anais da moda

Bafo em Paris

O caminho do jovem estilista brasileiro Pedro Lourenço rumo ao reconhecimento internacional

Daniela Pinheiro
“A brasileira quer roupa que mostre o peito com silicone, a barriga malhada. Ela só gasta dinheiro em vestido de casamento. E tem que ser 

tomara que caia e comprido”, disse Lourenço
“A brasileira quer roupa que mostre o peito com silicone, a barriga malhada. Ela só gasta dinheiro em vestido de casamento. E tem que ser tomara que caia e comprido”, disse Lourenço FOTO: EGBERTO NOGUEIRA / ÍMÃ FOTOGALERIA_2013

Em março, nas rodas mais animadas de Paris, só se falava da fuga de Gérard Depardieu para a Bélgica atrás de impostos mais camaradas, das almôndegas de cavalo vendidas como carne de boi na Ikea e dos desfiles da Semana de Moda da capital francesa, considerada a mais importante do mundo. O estilista Pedro Lourenço – o mais jovem e único brasileiro a desfilar no prêt-à-porter parisiense nos últimos anos – estava na cidade para mostrar sua coleção outono-inverno 2014.

Faltando pouco para as dez da manhã, podia ser visto de pernas cruzadas em uma cadeira Luís XV, forrada de tecido azul-bebê. Lourenço, a cadeira e o tecido se encontravam no hotel Le Bristol, localizado na rua Faubourg Saint-Honoré, onde hordas de todos os sexos e idades formam fila para detonar ienes, yuans, dólares, petrodólares, rúpias, rublos, euros e reais em lojas como Christian Louboutin e Chanel.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Daniela Pinheiro

Daniela Pinheiro foi jornalista da piauí entre 2007 e 2017

Leia também

Últimas Mais Lidas

No rastro da Covid-19

Como duas cidades brasileiras aplicam a metodologia do contact tracing para reconstituir o percurso do vírus e reduzir o contágio

A irreverência contra o ódio

Comediante alerta para a máquina de disseminação de mentiras na internet

Brasil precisa de um SUS no transporte público

Ônibus e trens ficaram ainda mais cheios na pandemia; contágio entre os mais pobres escancara abismo social no país

A Terra é redonda: Depois da pandemia

Especialistas discutem como ficam a saúde mental, a luta contra o racismo, a vigilância e a confiança na ciência no mundo pós-coronavírus

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

3

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

4

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

5

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

6

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

8

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

9

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

10

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados