chegada_2012 despedida_2011

A voz chegou à praça…

A erupção que abalou o mundo árabe e a história dando um de seus saltos mais singulares

Dorrit Harazim
A praça Tahrir enfeita o centro do Cairo desde 1860, mas atendia por outro nome no Egito do século XIX. Hoje, tornou-se palavra corrente e obrigatória do vocabulário geopolítico mundial
A praça Tahrir enfeita o centro do Cairo desde 1860, mas atendia por outro nome no Egito do século XIX. Hoje, tornou-se palavra corrente e obrigatória do vocabulário geopolítico mundial FOTO: KHALIL HAMRA_AP_GLOW IMAGES

“Não seria mais fácil para o governo dissolver o povo e eleger outro?”, ironizou Bertolt Brecht, em 1953, ao assistir ao esmagamento do protesto de trabalhadores na extinta República Democrática da Alemanha.

As levas humanas que durante um ano se revezaram em batalhas na praça Tahrir, no Cairo, dali não pretendem arredar pé enquanto a equação não for invertida. A erupção que começou na Tunísia, despertou o Egito, avançou sobre o Iêmen e abalou o edifício de poder no mundo árabe: é a história dando um de seus saltos mais singulares.

Sua força está no objetivo mínimo, porém claro: ter voz e fazer com que ela seja ouvida. Soa até como novidade, com o frescor de algo inesperado e legítimo. Há quem veja nisso a abertura de um caminho próprio e democrático. Há quem veja revoluções em marcha, como as de 1848. E há o indubitável: as grandes potências da Europa e os Estados Unidos perderam peso, se encolheram diante do novo e do povo.

Ninguém previu essa onda humana e poucos se arriscam a traçar sua trajetória. Mas foi o fato mais marcante do ano.



Dorrit Harazim

Dorrit Harazim é jornalista. Foi editora de piauí de 2006 a 2012

Leia também

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

3

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

4

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

5

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

8

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

10

De volta à Rua do Ouvidor

Uma pequena livraria no Centro do Rio sobrevive à catástrofe econômica causada pela quarentena