minha conta a revista fazer logout faça seu login assinaturas a revista
piauí jogos

    A praça Tahrir enfeita o centro do Cairo desde 1860, mas atendia por outro nome no Egito do século XIX. Hoje, tornou-se palavra corrente e obrigatória do vocabulário geopolítico mundial FOTO: KHALIL HAMRA_AP_GLOW IMAGES

chegada_2012 despedida_2011

A voz chegou à praça…

A erupção que abalou o mundo árabe e a história dando um de seus saltos mais singulares

Dorrit Harazim | Edição 63, Dezembro 2011

A+ A- A

“Não seria mais fácil para o governo dissolver o povo e eleger outro?”, ironizou Bertolt Brecht, em 1953, ao assistir ao esmagamento do protesto de trabalhadores na extinta República Democrática da Alemanha.

As levas humanas que durante um ano se revezaram em batalhas na praça Tahrir, no Cairo, dali não pretendem arredar pé enquanto a equação não for invertida. A erupção que começou na Tunísia, despertou o Egito, avançou sobre o Iêmen e abalou o edifício de poder no mundo árabe: é a história dando um de seus saltos mais singulares.

Sua força está no objetivo mínimo, porém claro: ter voz e fazer com que ela seja ouvida. Soa até como novidade, com o frescor de algo inesperado e legítimo. Há quem veja nisso a abertura de um caminho próprio e democrático. Há quem veja revoluções em marcha, como as de 1848. E há o indubitável: as grandes potências da Europa e os Estados Unidos perderam peso, se encolheram diante do novo e do povo.

Ninguém previu essa onda humana e poucos se arriscam a traçar sua trajetória. Mas foi o fato mais marcante do ano.