portfólio

A última palavra em matéria de pintura rupestre

Em túneis remotos como o fundo de cavernas, os grafites deixados no concreto de Itaipu pelos operários provam que vão longe os anos 70  

Alexandre Marchetti
No fundo da represa, sob o reservatório, em túneis de concreto onde não vivem nem insetos, os bichos grafitados por operários se empoleiram até nos tubos da fiação
No fundo da represa, sob o reservatório, em túneis de concreto onde não vivem nem insetos, os bichos grafitados por operários se empoleiram até nos tubos da fiação FOTO: ALEXANDRE MARCHETTI

Os construtores da usina de Itaipu percorriam diariamente galerias de serviço com milhares de quilômetros dentro da obra. E eles eram quase 50 mil pessoas. Grande parte dessa multidão anônima se revezava em turnos de doze horas, no interior da barragem, até as profundezas da casa de máquinas. Os paredões de concreto eram a única paisagem que os trabalhadores tinham pela frente durante o expediente. E grafitá-los era um jeito de transformar o labirinto inóspito num lugar vivo, ou pelo menos habitado para sempre pelas mãos que os rabiscaram de passagem.

Como fotógrafo de Itaipu, encarregado de documentar o cotidiano da hidrelétrica, esses jacarés, teiús, bois, burros, peixes, caricaturas, mulheres nuas e cenas pornográficas me ajudaram a reencontrar a escala humana numa construção que ultrapassa as medidas da realidade. Na primeira vez em que desci a ladeira para a represa, foi como se o carro me levasse em direção a uma miragem de rocha, ferro e cimento. À minha frente, os dutos que levam a água da barragem à boca das turbinas não paravam de crescer. Eu estava ao pé da maior estrutura que já tinha visto. E era o tamanho daqueles tubos brancos que me confundia e impressionava.

Pudera. São vinte condutos ao todo. Bastam dois para levar represa abaixo o mesmo volume de água que cai, por segundo, nas cataratas do Iguaçu. Eu estava diante de dez cataratas do Iguaçu encanadas. E elas encobriam pinturas rupestres e textos em português, espanhol e guarani em caligrafia meio hieroglífica. A represa e os grafites pareciam feitos ao mesmo tempo em eras muito diferentes. Nunca parei de fotografá-los, cada vez que entrava na usina.

E não é só nos túneis e subterrâneos que eles se espalham. De 1977 a 1983, o paraguaio Rusmildo Pedrozo Alvarez – hoje com 55 anos e pintor de cenários de óperas – usou as horas de folga para decorar as paredes dos dormitórios que habitava com desenhos a lápis, povoando de belas mulheres um espaço reservado a beliches de homens confinados.



Sobrou pouco dessas paredes, salvas na última hora da demolição, quando as picaretas se detiveram diante dos grafites de Alvarez. E, como a decoração das casas de Pompeia, elas agora parecem devassar a intimidade de existências que estiveram ali faz muito tempo.

Alexandre Marchetti

Alexandre Marchetti é fotógrafo brasileiro radicado em Foz do Iguaçu.

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Editoras na berlinda

As editoras de revistas científicas foram objeto de uma polêmica inflamada na internet durante a semana que passou. A discussão foi desencadeada por uma coluna do ambientalista George Monbiot no jornal The Guardian, que as definiu como “os capitalistas mais impiedosos do mundo ocidental” e as acusou de violar o direito humano de acesso ao conhecimento. A mais ácida das reações despertadas pelo artigo veio de um editor do grupo Nature, para quem Monbiot usou argumentos simplistas e ignorou mudanças recentes do mercado editorial.

9

Crise na Bahia: Cláudia Leitte rouba sotaque de Ivete Sangalo

TODOS OS SANTOS - A greve de policiais na Bahia gerou uma onda de saques, pânico e rebolation nunca antes registrada. Em Itapuã, foram surrupiados o torso de seda, o brinco de ouro, o pano-da-costa, a bata engomada e a sandália enfeitada que a baiana tinha. Denúncias anônimas dão conta de que onomatopeias de Carlinhos Brown são traficadas à luz do Farol da Barra. Já em Amaralina, duas rimas de Caetano Veloso foram furtadas. Ou não.

10

Cremosa como um brie

Água incolor, insípida e inodora é para deseducados