poesia

As durações da casa

Julia de Souza
CREDITO: GIORGIA MASSETANI_2019

MÓVEIS

É doce e boa a mobília
Paulo Henriques Britto

Crer em nada mais que o
plano lúcido dos móveis.
Não nos pedem muito:
irmãos da gravidade
toleram o que é nosso
são calmos guardiões
da pretérita e viva
duração da casa

 

INVASÃO

Um jardim penetra a casa:
há uma incisão que se renova
em sua caixa torácica a cada
hesitação do vento ou sutil
modulação do clima –
o que não deixa de aventar
um certo perigo.

Ainda assim não vou sair
para tentar não morrer
antes da tua volta

(e agora chove, chove dentro da casa)

Vou tentar perceber
o que é estar nesta casa
onde só as duas poltronas vermelhas
marcam o que é dentro

 

TRABALHAR CANSA

As tardes na casa não têm
hierarquias: é sempre
um pouco sábado
e atravessar os sábados
é ser suavemente
atravessado –
o ouvido, escuta,
o ouvido não tem pálpebras
e por isso é preciso
perdoá-lo.

Aos sábados esquecemos
que as metonímias são
uma espécie de tapa
e podemos assistir uma aranha
compondo
entre dois galhos
aos milímetros sua teia

Há tantas coisas
que deixariam de existir
se fossem tocadas.

Aqui fuma-se onde há
janelas
espera-se onde há janelas
e há janelas o bastante
(são vermelhas)
quando faz sol
aos sábados.

Aqui quase sempre
é um bom sábado
(e a casa portanto é uma sucessão
de mormaços, amadorismos
marolas). 

Aos sábados flutuamos
não sabemos nadar
mas flutuamos
como ideias que passaram
do prazo ou nasceram
antes da hora

 

ESCREVER, ESCALAR

I.
Confiar
na firmeza flutuante
da primeira agarra

II.
Ter a montanha
a um palmo de distância
– não ver o céu
não ver o fim

III.
A subida é para o alto
e para os lados:
as pedras as mãos
também
se espraiam

IV.
O coração é o gancho
de escape
o coração vai
na pochete
o coração somente
em caso
de emergência

V.
O pé na falha da pedra
não olha para baixo
para a corda ilusória
para os versos que já

VI.
A chegada não é
o oposto da queda

a chegada é inverter
a montanha:

o alpinista pendurado
lá no topo pelo ponto
final

 

PLANO

Trata-se de um movimento
em direção à clareza.
Uma braçada, duas, transpor
a extensão da água

com o vigor dos nadadores:
um movimento
pela graça da redundância
pela precisão do óbvio
pelo ver apenas
a piscina

está cheia de folhas
é preciso limpá-la

 

“EU ERA AR”

Como é estranho existir
nos é vetado atinar com isso
nos espantar com isso
sob o risco de ver pés, mãos
e sobretudo o rosto
como a abstração total;
a imagem no espelho
perde então a carne
e passa a ser passagem
olhos furados, susto,
vácuo. Você se belisca:
como é estranho existir, ver
em cada gesto um espasmo
e ver em tudo o que tem nome
e corpo apenas a forma
acidental e sem figura
de um país estranho estampado
num mapa


Poemas do livro As Durações da Casa, que a editora 7 Letras lançará em setembro.

 

Julia de Souza

Julia de Souza, poeta paulistana, é autora de Covil, lançado pela 7Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

O Irlandês – memória e maldição

Filme de Scorsese alcança grandeza ao fazer acerto de contas do diretor com sua obra

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

3

A chicana

Uma floresta contra o autódromo de Crivella e Bolsonaro

4

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

5

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

7

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

8

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

10

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira