portfólio

Frascos fresquíssimos

Sorry, periferia: nem precisava, mas eles ainda têm perfume dentro

Christie Mayer Lefkowith
Assim se vestia um
perfume parisiense em
1920: <i>C’est?</i>, da Silka,
que fi cou fechada
durante a II Guerra
Assim se vestia um perfume parisiense em 1920: C’est?, da Silka, que fi cou fechada durante a II Guerra FOTO: CHRISTIE MAYER LEFKOWITH

Um frasco de Myrbaha, um perfume fabricado em 1913, está à venda na internet por 1 650 euros. É uma relíquia da Bichara, grife de um libanês estabelecido em Paris no fim do século XVIII, que se apresentava à sociedade da belle époque como “perfumista sírio”. O vidro, que tem na tampa uma cabeça de faraó em cristal fosco, é uma peça numerada da Baccarat, vidraria estabelecida na Lorena ainda no reinado de Luís XV, sob os auspícios do ministro Jean-Baptiste Colbert, cujas normas industriais inauguraram, para os artigos de luxo franceses, a fama que eles desfrutam até hoje.

Decadente, a Bichara fechou as portas na década de 1950. Não restou nenhuma gota de Myrbaha dentro do vidro. O frasco é, por si só, uma peça de coleção, típica do que Christie Mayer Lefkowith, comerciante de arte decorativa, considera o apogeu do luxo engarrafado: a virada do século XX, quando o rótulo tradicional em garrafa anônima já não bastava. Desenhistas como René Lalique, pintores como Salvador Dalí e costureiros como Paul Poiret começaram, de uma hora para outra, a engendrar invólucros de perfumes cada vez mais ostentatórios. Eles ganharam plumas, fitas, madeiras raras, filetes de ouro, estojos de jóia, curvas de esculturas em art nouveau e até adereços de baquelita, o primeiro plástico a entrar na moda. Lefkowith é autora de um guia para quem quiser fuçar as obras-primas da perfumaria clássica sem usar o nariz, mas os olhos. Eis algumas das peças que ela coleciona, descreve e recomenda.

Lançado no Natal de 1909 e baseado em um amuleto egípcio, como mandava o sincretismo religioso do colonialismo europeu, o Scarabée, da Piver, enfeitou-se com um verdadeiro festival de escaravelhos sagrados, no frasco, no estojo de couro e na caixa de talco.

Amour en Cage – ou seja, Amor na Gaiola – da Cadolle, uma fabricante de corpetes e sutiãs que estreou na perfumaria em 1929 com esta prova de perícia em confecção de suportes para ornamentos instáveis.

O altar portátil do Merry Christmas, lançado no Natal de 1927 pela Benoit, foi desenhado pelo vidreiro parisiense Maurice Dépinoix. A Benoit era adepta de rótulos explícitos e, para festas mais profanas, vendia um perfume chamado “Noite de Loucura”.

Un Peu d’Ambre –Um Pouco de Âmbar – da Houbigant, em frasco Baccarat de 1919. Estabelecida no século XVIII, a Houbigant perfumou Maria Antonieta até o fim.

Quand Vient l’Été – Quando Chega o Verão – da Guerlain, em 1910. Fundada no começo do século XIX, a Guerlain mantém o nome de família, mas mudou de mãos e passou a encomendar suas fragrâncias, em vez de criá-las em suas oficinas da praça Vendôme.

Christie Mayer Lefkowith

Christie Mayer Lefkowith é especialista em perfumes antigos. Parte de sua coleção foi publicada no livro The Art of Perfume, da Thames and Hudson.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Quando gente vira cobaia

Fernando Reinach explica quais são e como funcionam os controles que existem para cientistas não ultrapassarem limites éticos em suas pesquisas

Vacinas na mira dos boatos

De carona na recusa do governo federal à vacina chinesa, conteúdos falsos e enganosos sobre imunização se intensificam nas redes sociais

Faltou combinar com a Bahia

Defensor do apoio a Ciro Gomes em 2018, senador Jaques Wagner minimiza encontro do pedetista com Lula e diz que presidenciável cearense se aproxima da direita

As incríveis aventuras do ministro-astronauta

Pontes nomeou para cargo de confiança sócia com quem mantém rede de empresas para venda de bonecos, livros, palestras motivacionais e viagens ao espaço

A esquerda que se arma contra Trump

Cultura armamentista típica dos conservadores americanos ganha cada vez mais adeptos entre minorias e grupos de tradição democrática

Foro de Teresina #124: O bolsonarismo frita seus generais

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Pastores, polícias e milícias

As eleições municipais e a multiplicação do bolsonarismo

Mais textos
1

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

3

Entre o planejamento e o improviso

Pelo mesmo motivo que escolhi a Argentina para torcer na semifinal, me decidi pela Alemanha na decisão. Ao menos os alemães ganharam suas três partidas de mata-mata com a bola rolando. Além disso, uma vitória da seleção alemã premiará o planejamento, a renovação e o trabalho bem feito, ampliando o tamanho da lição que recebemos no dia que não existiu.

4

Viva o quarto aniversário!

Uma edição com poesia, ficção, ensaios e chulices de primeira

5

Le roi est mort, vive Gotlib

Pérolas aos poucos

7

O Gênesis

A versão oficial da Bíblia no traço do cartunista americano

8

Elos perdidos

Entre o Palácio do Planalto e os traficantes, as associações de moradores de favelas

10

Dado Dolabella exige que seus namoros sejam cobertos pelo SUS

RIO DE JANEIRO – O ator, cantor e enfant terrible Dado Dolabella declarou ontem que tem mais de dez anos de bons serviços prestados à saúde pública brasileira "sem jamais ter recebido um tostão por isso”. Dolabella se referia à afirmação do ministro da Saúde, José Gomes Temporão, segundo a qual o sexo é um dos meios mais eficientes para combater a hipertensão, um mal que aflige uma fatia crescente da população brasileira.