carta da Venezuela

Eldorado trágico

Os caminhos violentos do garimpo no país de Maduro

Paula Ramón
A desconfiança é regra entre os venezuelanos, mas nos garimpos se manifesta de forma mais intensa. As pessoas temem umas às outras, o medo é constante: medo dos policiais, dos criminosos e da guerrilha, todos disputando o controle das minas
A desconfiança é regra entre os venezuelanos, mas nos garimpos se manifesta de forma mais intensa. As pessoas temem umas às outras, o medo é constante: medo dos policiais, dos criminosos e da guerrilha, todos disputando o controle das minas FOTO: JUAN BARRETO_AFP / GETTY IMAGES

Cheguei a Ciudad Guayana, no Sudeste da Venezuela, no início da noite. Era terça-feira, mas havia poucos carros circulando. As ruas, quase às escuras devido à iluminação precária, também estavam silenciosas. Tanto assim que na entrada do hotel era possível ouvir os grilos no jardim. “As pessoas se recolhem cedo”, disse Júnior Hernández, o motorista que me acompanhava na cidade. “Por causa da violência, não há muitos locais abertos depois das oito da noite.”

De fato. Quando saímos para jantar, encontramos aberta apenas uma arepera, quase vazia, onde me chamou a atenção um cartaz que dizia: “Proibido usar armas de fogo neste espaço.”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Paula Ramón

Jornalista venezuelana, é correspondente da AFP em São Paulo

Leia também

Últimas Mais Lidas

China leva churrasco brasileiro

Peste dizima rebanho suíno chinês; para suprir demanda externa, picanha bovina sobe até 33% nos supermercados do Brasil

Uísque com sopapos

Presidente da Firjan consegue aprovar mudança em regra eleitoral que lhe permite disputar nono mandato; disputa sucessória causa confusão em happy hour de empresários

Foro de Teresina #80: A tragédia em Paraisópolis, o desaforo de Trump e a cultura do desaforo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Conversão na fé ou na marra

Diante da ameaça de facção criminosa no Acre, integrantes de grupo rival têm de optar entre aderir a invasores ou entrar para igrejas evangélicas – e gravar vídeos como prova

2020 – Esperança vã

Propósito deliberado do governo Bolsonaro é asfixiar atividade cinematográfica

Na piauí_159

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

O sapo escaldado da democracia

Prisão de brigadistas aumenta mais um grau em ambiente de autoritarismo lento e irrestrito  

Em busca do centro perdido

Cinco partidos se reúnem em torno de Rodrigo Maia, assumem o nome de Centro e investem nas redes contra a "guerra dos extremos"

Mais textos