cartas

Drummond, Proust e Dirceu

DRUMMOND E O ABISMO

O diálogo entre os artigos da piauí é frequente e foi sobre essa rocha, literalmente, que a edição de julho foi alicerçada. De um lado, José Miguel Wisnik nos apresenta um excerto de seu livro que faz uma releitura da obra poética de Drummond (“O poeta e a pedra”) e explica como ele tirou leite de pedra para compor seus versos biográficos, forjados a ferro e fogo, da mesma forma que sua Itabira se transformou de cidade natal em cidade metal. A pedra no meio do caminho do poeta é uma alegoria do ambiente explorado e exportado do Brasil.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES