cartas

Drummond, Proust e Dirceu

DRUMMOND E O ABISMO

O diálogo entre os artigos da piauí é frequente e foi sobre essa rocha, literalmente, que a edição de julho foi alicerçada. De um lado, José Miguel Wisnik nos apresenta um excerto de seu livro que faz uma releitura da obra poética de Drummond (“O poeta e a pedra”) e explica como ele tirou leite de pedra para compor seus versos biográficos, forjados a ferro e fogo, da mesma forma que sua Itabira se transformou de cidade natal em cidade metal. A pedra no meio do caminho do poeta é uma alegoria do ambiente explorado e exportado do Brasil.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro vai pior que os prefeitos 

Segundo Ibope Inteligência, avaliação do presidente é negativa em metade das 26 capitais

“O presidente sou eu!” – quem diria?

Chico Rei Entre Nós e Verlust na Mostra Brasil

Retrato Narrado #5: O caminho até o Planalto

Muitos acontecimentos naqueles meses de 2018 surpreenderam, entre eles um atentado contra Bolsonaro.

De parceiro de condomínio a queridinho do PSL

Colega de escritório do vice-presidente do partido recebe 4,2 milhões de reais para disputar prefeitura do Recife, mas só tem 1% de intenção de voto

O banco imobiliário do PCC

Esquema de compra e venda de imóveis da facção criminosa movimentou 100 milhões de reais em 28 anos

Feira livre de Covid

Cientistas rastreiam transmissão em cidade turística alagoana e ajudam a criar protocolos sanitários para manter atividades econômicas

Mais textos