questões contemporâneas

Arquitetura do nevoeiro

A sobreposição explosiva de opacidade e nitidez, incerteza e convicção, no tempo da “pós-verdade”

Guilherme Wisnik
Um ataque que procurasse de fato atingir os centros de poder e decisão hoje teria que visar e acertar não um alvo físico, mas entidades quase metafísicas, como Google, Amazon e Apple
Um ataque que procurasse de fato atingir os centros de poder e decisão hoje teria que visar e acertar não um alvo físico, mas entidades quase metafísicas, como Google, Amazon e Apple ILUSTRAÇÃO_MISHKA HENNER

Em que pese o estado de “nublamento” da percepção que temos do mundo atual, não se pode deixar de reconhecer que, ao mesmo tempo, vivemos no império da nitidez, numa “sociedade da hipervisibilidade”, em que parte importante da população mundial possui câmeras fotográficas no bolso e tem acesso imediato à postagem das fotos que produz. A também chamada “sociedade da informação” é feita de precisão e de certezas. Se antes as dúvidas que se tinha sobre os mais variados assuntos precisavam ser respondidas com base no conhecimento acumulado das pessoas ou buscando informações em enciclopédias volumosas e em bibliotecas, hoje, por meio da internet, essas respostas são obtidas de maneira imediata e assertiva, ainda que não necessariamente correta. Assertividade autoconfiante que se prolonga no comportamento mediano das pessoas nas redes sociais e por intermédio delas se propaga. Pois, além de ser um riquíssimo espaço de pesquisa e de conhecimento em potencial, o ciberespaço é também – como meio de comunicação e interação – um “lugar” no qual as pessoas expõem muito menos dúvidas do que certezas. E as certezas exprimem vontade de nitidez, de explicitação, de definições precisas.

Vivemos, portanto, um momento histórico de inegável evidenciação da definição das coisas, que acompanha o crescimento vertiginoso do acesso à informação por meios digitais. Refiro-me ao hiperrealismo manipulado das imensas fotos de Andreas Gursky e Thomas Struth, por exemplo, no campo da arte, e ao bombardeio de imagens, sempre sedutoras e acessíveis, em nossas vidas, bem como à evolução das ferramentas digitais que permitem ampliarmos muito essas imagens em suas interfaces sem que elas percam nitidez, como no caso do Google Arts & Culture. É algo que se verifica também no protagonismo atual de uma plataforma como a do YouTube, que dá novos significados a tudo – como às músicas – pelo prisma das imagens em movimento. Evidenciação das coisas que igualmente ocorre quando, no Google Earth, mergulhamos ao léu em uma cidade qualquer e, usando o modo street view, conseguimos passear pelas ruas e até explorar o interior de alguns edifícios. Progressivamente mapeado e decodificado, o mundo se oferece a nós em imagens cada vez mais nítidas, nas quais as dúvidas e ambiguidades, ou zonas de sombras e incertezas, vão sendo apagadas.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Guilherme Wisnik

Guilherme Wisnik  é arquiteto e ensaísta, autor de Estado Crítico: À Deriva nas Cidades, da Publifolha

Leia também

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

3

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

4

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

5

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

8

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

9

A droga da desinformação

Publicações falsas ou enganosas sobre remédios sem efeito comprovado contra Covid-19 são um terço das verificações do Comprova no último mês

10

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana