vultos da república

Chega de pá, pá, pá

Como Alexandre Kalil, o prefeito de Belo Horizonte, está comendo pelas beiradas

Karla Monteiro
Kalil, com a neta Catarina, em seu apartamento: “Vinham falar comigo de Cingapura. Que Cingapura era adensada. Então me financia o metrô de Cingapura? A estupidez dos ricos…”
Kalil, com a neta Catarina, em seu apartamento: “Vinham falar comigo de Cingapura. Que Cingapura era adensada. Então me financia o metrô de Cingapura? A estupidez dos ricos…” CREDITO: ANA LAENDER_2020

“Será que só eu sou o cagalhão? O bobalhão? Esse povo não tem medo de enfiar um tubo goela abaixo?” O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), estava indignado com a resistência contra as medidas para conter a disseminação do coronavírus. Havia mais de um mês, não via nenhuma das quatro netas – Bianca, Catarina, Helena e Eduarda –, trancado no amplo apartamento da Praça Marília de Dirceu, no bairro de Lourdes, o Leblon da capital mineira. Sentado diante do computador, falava com a piauí por videoconferência. Às suas costas, muitos retratos de família e, emoldurada, a camisa 10 de Ronaldinho Gaúcho, na sua encarnação como craque do Atlético Mineiro.

Pela quarta vez, desde o início da pandemia, Kalil mandara fechar tudo na cidade em resposta ao aumento dos casos. Com isso, vinha conseguindo manter Belo Horizonte com o menor número de mortos pela Covid-19 entre as capitais com mais de 1 milhão de habitantes. Mas as pressões partiam de todos os lados. Dos gritos de “Fora, Kalil”, emitidos pelos manifestantes que diariamente se concentravam debaixo da janela do seu apartamento no 9º andar, às quedas de braço com o governador Romeu Zema, do Partido Novo, e a chamada bancada “bolsonovista” da Câmara Municipal. “Fora, Kalil?”, perguntou o prefeito. “Fui reeleito em primeiro turno, com 63,36% dos votos, sentado aqui, nesta cadeira. Fora, o cacete.”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Karla Monteiro

Karla Monteiro, jornalista, é autora de Karmatopia e Sob Pressão. Em outubro lança pela Companhia das Letras a biografia do jornalista Samuel Wainer

Leia também

Últimas

O padre, o filho e a pensão alimentícia

Justiça manda religioso pagar três salários mínimos mensais a ex-fiel que diz ter tido um romance e um filho com ele; o padre nega

Pela simplificação dos planos diretores

Legislação complicada e genérica precisa ser substituída por outra capaz de ser entendida pela população

O encalhe de Pantanal e Dona Beija

Acervo com mais de 25 mil fitas da Rede Manchete vai a leilão, mas não atrai nenhum comprador

Foro de Teresina #154: Boom, bola e bolso

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Dias de alívio e de pranto

Vestibulanda relata angústia de ver sua avó, vacinada, se recuperar da Covid, enquanto um amigo chorava a morte do pai, sem vacina

Mais textos