esquina

As candidatas

A multiplicação de Marielle

Tiago Coelho
ILUSTRAÇÃO_ANDRÉS SANDOVAL_2018

“O que você faria se fosse eleito deputado?”, dizia um cartaz na entrada do Teatro Oficina, no Centro de São Paulo. Palco habitual das montagens do dramaturgo José Celso Martinez Corrêa, naquele sábado de julho o prédio projetado por Lina Bo Bardi e Edson Elito acolhia o lançamento de cinquenta candidaturas a cargos do Legislativo em nove estados do país. Alguns participantes se dispuseram a responder à pergunta do cartaz: legalização do aborto e políticas de combate ao racismo foram alguns dos tópicos mais lembrados.

O público ia se acomodando em assentos suspensos sobre andaimes, ao redor do tablado estreito e comprido onde foi encenado Os Sertões, de Euclides da Cunha. Os candidatos chegaram às cinco da tarde: jovens negras com turbantes; uma mulher de cabelos pretos e colar étnico; uma trans cadeirante (havia também homens e mulheres brancas). Pertenciam a cinco partidos e participavam do coletivo Ocupa Política, que organizou o evento. A maior parte vinha da periferia de suas cidades e defendia as bandeiras políticas de Marielle Franco, a vereadora do Rio de Janeiro executada em março, cujo rosto era lembrado em camisetas e adesivos.

“Vamos começar o flertaaaço!”, anunciou ao microfone uma travesti de vestido vermelho. No palco, estavam dispostas duas fileiras com cinquenta cadeiras cada, uma de frente para a outra. Os candidatos ao Senado, à Câmara e às Assembleias Legislativas sentaram na fileira da esquerda. Em frente a cada um deles, acomodava-se um participante, que “flertava” com o candidato à sua frente e trocava de cadeira e de interlocutor após algum tempo.

Um rapaz sentou em frente a Robeyoncé Lima, uma moça de 29 anos que lhe disse com orgulho ter sido uma das primeiras advogadas negras e trans de Pernambuco. Ela também explicou que integrava uma candidatura coletiva para deputada estadual em seu estado, encabeçada por Jô Cavalcanti, do PSOL, e da qual fazem parte outras cinco mulheres. Na urna eletrônica, o eleitor verá o nome e a foto de Cavalcanti, que, se eleita, compartilhará as decisões do mandato com as outras integrantes do grupo, chamado Juntas. O coletivo defende as causas da população negra, LGBT e sem-teto.



Mais adiante estavam duas jovens candidatas, uma a deputada federal, outra a estadual por São Paulo, ambas pela Rede Sustentabilidade. (O lançamento daquela noite também teve candidaturas do PT, PSB e PV.) As duas defendiam maior diversidade nos espaços de poder público. “A Assembleia Legislativa de São Paulo, além de ser essencialmente masculina e branca, é muito fechada para o diálogo com a população”, disse a administradora de empresas Marina Helou, de 30 anos, candidata a deputada estadual.

Eugênia Lima, uma das três postulantes ao Senado apoiadas pelo Ocupa Política, concorre ao cargo pelo PSOL de Pernambuco. Em recente sondagem de opinião, a bacharel em direito de 34 anos pontuou 2%, ficando atrás de Jarbas Vasconcelos, do MDB, e Humberto Costa, do PT, velhas raposas da política local. Lima, que pretende arrecadar fundos para a campanha com um financiamento coletivo, não parecia incomodada com a lanterna. “É no Senado que as grandes questões do país são decididas. É preciso ter uma feminista lá”, disse, otimista.

 

As mulheres ocupam 54 das 513 cadeiras da Câmara de Deputados. Dentre elas, apenas três se declaram negras. Representam 0,6% do total da Câmara, enquanto as pretas e pardas são cerca de 25% da população. A sub-representação desse grupo no Congresso foi posta em pauta logo que o flertaço terminou, quando os participantes se dividiram em mesas de discussão. “O pessoal é político”, defendeu a paraense Áurea Carolina, uma das candidatas mais aplaudidas da noite, evocando um slogan cunhado nos anos 70 pela feminista americana Carol Hanisch. “Precisamos recuperar esse lema se quisermos um sistema político inclusivo e generoso”, afirmou.

Em 2016, Carolina lançou-se à Câmara de Belo Horizonte pelo PSOL e foi a vereadora mais votada, com 17 420 votos. Dos seis projetos de lei que propôs em um ano e meio de mandato, cinco beneficiavam negros e mulheres. Seu desempenho eleitoral serviu de estímulo às candidatas presentes. “É preciso transformar o Legislativo”, disse Carolina. “Não podemos repetir o Congresso que elegemos em 2014, o mais conservador desde a redemocratização.”

Na avaliação do sociólogo e cientista político Luiz Augusto Campos, pesquisador da Uerj que investiga a ausência de negros na política nacional, as eleições de 2018 serão uma prova de fogo para movimentos como o Ocupa Política. Campos vê na multiplicação de candidaturas de ativistas negros um fenômeno novo no jogo eleitoral. “Ao longo da redemocratização, os partidos não se mostraram muito abertos a essas candidaturas.” A atuação do movimento negro limitou-se a pressionar por políticas afirmativas em espaços do Executivo, como ministérios e secretarias. “No último mandato de Dilma e durante o governo Temer, com a crise política e econômica, esses canais se esgotaram e os ativistas passaram a buscar espaço no Legislativo”, disse Campos.

Falta de verbas privadas para financiamento das campanhas e pouco espaço na tevê são os principais adversários dessas candidaturas. Mas ainda que a maioria não alcance votação expressiva, Campos acredita que esses movimentos não vão abdicar da via eleitoral como forma de fazer política. A causa ganhou impulso após o assassinato de Marielle Franco, que motivou a criação de fundos de apoio a lideranças políticas de mulheres negras. “A morte dela deu uma cara para essas candidaturas”, lembrou o sociólogo.

No fim da noite, as luzes do teatro se apagaram e num telão surgiu projetado o rosto de Marielle Franco. “Não sabem ouvir a posição de uma mulher eleita?”, a voz da vereadora ecoou no ambiente. Era um trecho do discurso que ela proferira ao ser interrompida por um colega em plenário. “O espaço da política é onde as decisões sobre nossas vidas são tomadas. E a gente tem que estar nesses lugares”, prosseguiu a voz na escuridão. Quando as luzes se acenderam, não se ouvia um pio.

Tiago Coelho

Repórter da piauí e roteirista

Leia também

Últimas Mais Lidas

Os negócios da pandemia

Mais rápido que o Ministério da Saúde, o da Defesa já gastou quase 100% dos 531 milhões de reais que recebeu para o enfrentamento da Covid-19. Parte do dinheiro se destinou à compra de dezoito caminhonetes que ainda não foram entregues 

Uma facada atrás da outra

Apoiadores de Bolsonaro, inclusive um que foi a Juiz de Fora resgatá-lo depois do atentado, mostram decepção com o presidente e o governo; Flavio pede fé para 2021

Mentira e ilusão

Morador provisório do Palácio da Alvorada fabrica falsidades sem cerimônia

“Mamadeira de piroca” versão 2020

Monitoramento em oito capitais mostra como candidatos conservadores acusaram adversários usando “ideologia de gênero”

Inválidos, Paes e o Bispo

Paes derrota Crivella em todas as 49 zonas eleitorais, mas perde para abstenções em números absolutos

Foro ao vivo no 2º turno: o que concluir das eleições

Podcast de política da piauí fez um balanço do resultado das eleições municipais; a íntegra do programa ao vivo está disponível no YouTube

Mais textos
2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

6

Cirurgia à peruana

Em conversa com Paula Scarpin, Bernardo Esteves fala sobre a Chegada da piauí_100

7

Ministério da Agricultura proíbe promoção de chã, patinho e lagarto

BRASÍLIA - “É um cartel!” Foi assim, com exclamação e tudo, que o ministro da Agricultura e Pecuária, Reinhold Stephanes, abriu a coletiva de imprensa para anunciar as resoluções de sua pasta para o último ano do governo Lula. Entre as principais medidas, a que causou mais impacto foi a proibição da venda de chã, patinho e lagarto por preços iguais. “Faz mais de vinte anos que escuto, nos anúncios dos mercados, que essas três carnes estão em promoção, e mais, vendidas pelo mesmo valor", disse indignado.

8

Hipótese Escorel

Após ler o post de Eduardo Escorel motivado por um debate sobre cinema brasileiro em Porto Alegre, o crítico Jean-Claude Bernardet escreveu-lhe: “Aceito tudo o que você escreve, não me sinto em contradição com você. No entanto, seu texto me deixa insatisfeito, porque eu sinto no teu texto como nos meus que estamos girando em torno de algo que não sabemos o que é, ou preferimos não saber.” 

9

Cinema político (I)

Nós – cineastas, produtores e demais integrantes da comunidade cinematográfica – temos capacidade de interagir com o público através de filmes que reflitam a gravidade da crise que o país atravessa?