memórias político-ludopédicas

Feitiço e o paulista de Macaé

O dia em que um jogador enfrentou Washington Luís em São Januário

Boris Fausto
No âmbito do futebol, uma rivalidade tempestuosa marcava as relações entre dirigentes paulistas e cariocas, desde pelo menos a criação, em 1916, da Confederação Brasileira de Desportos
No âmbito do futebol, uma rivalidade tempestuosa marcava as relações entre dirigentes paulistas e cariocas, desde pelo menos a criação, em 1916, da Confederação Brasileira de Desportos IMAGEM: REVISTA DA SEMANA_NOVEMBRO DE 1927_ACERVO DA FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL_BRASIL

Não era uma pelada qualquer, mas uma partida decisiva entre as seleções paulista e carioca de futebol, na final do 6º Campeonato Brasileiro. A data, 13 de novembro de 1927. O local, o fabuloso estádio de São Januário – o maior da América do Sul –, orgulho do Vasco da Gama e da colônia portuguesa do Rio de Janeiro, inaugurado naquele ano.

Uma multidão calculada em 40 mil pessoas – o Rio tinha por volta de 1,5 milhão de habitantes – lotava São Januário, desde gente simples acomodada nas arquibancadas até a elite, com homens de palheta, terno e gravata, e senhoras elegantes enfarpeladas de acordo com a moda. A diversidade era retrato de um instante de passagem em que o futebol estava se popularizando rapidamente, mas ainda conservava algo dos tempos em que fora um jogo exclusivo, uma paixão de gente bem-posta na vida.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Boris Fausto

Boris Fausto, historiador e ex-professor de ciência política da USP, é membro da Academia Brasileira de Ciências.

Leia também

Últimas

Quem é o terrorista?

Dez questões para ajudar a entender por que o novo projeto de lei contra o terrorismo ameaça seu direito de manifestação

Descontrole total

Documentário mostra como Trump desdenhou da Covid – inspiração seguida pelo ocupante do Planalto

Covid rouba dois anos da expectativa de vida dos brasileiros

Mortalidade associada à doença diminui esperança de vida de 77 para 75 anos; Rio e Porto Alegre registraram mais mortes que nascimentos em 2020

Desenvolver vacina no Brasil é dose

Além do coronavírus, cientista batalha contra negacionismo, orçamento curto, burocracia e exaustão

Memória de uma dor sem fim

Mãe da menina Isabella Nardoni, assassinada em 2008, troca mensagens de apoio com o pai do menino Henry Borel

“Queremos testar medicamento contra Covid no Brasil”

Brasileiro reproduz em laboratório de universidade americana anticorpos que combatem coronavírus

Mais textos