perfil

Dui bop du bá

Uma visita a Leny Andrade, a dama do improviso vocal

Armando Antenore
Em 1960, aos 17 anos, a carioca Leny Andrade se proclamou “um músico que canta”. Não disse “musicista”, como seria de se esperar para uma mulher daquele tempo. Falou “músico”, no masculino. Ela desejava se colocar em pé de igualdade tanto com os instrumentistas quanto com os homens
Em 1960, aos 17 anos, a carioca Leny Andrade se proclamou “um músico que canta”. Não disse “musicista”, como seria de se esperar para uma mulher daquele tempo. Falou “músico”, no masculino. Ela desejava se colocar em pé de igualdade tanto com os instrumentistas quanto com os homens FOTO: NANA MORAES_2019

De peito estufado, barbudo e com os cabelos na altura do ombro, Carmo Dalla Vecchia trajava roupa de gala quando entrou em cena. Eram cinco e pouco da tarde, e a Globo reprisava Cordel Encantado, novela de época que exibiu pela primeira vez entre abril e setembro de 2011. Na trama, o ator gaúcho interpreta o rei Augusto Frederico III. Sentada diante da tevê, Leny Andrade interrompeu nossa conversa mal o avistou. Permaneceu uns segundos em silêncio, como que hipnotizada pelo monarca de olhos verdes. “Que beleza de rapaz, meu Deus!”, comentou enfim. “Um pedaço de mau caminho!”

Não se pode dizer que Dalla Vecchia seja propriamente um rapaz. Embora ainda carregue com brio o rótulo de galã, já se aproxima dos 50. Nasceu quase três décadas depois de Leny, que iria completar 76 anos dentro de uma semana, em 26 de janeiro. “O Tom é do dia 25, sabia? Dois aquarianos… Eu e o Tom… Mais cariocas do que nós, impossível! Só que o Tom chegou antes, em mil novecentos e… Não me recordo agora, mas garanto que temos uma boa diferença de idade.” Natural da Tijuca, bairro da Zona Norte, o compositor Tom Jobim morreu em 1994, perto dos 68 anos. Mesmo assim, Leny prefere conjugar os verbos no presente quando fala dele. “Eu também sou da Zona Norte – do Méier, conhece? Como o João Nogueira e o… Qual o nome daquele outro sambista do Méier? Famoso demais! Não vou lembrar… Me desculpe.”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Armando Antenore

Editor da piauí, é autor de Júlia e Coió, Rita Distraída e Sorri, Lia! (Edições SM)

Leia também

Últimas

A morte em segredo

O conhecido médico negacionista Anthony Wong morreu de Covid-19 – mas isso foi escondido por 123 profissionais do hospital da Prevent Senior

Reforma administrativa ameaça democracia

Fim da estabilidade dos servidores, uma das propostas da mudança, fragiliza o Estado e coloca em risco as políticas públicas

Matemática que multiplica horas e projetos

Universitário do interior de Alagoas conta como realizou o sonho de conquistar medalhas em olimpíadas científicas e hoje incentiva outros jovens a participar dos concursos

O fim do dinheiro no país dos pixelados

Com o Pix a pleno vapor, cai a circulação de papel-moeda e bancos fecham cada vez mais agências; economia digital, no entanto, ainda exclui parte dos brasileiros

No rastro da Covaxin

Assim como a PF, a piauí vem investigando a Precisa Medicamentos e o escândalo da vacina indiana. Para entender melhor o caso, confira o roteiro do que já publicamos

Mais textos