ficção

Dona Josefa

A briga era contra a política conservadora estendida como véu espesso sobre o Império

Ana Luisa Escorel
Josefa Carneiro de Mendonça (à esq.), o marido, João José, filhos e o genro, Antônio Paulino Limpo de Abreu (à dir.), em foto de 1841, quando viajaram ao Rio para a coroação de dom Pedro II
Josefa Carneiro de Mendonça (à esq.), o marido, João José, filhos e o genro, Antônio Paulino Limpo de Abreu (à dir.), em foto de 1841, quando viajaram ao Rio para a coroação de dom Pedro II FOTO: ACERVO FAMILIAR

Josefa Carneiro de Mendonça nasceu em Santa Luzia de Goiás (GO), em 1780, e mudou-se na infância para Araxá (MG). Quando eclodiu a Revolução Liberal de 1842, em oposição à política conservadora do segundo ministério de Pedro II, Josefa assumiu a liderança do movimento no oeste de Minas. Em razão disso, foi presa por cerca de dois meses e meio, julgada e, por fim, inocentada, depois que o defensor fez convergir todas as responsabilidades para um filho dela, também líder na revolução. Em 14 de março de 1844, o imperador concedeu anistia a todos os implicados no movimento. O núcleo familiar de Josefa deixou Minas e se estabeleceu em Petrópolis (RJ), onde suas terras dariam origem, anos depois, a um bairro conhecido como Posse dos Carneiros – hoje, simplesmente Posse. Foi também em Petrópolis que ela morreu, em 1855.
A seguir, piauí publica um trecho do livro Dona Josefa, ficção histórica sobre a líder revolucionária.

 

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Ana Luisa Escorel

Ana Luisa Escorel é designer, editora e escritora.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #48: O avanço da Previdência, os ataques de Carluxo e a redução da pena de Lula

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

“PSL é a Geni do governo Bolsonaro”

Líder do partido no Senado diz que ministros são mal-educados com a base e que nunca falou com Santos Cruz

Sob Bolsonaro, militares perdem popularidade

Pesquisa inédita do Ibope revela queda de 13 pontos na preferência por governo militar entre brasileiros

Operação cerca-índio

Grilagem, desmatamento e perseguição a líderes assombram territórios indígenas em Rondônia

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

Maria vai com as outras #7: Rugas de preocupação

Uma professora de inglês e uma física falam sobre como envelhecer afetou suas carreiras, suas vidas pessoais, a maneira como se apresentam e o que escolhem para vestir

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

Mais textos
1

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

3

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

4

O apocalipse dos insetos

O futuro sinistro de um mundo sem mosquitos nem abelhas

5

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

6

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

7

Sob Bolsonaro, militares perdem popularidade

Pesquisa inédita do Ibope revela queda de 13 pontos na preferência por governo militar entre brasileiros

8

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

9

O chanceler do regresso

Os planos de Ernesto Araújo para salvar o Brasil e o Ocidente

10

Ordem no bandejão

Universitários se reúnem para celebrar o conservadorismo