esquina

Compreendemos a sua indignação

Pior do que Galisteu viajar com dinheiro do erário, só microondas subversivo

Andrea Jubé
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2009

Cidadão Indignado e Furioso: “Se vocês aprovarem essa Proposta de Emenda Constitucional, saibam que ganharão de graça muitos pesadelos e dores de cabeça. Nós não vamos ficar quietos. Preparem seus carros! Tranquem suas casas! E, se saírem, levem guarda-costas! Cada um que for a favor dessa palhaçada vai pagar caro por isso!”

Ouvidoria Parlamentar: “Comunicamos o recebimento de sua mensagem acerca da propalada efetivação, sem realização de concurso público, de 269 mil servidores, conforme dispõem as Propostas de Emenda à Constituição (PEC) nos 54/1999 e 2/2003. Compreendemos a sua indignação, a qual, aliás, é compartilhada por milhares de brasileiros.”

Cidadão Indignado, Porém Menos Furioso: “Tenho que registrar o meu agradecimento por esta resposta rápida. Fico alegre. Mas quando se fala de órgão público, parece que estamos enviando e-mails para fantasmas, que nunca respondem. Parabéns pela atenção e disponibilidade de nos atender.”

A reclamação de Cidadão Indignado foi apenas mais uma entre as 2 701, que, em 2007, bombardearam a Ouvidoria da Câmara dos Deputados para, furibundas, levantar armas contra a chamada “PEC do Trem da Alegria”. Do outro lado do bombardeio estavam Regina, Patrícia, Tatyana, Mara, Meg ou Vera, o time de atendentes da casa cujo trabalho é passar a vida ouvindo pitos cívicos. A cada mês, seja por telefone, e-mail ou carta, as moças se encarregam de responder a uma média de 600 mensagens de indignação, muitas delas carregadas de impropérios só publicáveis em revistas que frequentam bancas de baixo calão. De forma bissexta – e ponha bissexta nisto – chegam elogios ao labor parlamentar, boa parte escrita por mães, tios, primos ou aparentados do deputado ou senador. No rol quase infinito dos desaforos, destacam-se críticas às propostas sazonais de aumento de salário (o deles, claro), bem como ao peculiar regime de trabalho, que se estende por exaustivos três dias: terça quarta e, sim, quinta também. Em 2001 foram 500 ocasiões para levar bronca. Em 2008, mais de 6 mil.

Diante do turbilhão de insatisfações, foi necessário criar um protocolo de respostas. Perguntas indolores – “Já houve um deputado federal cujo nome completo fosse Orlando Alves Pimenta?” – esperam cerca de dois dias antes de receber resposta. Dúvidas mais complexas – “Existem quantas Propostas de Emenda à Constituição relativas a um terceiro mandato do presidente Lula?” – podem levar até um mês, em função da pesquisa necessária. Uma mensagem só é repassada a um deputado quando o remetente assim solicita.?Manifestações a favor ou contra determinados projetos são encaminhadas diretamente à presidência da Câmara. Em 2007, Cidadão Indignado & Companhia puderam cingir suas frontes com os louros da vitória: a PEC da farra de empregos soçobrou no mar de descomposturas.

 

“Você ou tem espírito cívico ou não se encaixa na equipe”, ensina Regina Fontes, uma baiana de 36 anos, acostumada a fubecadas epistolares como esta: “Eu gostaria de saber se existe algum deputado que tenha o nome limpo, sem processo. Porque eu, se estiver no SPC ou no Serasa, não consigo emprego. Já parlamentares mais sujos que pau de galinheiro conseguem tudo que querem, inclusive aumentar os seus próprios salários.”

Em abril passado, o grosso da correspondência foi especialmente, bem… grossa. A farra de viagens regionais, nacionais, continentais e intercontinentais – com ou sem Adriane Galisteu a tiracolo – foi um dedo no olho do missivista-cidadão. “Gostaria de expressar minha indignação com o deputado Fábio Farias do PMN, por ter usado dinheiro público para pagar passagens de atores?globais”, exclamou um. “Espero que a Câmara casse o mandato do deputado Fábio Faria (ex de Galisteu) e o mande brincar em outro lugar”, gritou outro. As manifestações receberam resposta polida na qual se assegurava que a Mesa Diretora seria informada do reclamo em tela.

Nos períodos em que parlamentares conseguem superar a si mesmos – como em 2005, quando Severino Cavalcanti tentou aumentar o salário da classe em 91% – chovem mensagens exigindo a volta da ditadura. Regina responde sacando do chapéu lições de moral e cívica. “Explico ao remetente que não estaríamos travando este diálogo se vivêssemos naquele período. Para início de conversa, a pessoa seria presa pelo simples fato de enviar uma carta nestes termos.”

Teses conspiratórias também recebem resposta. É o caso do cidadão que alimentava certa desconfiança em relação ao seu forno de microondas: “A radiação de microondas está sendo utilizada pelo crime organizado para diversos fins. Esta arma de raios de microondas era de uso exclusivo da Central de Inteligência dos Estados Unidos. Hoje, entretanto, já está disponível e pode ser utilizada, por exemplo, para obrigar o proprietário a desistir de morar no seu imóvel.”

Sem hesitar, Regina respondeu: “Gostaríamos de parabenizá-lo pela iniciativa, prova do seu engajamento com questões relevantes para o país, constituindo-se em verdadeiro ato de cidadania, sem o qual não será alcançado o tão almejado fortalecimento da nossa democracia.” Até aí foi bem. O difícil era saber como prosseguir. Pensou um pouco, e concluiu: “Sugerimos que escreva ao Ministério de Ciência e Tecnologia, por meio do endereço www.mct.gov.br.”

Andrea Jubé

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #65: O sequestro do ônibus, o aparelhamento bolsonarista e a desigualdade brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Nunca fui santa

Às vésperas da canonização de Irmã Dulce, quase 80% dos santos reconhecidos pela Igreja Católica ainda são homens

Cabeças a prêmio – naufrágio do cinema

Por idiossincrasia de Bolsonaro, mas também por nossa incapacidade de reformular a Ancine, estamos por afundar

Os podcasts que eles ouvem

Quais os programas queridinhos dos participantes do evento

Fogo na Amazônia apaga o Sol no Sul

Fumaça de queimadas combinadas em Rondônia, Bolívia e Paraguai cobre o Sol no norte do Paraná, a mais de 2 mil km de distância

Maria Vai Com as Outras #1: Poder

A prefeita Márcia Lucena e a delegada Cristiana Bento contam como exercem o poder em profissões quase sempre ocupadas por homens

Foro de Teresina especial: aguarde

O programa, que contou com a participação da jornalista Maria Cristina Fernandes, foi gravado ao vivo durante o evento que reuniu os melhores podcasters do país

Entre gargalhadas, cotidiano e estratégia: os podcasts de humor

Linguagem politicamente incorreta e medo da repetição estão entre as preocupações dos realizadores 

Mais textos
1

A vovó fashion

Uma influencer e seus looks ousados

2

Fogo na Amazônia apaga o Sol no Sul

Fumaça de queimadas combinadas em Rondônia, Bolívia e Paraguai cobre o Sol no norte do Paraná, a mais de 2 mil km de distância

3

Sem saúde nem plano

Por que os planos de saúde privados se tornam inviáveis a partir dos 60 anos e como algumas operadoras conseguem cobrar menos

6

A imprevidência chilena

Elogiado por Bolsonaro e Guedes, regime de capitalização implantado no Chile tem aposentadoria média inferior ao salário mínimo

7

Nunca fui santa

Às vésperas da canonização de Irmã Dulce, quase 80% dos santos reconhecidos pela Igreja Católica ainda são homens

8

O pit bull do papai

Os tormentos e as brigas de Carlos Bolsonaro, o filho mais próximo do presidente

9

Foro de Teresina #64: A fritura de Moro, a expulsão de Frota e o acordo de Itaipu

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

10

Acordo de WhatsApp para manter Frota no PSL não resiste a canetada de Bolsonaro

Bancada selou em grupo de aplicativo permanência do deputado, que acabou expulso depois de criticar Eduardo; outros parlamentares devem ser enquadrados