Dilma); e (c) o fim da política de estímulos do Federal Reserve, o banco central americano, criou preocupações no mercado internacional sobre a viabilidade de países com déficits externos e fiscais (como era o nosso caso).

Isto é: ninguém discute que a política econômica de Dilma foi um desastre, repito, mas parece loucura negar que parte do problema foi o fim do período de globalização em que o Malocci teve seus melhores anos. E economia, repito, foi só parte do problema.

É difícil imaginar a nova matriz econômica sem a crise das ideias econômicas liberais no pós-Lehmann. Os críticos liberais tinham toda razão ao atacá-la. Entretanto, a conexão do liberalismo com a defesa da desregulamentação financeira que nos deu a crise de 2008 enfraqueceu os argumentos deles.

Procurem recapitular o debate nos anos seguintes a 2008 e é fácil encontrar ideias como “a volta do Estado” ou até “o Consenso de Beijing”. Em 23 de outubro de 2008, por exemplo, o então presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Márcio Pochmann, escrevia na Folha de S.Paulo: “Justificam-se, evidentemente, as ações estatais tomadas até o momento diante da complexidade da fase de baixa da economia desencadeada pela crise financeira. Mas isso não pode ocorrer desacompanhado da revisão ampla e profunda do papel do Estado.”

A crise de 2008, de fato, provou que o consenso liberal estava errado sobre desregulamentação financeira, e os liberais mais inteligentes notaram isso na hora. Poucos meses depois da crise, o juiz americano Richard Posner, um dos expoentes da escola Law and Economics [Lei e economia], publicou o livro A Failure of Capitalism [Um Fracasso do Capitalismo], reconhecendo que a desregulamentação tinha ido longe demais. O autor desse artigo assistiu a um curso no Banco Mundial em 2013 em que houve consenso sobre a necessidade de regulamentar a alavancagem financeira.

Agora, entre dizer que os liberais estavam errados sobre desregulamentação financeira e dizer que ninguém precisa mais prestar atenção nas contas públicas – ou no papel do mercado para elevar a produtividade ou no potencial de redução de pobreza do comércio mundial – vai grande distância. No clima pós-2008, a esquerda brasileira, abastecida desde o início com ideias ruins, demonstrou disposição para percorrê-la.

Além dos efeitos econômicos e ideológicos, a crise de 2008 também teve dimensões políticas que só agora começam a ser sentidas em toda sua gravidade. Em abril do ano passado, publiquei nesta revista um artigo (“O Brasil e a recessão democrática”, piauí_139), sobre dois livros que tratavam da crise global das democracias: Como as Democracias Morrem, de Steven Levitsky e Daniel Ziblatt, e Como a Democracia Chega ao Fim, de David Runciman. A crise da democracia foi um dos grandes temas de 2018, que viu ainda a publicação do ótimo The People vs. Democracy [O Povo versus a Democracia], de Yascha Mounk, que deve ser lançado em breve no Brasil. As evidências apresentadas nesses estudos sugerem que o cientista político Larry Diamond tinha razão em falar de uma “recessão democrática”, a interrupção e possível reversão da onda de redemocratizações que se seguiram ao fim da Guerra Fria.

O artigo, no qual eu dizia que o impeachment mostrou um enfraquecimento considerável das normas de convivência democrática brasileiras, suscitou uma discussão muito boa no blog do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas, com réplicas de Samuel Pessôa, Marcos Lisboa e Helio Gurovitz. Pessôa e Lisboa me convenceram que parte do problema começou antes, com a desorganização das finanças públicas por Dilma na campanha de 2014. Mas estou cada vez mais convencido de que o impeachment foi uma grande escalada no processo e que a diferença entre a esquerda e a direita quanto à capacidade de resistir à Lava Jato aprofundou a degradação institucional brasileira.

A direita brasileira tem um histórico de adesão à democracia que não chega a ser impecável. Mas duvido que o impeachment tivesse acontecido dez anos antes, quando nossa elite realmente queria jogar na mesma divisão que os países modernos, incluindo estabilidade política e respeito às regras do jogo. Na primeira década dos anos 2000, teríamos vergonha de aparecer diante do mundo fazendo algo tão bananeiro quanto o impeachment de 2016, como também teríamos vergonha de fazer algo tão bananeiro quanto a nova matriz econômica. Um dos fatos notáveis de 2016 foi o desprezo da direita pela imprensa internacional, toda ela muito mais cética do que a nacional a respeito do impeachment. A opinião da “sociedade civil internacional” passou a contar menos no cálculo político local.

 

Tudo isso, porém, empalidece diante do fato de que elegemos Jair Bolsonaro. No momento, o Brasil tem um presidente que simpatiza abertamente com os antiglobalistas da direita radical. Seus filhos, instalados no centro do poder palaciano, são militantes radicais do populismo reacionário. O chanceler brasileiro é um fanático cuja ascensão seria impensável alguns anos atrás (e não, não é o reflexo invertido de Celso Amorim). As demonstrações mais evidentes de autoritarismo bolsonarista, como a guerra à imprensa e a tentativa de revogação da PEC da Bengala [projeto de lei complementar aprovado em 2015, que aumentou de 70 anos para 75 anos a idade para aposentadoria compulsória dos servidores públicos], são claramente tiradas dos manuais dos novos autoritários. Um dos principais expoentes desse movimento, o húngaro Viktor Orbán, veio à posse de Bolsonaro e voltou ao seu país dizendo que o Brasil havia se tornado “a mais apta definição de democracia cristã moderna”.

O Brasil, na verdade, elegeu um político muito mais extremo do que os outros novos líderes autoritários. Bolsonaro é o sujeito mais radical a ocupar a Presidência de um país democrático no mundo atual. Durante a campanha eleitoral, os únicos movimentos internacionais que elogiaram Bolsonaro foram a Liga Norte italiana e, é claro, a Ku Klux Klan. Para os eleitores do candidato do PSL, o segundo semestre de 2018 foi mais um festival de ataques à imprensa estrangeira: “Essa imprensa gringa não entende nada do que acontece no Brasil” e “maldita Ecommunist!” [em referência à revista The Economist]. A opinião pública internacional parou de contar, definitivamente.

Bolsonaro disse durante a campanha que, se perdesse, não aceitaria o resultado da eleição. No dia seguinte à vitória, declarou que as verbas publicitárias governamentais seriam distribuídas apenas para jornais que “falassem a verdade”, quer dizer, que bajulassem o governo. O nível de subserviência exigido da mídia é extremo. Depois da Folha, o bolsonarismo declarou guerra à Rede Globo, ao site de direita O Antagonista e aos programas conservadores da rádio Jovem Pan. O bolsonarismo não quer jornalismo a favor: só se satisfaz com veículos que não pretendem sequer fazer jornalismo, como os youtubers de Olavo de Carvalho, a Record e o SBT.

O governo admite querer usar a estrutura do Estado brasileiro para espionar adversários políticos na Igreja Católica. Uma deputada olavista particularmente fanática pretende revogar a PEC da Bengala para permitir que o novo governo encha o Supremo Tribunal Federal de novos ministros – bem, pensem no que eles consideram bom “jornalismo” e calculem o que eles consideram bons “juristas”. É exatamente a mesma estratégia de empacotamento do STF que foi utilizada pelos similares poloneses e húngaros de Bolsonaro.

Se na economia podemos discutir o quanto a crise global nos afetou, na política o diagnóstico é claro: caímos muito mais do que os outros.

Não é verdade, portanto, que a era Malocci só acabou porque o PT ficou doidão e quebrou a coisa toda. O PT ficou mesmo doidão, mas nem se quisesse conseguiria quebrar isso tudo sozinho. A maior parte da maluquice petista tinha sólido pedigree esquerdista, mas a crise das ideias nos anos 90 também agravou seus sintomas. Tanto isso é verdade que, na eleição seguinte à queda do PT, venceu essa maluquice de direita, cujos sintomas psiquiátricos, incomparavelmente mais severos, talvez venham a se agravar caso haja uma nova crise.

 

O superministro Paulo Guedes gosta de se referir aos anos de governo do PSDB e do PT como período “social-democrata”. Sergio Fausto se incomoda com isso, não porque, imagino, se irrite com o rótulo, mas porque Guedes estaria fazendo uma mutreta: ao juntar tucanos e petistas no mesmo bloco, ignoraria o imenso esforço de reformas feito pelo governo Fernando Henrique Cardoso. Da mesma forma, algum chato de esquerda (por exemplo, eu) poderia objetar que o PSDB não fez tanto assim para merecer o rótulo de “social-democrata”.

Em um aspecto, entretanto, Guedes tem certa razão: entre 1994 e 2014, o eleitorado foi social-democrata. As eleições presidenciais foram vencidas por quem trabalhou pela redistribuição de renda. No caso do lulismo, isso é óbvio. Mas também é verdade sobre a era FHC.

A vitória de 1994, a mais inquestionável da história da centro-direita brasileira, a deixou mal-acostumada. Naquele momento, as exigências do equilíbrio macroeconômico e da redistribuição de renda coincidiram: a inflação travava o crescimento e cobrava mais dos pobres. Não há nada na natureza das coisas que determine que essas demandas sempre coincidam. Muito pelo contrário. Mas permanece o fato: entre Collor e Bolsonaro, a direita só venceu eleições quando redistribuiu renda.

Economistas e cientistas políticos usam um modelinho que ajuda a explicar isso: aplicando-se o “teorema do eleitor mediano”, teremos o fato de que em sociedades mais desiguais é fácil conseguir uma maioria que vote pela redistribuição. Se todo mundo for mais ou menos de classe média, não há muito interesse em redistribuição. Mas, se mais de 50% do eleitorado estiver muito abaixo dos ricos, é fácil convencer essa maioria a redistribuir a grana dos caras que inscrevem cachorros em concursos organizados por João Doria.

É só um modelo, e nem sempre funciona bem no mundo real. Mas, no Brasil de 1994 a 2014, funcionou: quando os pobres puderam votar para presidente, a desigualdade começou a cair.

Em 2018, o modelo parou de funcionar. Bolsonaro venceu sem propor redistribuição alguma. A probabilidade de votar no PT continuou a ser maior entre os mais pobres do que entre os mais ricos, mas a direita conseguiu maioria do eleitorado sem fazer qualquer concessão à redistribuição de renda.

Em uma interpretação otimista, isso pode ter sido efeito da queda de desigualdade na era Malocci, em especial durante os governos do PT. A “nova classe média”, na interpretação do economista Marcelo Neri (ou a “nova classe trabalhadora”, na de Márcio Pochmann; ou os “batalhadores”, na do sociólogo Jessé Souza) já pode ter passado do ponto de pedir redistribuição. Talvez já esteja mais preocupada com oportunidades para empreendedorismo ou qualificação profissional. Talvez esteja mais preocupada com as posições de classe que pretende ocupar, caso sua ascensão social não seja interrompida, do que com a que ocupa agora.

Esse cenário é o pós-lulismo perfeito. A grande esperança de Guedes é que Lula tenha dado muito mais certo do que o chefe dele jamais admitirá. Se isso estiver ocorrendo, trata-se de uma boa notícia para Guedes, que não vai ter que redistribuir muita coisa. Mesmo assim, o superministro ainda precisa explicar como vai garantir que a mobilidade social continue. Muitas das reformas que aumentarão nossa eficiência podem fazer a desigualdade crescer. Uma coincidência como a de 1994 não acontece todo dia.

Em outra interpretação, foi a introdução de temas moralmente conservadores na agenda eleitoral que acabou complicando os termos da disputa, porque é possível fazer coalizões, envolvendo tanto pobres quanto ricos, a favor de determinadas posições morais. Se foi isso que ocorreu, Guedes poderá tocar o liberalismo porque os votos a Damares garante. É o cenário “guerras culturais”.

Em termos mais técnicos: a previsão de que eleitorados mais desiguais vão votar por redistribuição supõe que a disputa se dá apenas em uma dimensão, apenas em torno dessa questão: “O quanto será redistribuído?”

Sinceramente, não sei se isso é um cenário plausível. Suspeito que muitos dos pobres conservadores que votaram em Bolsonaro esperam redistribuição de renda. Muita gente acha que o dinheiro do governo só acabou porque os políticos o roubaram e que a eleição de um presidente honesto (eu sei, eu sei) faria o dinheiro reaparecer. Todos esses pobres conservadores já eram conservadores dez anos atrás e votaram em Lula.

Se o cenário “guerra cultural” se tornar nosso novo padrão, a era de ouro de PSDB e PT em disputa dentro de um universo cultural democrático e pró-liberdades será de fato coisa do passado. O que é ainda mais preocupante, pois o reacionarismo brasileiro, diferentemente do de outros países, vem acompanhado da apologia a uma ditadura recente.

E assim chegamos ao pior cenário de todos: o eleitorado pode continuar social-democrata, e a turma do Guedes pode não entregar o que os brasileiros querem. Teremos, então, uma crise social aguda e um governo fortemente militarizado.

Não vou dizer o nome desse cenário para não dar azar.

 

Não tenho motivo para suspeitar que Paulo Guedes não seja sincero quando defende que o Brasil seja uma “sociedade aberta”, conceito tornado célebre pelo filósofo Karl Popper. Sociedades abertas são antidogmáticas e tolerantes ao questionamento permanente. Para serem assim, precisam ser democráticas e livres.

Mesmo supondo que a abertura econômica de Guedes busque nos aproximar desse ideal, o restante do governo do qual faz parte trabalha contra ele o dia inteiro. Tenho, inclusive, curiosidade de descobrir se os bolsonaristas sabem que a “sociedade aberta” que Guedes defende está na origem da Open Society, fundação do financista George Soros. (Se eles não sabem, por favor não contem, deixem que descubram sozinhos.)

Para garantir que a herança amplamente positiva dos “vinte gloriosos” da democracia brasileira (1994-2014) sobreviva, será necessária uma oposição forte. Ela deverá ter várias vertentes. O artigo de Sergio Fausto, por exemplo, parece muito próximo do que vem defendendo quem trabalha para criar uma nova sigla de centro que substitua o PSDB (o texto dele é quase um manifesto). Pessoalmente, defendo que a esquerda finalmente faça a atualização teórica que defendi para o PT em 2015.

A direção geral foi dada por Marcos Nobre em um texto (“A revolta conservadora”) que ele publicou na piauí_147, de dezembro último: cada um faz oposição do seu jeito, mas é preciso que todos se unam em caso de ameaça à democracia.

Meu debate com Sergio não esgota a discussão sobre o que foi a política brasileira nos vinte anos gloriosos. Um ator importante desse período todo vem ganhando influência desde que ficou claro que o PSL de Bolsonaro é o centrão depois do crach.

O DEM, ex-PFL, foi aliado do PSDB no processo de civilização da direita brasileira nos anos 90. Conforme o PSL desmorona em uma sucessão de vexames, o velho conservadorismo brasileiro, bem enraizado na política regional e local, pode ganhar influência e nos surpreender positivamente. O melhor cenário para um governo Bolsonaro, sem sombra de dúvida, é ser um governo democrático do DEM.

Assim como o melhor cenário para Guedes envolve a hipótese de a demanda por redistribuição ter diminuído graças ao sucesso do lulismo, o cenário mais otimista para nossa democracia é aquele em que o PSDB converteu o PFL definitivamente à democracia. Isto é: o bolsonarismo só não será um desastre para o país se o alicerce construído por seus antecessores for bem mais sólido do que pareceu até agora.

Não é um cenário no qual se deva apostar dinheiro, mas é a esperança que sobrou.

Celso Rocha de Barros 

Celso Rocha de Barros  é doutor em sociologia pela Universidade de Oxford.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Para não sair do hospital no escuro

A diferença que faz, para os pacientes, receber seus dados sobre tratamento e alta hospitalar – como manda novo Código de Ética Médica

O governo inconstitucional

Professora de direito constitucional escreve que decreto de Bolsonaro fere a autonomia universitária prevista na Constituição

Foro de Teresina #51: Moro no STF, o sigilo de Queiroz e Flavio e os protestos contra o governo

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Ministro toma caldo no #TsunamiDaEducação

Maia viaja, governo escorrega e Centrão deixa Weintraub falando sozinho na Câmara enquanto protestos tomam conta do país

A javaporquice de Bolsonaro

Presidente opta pela pior oposição que poderia escolher e enfrenta protestos inéditos para um recém-empossado

Varda por Agnès – narcisismo encantador

Interação é a pedra angular na obra da cineasta

A escolinha anarcocapistalista do Ancapistão

Vacina e cinto de segurança são inimigos eleitos pelos ancaps, que já têm representante no governo Bolsonaro

Uma motosserra na mão e um projeto na cabeça

Proposta de Flávio Bolsonaro extingue reserva legal obrigatória; espaço sob risco de desmatamento equivale a seis vezes a área do estado de São Paulo

Mais textos
2

A escolinha anarcocapistalista do Ancapistão

Vacina e cinto de segurança são inimigos eleitos pelos ancaps, que já têm representante no governo Bolsonaro

3

A javaporquice de Bolsonaro

Presidente opta pela pior oposição que poderia escolher e enfrenta protestos inéditos para um recém-empossado

5

O governo inconstitucional

Professora de direito constitucional escreve que decreto de Bolsonaro fere a autonomia universitária prevista na Constituição

7

Foro de Teresina #51: Moro no STF, o sigilo de Queiroz e Flavio e os protestos contra o governo

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Uma motosserra na mão e um projeto na cabeça

Proposta de Flávio Bolsonaro extingue reserva legal obrigatória; espaço sob risco de desmatamento equivale a seis vezes a área do estado de São Paulo

10

Para não sair do hospital no escuro

A diferença que faz, para os pacientes, receber seus dados sobre tratamento e alta hospitalar – como manda novo Código de Ética Médica