questões contemporâneas

Arquitetura do nevoeiro

A sobreposição explosiva de opacidade e nitidez, incerteza e convicção, no tempo da “pós-verdade”

Guilherme Wisnik
Um ataque que procurasse de fato atingir os centros de poder e decisão hoje teria que visar e acertar não um alvo físico, mas entidades quase metafísicas, como Google, Amazon e Apple
Um ataque que procurasse de fato atingir os centros de poder e decisão hoje teria que visar e acertar não um alvo físico, mas entidades quase metafísicas, como Google, Amazon e Apple ILUSTRAÇÃO_MISHKA HENNER

Em que pese o estado de “nublamento” da percepção que temos do mundo atual, não se pode deixar de reconhecer que, ao mesmo tempo, vivemos no império da nitidez, numa “sociedade da hipervisibilidade”, em que parte importante da população mundial possui câmeras fotográficas no bolso e tem acesso imediato à postagem das fotos que produz. A também chamada “sociedade da informação” é feita de precisão e de certezas. Se antes as dúvidas que se tinha sobre os mais variados assuntos precisavam ser respondidas com base no conhecimento acumulado das pessoas ou buscando informações em enciclopédias volumosas e em bibliotecas, hoje, por meio da internet, essas respostas são obtidas de maneira imediata e assertiva, ainda que não necessariamente correta. Assertividade autoconfiante que se prolonga no comportamento mediano das pessoas nas redes sociais e por intermédio delas se propaga. Pois, além de ser um riquíssimo espaço de pesquisa e de conhecimento em potencial, o ciberespaço é também – como meio de comunicação e interação – um “lugar” no qual as pessoas expõem muito menos dúvidas do que certezas. E as certezas exprimem vontade de nitidez, de explicitação, de definições precisas.

Vivemos, portanto, um momento histórico de inegável evidenciação da definição das coisas, que acompanha o crescimento vertiginoso do acesso à informação por meios digitais. Refiro-me ao hiperrealismo manipulado das imensas fotos de Andreas Gursky e Thomas Struth, por exemplo, no campo da arte, e ao bombardeio de imagens, sempre sedutoras e acessíveis, em nossas vidas, bem como à evolução das ferramentas digitais que permitem ampliarmos muito essas imagens em suas interfaces sem que elas percam nitidez, como no caso do Google Arts & Culture. É algo que se verifica também no protagonismo atual de uma plataforma como a do YouTube, que dá novos significados a tudo – como às músicas – pelo prisma das imagens em movimento. Evidenciação das coisas que igualmente ocorre quando, no Google Earth, mergulhamos ao léu em uma cidade qualquer e, usando o modo street view, conseguimos passear pelas ruas e até explorar o interior de alguns edifícios. Progressivamente mapeado e decodificado, o mundo se oferece a nós em imagens cada vez mais nítidas, nas quais as dúvidas e ambiguidades, ou zonas de sombras e incertezas, vão sendo apagadas.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Guilherme Wisnik

Guilherme Wisnik  é arquiteto e ensaísta, autor de Estado Crítico: À Deriva nas Cidades, da Publifolha

Leia também

Últimas Mais Lidas

E se Bolsonaro ganhar?

A violência como plataforma de governo

Os mascates do Rio

A periferia sem crédito mantém a tradição do vendedor de porta em porta

EUA devolvem fortuna à família Hawilla

Com a morte do delator do escândalo Fifa, Justiça restitui à viúva e aos filhos patrimônio de R$ 59 milhões em dinheiro e apartamento em condomínio em ilha de Miami

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

Lacrou: não entra mais nome novo na urna

Se um candidato morrer ou desistir, sua cara e seu número continuarão aparecendo na tela; TSE fechou os registros e diz que não muda mais

Mais textos
1

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

2

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

3

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

4

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

5

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

6

Aluguel do PSL custa R$ 1,8 milhão à campanha de Bolsonaro

Ex-presidente do partido, Luciano Bivar recebeu sozinho, até agora, 28% dos gastos da cúpula nacional da sigla que cedeu ao ex-capitão

7

O mínimo e o justo

Menos Estado gera mais justiça social?

8

SUS salva Bolsonaro por R$ 367,06

Pago pelo sistema público brasileiro, cirurgião de veias e artérias de Juiz de Fora é tirado de almoço de família para achar e conter hemorragia no candidato

9

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

10

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”