tipos eternos

Cinderela

Imprensa governista e mídia golpista reescrevem a fábula da princesa

Renato Terra
ILUSTRAÇÃO: NEGREIROS_2014

A BORRALHEIRA CLASSE C

Era uma vez uma jovem nascida na Chatuba de Mesquita que sonhava encontrar um príncipe encantado no Orkut. Sem direito a hora extra, auxílio-alimentação ou vale-transporte, sem usufruir da PEC das domésticas, Cinderela da Silva era explorada numa rotina de trabalho semiescravo pela madrasta imperialista.

Sua única diversão consistia em fugir em uma van lotada para dar aulas de ciências sociais e fazer trabalhos voluntários nas periferias da corte. Aos preconceitos de classe que atravessavam seu caminho, Cinderela respondia calada: “Um índio descerá de uma estrela colorida e brilhante e pousará no coração do hemisfério sul, na América, num claro instante.”

Até que, num belo dia, recebeu um convite, via mala direta, para o Baile Encantado do Instituto Lula, com a presença do príncipe herdeiro, Fernando Haddad. Era uma festa para a qual todos estavam convidados: o rico, o pobre, a classe C, os movimentos sociais, os companheiros do sindicato, jornalistas brigados com a Globo e penetras de sobrenome Sarney. Cinderela vibrou com a oportunidade de ser tratada com dignidade, respeito e justiça.



A madrasta reaça, no entanto, moveu montanhas para proibir Cinderela de ir ao baile: privatizou rodovias, telefonou para donos de jornais e revistas, ergueu cartéis e deslocou a Tropa de Choque da PM para a porta de sua casa.

Sitiada, sentindo-se isolada do mundo pelo apartheid sociocultural opressor de uma sociedade retrógrada e machista blindada por uma oligarquia midiática, Cinderela recebeu a inesperada visita da fada madrinha. Com um topete estático na cabeça e uma varinha de condão com uma estrela vermelha na ponta, a fada entoou a canção: “Bolsa Família, Luz Para Todos, Minha Casa, Minha Vida/ Bibidi-bobidi-bu/ Junte isso tudo e teremos então/ Bibidi-bobidi-bu.”

Num passe de mágica, transformou a abóbora em um jatinho da FAB e desocupou uma fazenda improdutiva para realizar a decolagem. Uma cooperativa de tecelãs costurou um lindo vestido balonê com algodão 100% nacional. Com penteado esculpido por Celso Kamura, Cinderela estava pronta para ir ao baile. Mas havia uma condição: à meia-noite, o patrocínio da Caixa Econômica Federal cessaria e o feitiço estaria acabado.

Alegre e faceira, ela dançou a Internacional socialista, de rosto colado com o príncipe Haddad durante toda a noite. Por seu vestido chiquerérrimo, ainda foi laureada como musa LGBTTT da festa. Inebriada por doses iguais de volúpia, autoestima e Sidra Cereser, Cinderela mandava um beijinho no ombro para a madrasta recalcada quando percebeu que faltavam poucos minutos para a meia-noite. Saiu correndo, mas no caminho deixou cair no chão um pé das Havaianas, um bem-casado, um enfeitinho de mesa e dois copos de requeijão.

No dia seguinte, Haddad, o príncipe, anunciou que procuraria pela dona daquele chinelinho. Numa demonstração de humanidade, começou pela Cracolândia e, de ônibus, munido de seu Bilhete Único, rodou pela cidade em busca da amada. Encontrou Cinderela, faminta, esfarrapada e assustada num abrigo da prefeitura. Assim que o príncipe lhe calçou o chinelo, vendo que cabia à perfeição, pediu a mão dela em casamento.

Nos anos seguintes, Haddad valorizou a independência de Cinderela, respeitou-a como mulher e a incentivou a presidir uma ONG com bons convênios no Ministério do Turismo. O primeiro filho, Leon Inácio, veio ao mundo pelas mãos de um obstetra cubano. O casal viveu feliz e solidário para sempre.

 

A PETISTA DESLUMBRADA

Era uma vez uma esquerdista idiotizada que vivia encostada na casa da madrasta à espera de um Bolsa Esmola qualquer. Cinderela ficou órfã aos 6 meses quando seus pais foram combater na Guerrilha do Araguaia. Foi adotada por uma madrasta que cuidou com mão de ferro de sua educação e formação de caráter. Cinderela, no entanto, tinha um DNA comunista. Passava os dias fumando maconha e imaginando maneiras de implementar no país uma ditadura genocida em nome de “um mundo melhor”. Pelo desleixo com que realizava suas tarefas domésticas, ficou conhecida como a Princesa da Baderna.

Metade irresponsável, metade hipócrita, a princesinha, como toda comunista, no fundo sonhava em casar com um marido rico e morar numa cobertura à beira-mar no Leblon. Resistia diariamente ao trabalho honesto e ofendia a religiosidade de sua sagrada família repetindo blasfêmias vomitadas por Gregorio Duvivier.

Todos sabiam que Cinderela era a cabeça de uma gangue que recrutava bárbaros desocupados para realizar rolezinhos nas áreas civilizadas da corte. Em vez de levar um corretivo bem aplicado, a musa da baderna foi incentivada a delinquir e logo se destacou. Integrou comissões de direitos humanos para defender os bandidos que a acompanhavam e, claro, filiou-se ao PT para conhecer bandidos novos.

Num belo dia, enquanto tramava a depredação de um asilo, Cinderela recebeu uma mensagem em seu iPhone 4 convidando-a para um baile na USP regado a cerveja e tóxicos. Sua madrasta, que pagava suas contas, inclusive o cartão American Express, foi contra. Numa atitude corajosa e educativa, amarrou Cinderela a um poste e saiu para trabalhar.

Foi quando, num passe de mágica, a Fada Neoliberal apareceu. Com um vestidinho Versace, óculos escuros Dolce & Gabbana e chapéu-panamá, a fadinha foi logo lançando seu feitiço: “Livre mercado, Estado mínimo, garantias individuais/ Bibidi-bobidi-bu/ Junte isso tudo e teremos então/ Bibidi-bobidi-bu.”

Com uma varinha Louis Vuitton, transformou a abóbora em um helicóptero da família Perrela. Reduziu impostos de perfumes e disponibilizou para Cinderela um grande closet com coleções hippies e hipsters 2014-15 de grifes famosas. Mas havia uma condição: à meia-noite, o feitiço acabaria e Cinderela teria que arrumar um emprego para pagar suas contas e reembolsar as dívidas que fez com a fada. Os juros seriam de 13% ao mês. Cínica, Cinderela aceitou as condições.

No baile, Cinderela dançou a noite toda de rosto colado com um morador de rua fedido. Perto da meia-noite, no entanto, a manifestação que começou pacífica foi infiltrada por um pequeno grupo mascarado que iniciou atos de vandalismo. A princesa acabou deixando cair um frasco de vinagre e uma máscara de oxigênio na escadaria enquanto corria da Polícia Militar.

Edevaldo Maria das Dores, o morador de rua que dançou com Cinderela, começou a procurar mulheres em cujo rosto coubesse a máscara. Calhorda e ingrata, como todos os comunistas, Cinderela ignorou a busca do malcheiroso e os dois nunca mais se viram.

Cinderela casou-se com um empresário neoliberal financiado pelo BNDES e viveu hipócrita para sempre, assistindo a Manhattan Connection sob o edredom nas noites de domingo.

Renato Terra

Renato Terra foi repórter de piauí e era ghost-writer do Diário da Dilma e responsável pelo piauí Herald até 2016

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

3

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

4

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

O taxista carioca

Armando Japiassú dirige com o cotovelo para fora, finge que o ar-condicionado quebrou agorinha mesmo e definitivamente não acredita que a reta seja o caminho mais curto entre dois pontos 

7

Uma arma, dois assassinatos e uma só tragédia no Rio

Como uma mesma pistola 9 mm de uso restrito está diretamente ligada às mortes de um sniper e de um PM em menos de 24 horas na capital carioca

9

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

10

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira