esquina

A vara e a lira

Há preconceito contra vates-meritíssimos

Autor Anônimo
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2007

A editora Martins vem de publicar um livro de 136 páginas intitulado Página órfã. É um volume de poemas, escritos entre 2004 e o ano passado por Régis Bonvicino. A revista Veja dedicou-lhe uma nota curta e entusiasmada. Ela situa o autor na tradição de Augusto dos Anjos. Sustenta que Bonvicino é “um dos mais destacados poetas contemporâneos do Brasil”. E diz que um dos versos mais contundentes do livro é: “Há cacos de vidro na comida todos os dias”.

Além de poeta, Bonvicino é juiz de direito, e exerce o ofício na 1ª Vara Cível do Fórum de Pinheiros, em São Paulo. Na condição de árbitro, o autor de Página órfã tomou duas decisões que envolvem a revista que veio a considerá-lo um dos mais destacados poetas do Brasil. Em ambas, concedeu direito de resposta a quem se sentiu prejudicado por Veja. Um dos casos, envolvendo a rede Bandeirantes e a revista, ainda está pendente de julgamento.

É tranqüilo acumular as funções de vate e magistrado? Quando uma publicação enaltece a obra poética do meritíssimo, algo muda no seu juízo?

Foi para conversar sobre esse e outros assuntos que se marcou um encontro com Bonvicino, no mês passado, num café na praça Vilaboim, em São Paulo. O poeta-juiz, que tem 52 anos, estava loquaz. Disse que não conhece nenhum poeta brasileiro talentoso com menos de 35 anos, e reconheceu que não se dá com nenhum com mais de 35. Em compensação, repetiu umas quatro vezes que é amigo do grafiteiro chamado Nunca, que teria uns vinte e poucos anos. A loquacidade terminou quando lhe foi posta uma pergunta envolvendo a nota elogiosa de Veja e as relações entre estrofes e alíneas.

Ele passou a fumar cada vez mais. Pediu outro café. Lembrou que alguns bardos, como o baiano Gregório de Mattos e o luso Camilo Pessanha, foram juízes.

Na mesma noite, Bonvicino enviou uma mensagem. Nela, se disse perplexo diante da questão sobre os laços entre toga e lira, e classificou de “notúncula” a nota de Veja favorável ao seu livro. “Hoje sou o único poeta brasileiro com três livros [grifo dele] publicados nos EUA, um na Espanha, um em Portugal e um no México”, escreveu. “Gullar não tem isso. Augusto de Campos não tem isso.”

Ao dizer que não mistura versos e leis, Bonvicino se permitiu um trocadilho com a Folha de S. Paulo: “Como diz aquele slogan gasto da FALHA: não tenho o rabo preso com ninguém: sou independente”.

No final da mensagem, defendeu que há preconceito contra os poetas que exercem o cargo de juiz de direito: “Ser poeta e jornalista pode; ser poeta e medíocre professor da USP pode; ser poeta e médico, como o [Moacyr] Scliar, pode; ser sabujo e fâmulo da Globo por décadas, como o Gullar, pode; juiz não. Por quê?”.

Que conclusão tirar da mensagem? Nenhuma. Ou então que Gullar, Augusto de Campos, Scliar, a Folha e piauí devem manter prudente distância da Vara de Bonvicino.

Autor Anônimo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vazamento de óleo avança, plano de controle patina

Manchas se aproximam dos corais de Abrolhos; governo federal segue sem explicar por que não acionou programa criado em 2013 para conter derrames de petróleo

Ascensão e queda de um ex-Van Gogh

Tela do Masp atribuída ao pintor holandês tem autoria revista e inspira debate sobre valor artístico

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Domingo – um dia especial

Filme paga preço alto ao ser lançado agora, quando expectativa de “nova era” se mostrou ilusória

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

Mais textos
1

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

2

Fala grossa e salto fino

As façanhas de Joice Hasselmann, do rádio ao Congresso

3

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

4

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

5

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

7

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

10

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira