cartas

Entre perdas e danos

PERCA IRREPARÁVEL 

Foi uma tremenda imprudência a demissão de Chantecler. Tendo demonstrado seus poderes, ou melhor, relacionamentos com a Receita Federal e a justiça trabalhista, piauí  agiu de forma temerária, ignorando tolamente os riscos de sua iniciativa. Temo pelo fim de sua circulação, o que seria uma perca irreparável para a comunidade piauiense.

SERGIO BUENO_SÃO PAULO, SP

Nota da Redação: não tema. Os astros protegem piauí, com ou sem Chantecler.

 

ETERNO HOSPíCIO
Bomba, bomba! É muito bom ter acesso a um conhecimento, diria eu, de história, de política, de contos, de fatos! Mas também do inconsciente, de homens mal fadados, do fim e início do mundo. E que mundo, cheio de torpeza, assim como seus homens, que despreza esses mesmos homens… Isso aqui é um eterno hospício, afinal, trabalho em um. E viva a sociedade alternativa, em parceria com a brilhante e alegre revista piauí!

JOILSON BERGHER_VITÓRIA DA CONQUISTA, BA

 

HISTÓRIA PUNGENTE

Acabo de ler na piauí a matéria sobre o Cesare Battisti. Traduzi alguns livros da escritora francesa Fred Vargas, e foi por seu intermédio que soube do caso Battisti. Fiz contato com alguns editores no Brasil e, no momento, traduzo um livro dele, Ma Cavale, que deve sair até o final do ano. Está sendo uma experiência e tanto ficar mergulhada várias horas por dia numa história tão pungente. Sentia necessidade de conversar sobre isso, e de saber que mais pessoas se interessam pelo caso. Foi muito bacana ler o artigo, sensível e sério.
DOROTHÉE DE BRUCHARD_FLORIANÓPOLIS, SC

 

PIAUÍ MUNDIAL
Algumas reportagens parecem ser reproduções
de artigos previamente publicados em revistas americanas, especialmente a
New Yorker. O artigo “Côncavo e convexo”, em particular, me lembra muito um texto que li tempos atrás naquela revista americana. Assino a piauí pela originalidade de seus artigos, criatividade e qualidade de seus jornalistas/escritores. Ficaria muito decepcionado se o direcionamento editorial for pela reprodução de artigos, em vez da criação de conteúdo.
JOÃO HENRIQUE SCHMIDT_ SÃO PAULO, SP
Nota da Redação: além das maravilhas que produzimos na redação, apreciamos  tesouros alheios, e ficamos felizes quando conseguimos adquirir os direitos de reprodução de textos estrangeiros – sejam poemas, reportagens, cartuns.  Para nós, o mundo todo cabe na piauí.

 

DEIXA VER SE EU ENTENDI

O sr. Bruno Maranhão, líder do Movimento de Libertação dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra, foi mais rápido e mais esperto e ocupou uma fazenda falida, que sua família iria adquirir. Virou herói porque enganou a família em prol dos sem-terra. O “grande líder” aloja seus seguidores, coloca-os para trabalhar, paga abaixo do preço de mercado e fornece o produto para os usineiros da sua família. E nem precisa pagar os direitos trabalhistas.

Que lindo!

HELENA MARIA DE SOUZA_RIO DE JANEIRO, RJ

 

Leia também

Últimas

A lenha ou a fome

Sem dinheiro para comprar gás, moradores da periferia de Curitiba gastam horas catando madeira e voltam à era do fogão a lenha para poder cozinhar alimentos

Celebridade versus Mito

Trupe de artistas e influencers contra Bolsonaro cresce nas redes, faz barulho e amplia a base de oposição

A importância do cinema brasileiro

Patrimônio merece ser preservado e protegido, não destruído

Desiguais até na infelicidade

Entre os 40% mais pobres da população brasileira, sensação de bem-estar geral caiu mais; para os 20% de renda mais alta, sentimento é de que a vida até melhorou

Lugar de militar é no quartel

Emenda que barra militares da ativa na administração pública é insuficiente, mas um bom começo para tirar Forças Armadas da política

Mais textos