anais da tecnologia

Dois anos que abalaram o Facebook – e o mundo

Como a maior empresa das redes sociais tomou o rumo do desastre

Nicholas Thompson e Fred Vogelstein
A ambição de Zuckerberg tinha sido criar outra internet, ou talvez outro mundo, dentro do Facebook, e induzir as pessoas a usá-lo ao máximo; o modelo do negócio se baseava na publicidade, que tem apetite infinito pelo tempo das pessoas
A ambição de Zuckerberg tinha sido criar outra internet, ou talvez outro mundo, dentro do Facebook, e induzir as pessoas a usá-lo ao máximo; o modelo do negócio se baseava na publicidade, que tem apetite infinito pelo tempo das pessoas FOTO: MISTER THOMS

I

Num dos últimos dias de fevereiro de 2016, Mark Zuckerberg fez circular um memorando entre todos os funcionários do Facebook, tratando de um gesto inquietante da parte do pessoal. A mensagem dizia respeito a certas paredes da sede da empresa, em Menlo Park, na Califórnia, usadas como um mural onde qualquer funcionário pode deixar sua assinatura ou escrever algumas palavras. Em mais de uma ocasião, alguém tinha riscado as palavras Black Lives Matter [Vidas Negras Importam] e escrevera por cima All Lives Matter [Todas as Vidas Importam]. Zuckerberg queria que o responsável parasse com aquilo. “Que Vidas Negras Importam não significa que as demais não tenham importância”, dizia o memorando. “Nunca impusemos regras sobre o que as pessoas podem ou não escrever nos nossos murais”, continuava o texto, mas “riscar o que outro escreveu significa silenciar a palavra alheia, ou [dizer] que a palavra de uns vale mais que a de outros.” As rasuras, afirmava, estavam sendo investigadas.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Nicholas Thompson

Nicholas Thompson é diretor de redação da Wired.

Fred Vogelstein

Fred Vogelstein é editor da Wired.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

4

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

7

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

8

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

9

Falta combinar no WhatsApp

Por 24 horas, a piauí acompanhou quatro grupos de caminhoneiros no aplicativo; viu minuto a minuto eles se insurgirem contra as forças federais, desprezarem o acordo de Temer e se negarem a encerrar a paralisação

10

O matemático que deu profundidade à superfície

Geômetra Manfredo do Carmo, fundador de seu campo de pesquisa no Brasil e pesquisador emérito do Impa, morre aos 89 anos