questões vernáculas

Hipocorísticos e suarabáctis

Aleluia!, diminutivozinhos e apelidos antiululantes não são apenas coisa de sevandijas ou desbussolados

Walnice Nogueira Galvão
Por que gostamos de umas palavras e implicamos com outras? A que se deve essa arbitrariedade?
Por que gostamos de umas palavras e implicamos com outras? A que se deve essa arbitrariedade? ILUSTRAÇÃO: GRAEME WILCOX_ILLUSTRATION WORKS_GETTY IMAGES

O gosto pelo hipocorístico, como se sabe, é acentuado entre os brasileiros, que põem diminutivos não só em nomes próprios mas em quase tudo. Até em numerais cardinais. Pode-se dizer hoje zerinho, ou, no século passado, unzinho e doisinho, como anotou Sílvio Romero nos Estudos sobre a poesia popular do Brasil. Ele acrescenta a afirmação de José de Alencar, segundo quem, no Ceará de seu tempo, isso se fazia até com particípios presentes, quando as mães diziam após ninarem os filhos: “Está dormindinho!”. Mário de Andrade, paladino da fala popular, escreveu no poema sobre a história de Pedro (nº 19, sem título, na Lira Paulistana) que este “foi subindinho”.

Sílvio Romero chama a atenção ainda para os termos de carinho, em que os brasileiros incorrem no mesmo vezo: meu santinho, meu benzinho, meu amorzinho. Neste setor, o exagero é menos de espantar. Mas que dizer de diminuir outros tempos de verbo, bem como pronomes ou advérbios? E vai registrando “tuzinho, elezinho, assimzinho, mesminho, chorandinho, estàzinho, erazinho”. Romero atribui tal uso à influência africana, já que o estatuto do escravo o reduzia à servilidade ante o senhor, para quem criou os tratamentos familiares de sinhá e iaiá, sinhazinha e iaiazinha, sinhô e ioiô, sinhozinho e ioiozinho.

Ao escrever sobre pidgins e línguas crioulas do continente em “A linguagem na América”, Richard M. Morse examinou o cacoete em vários povos, concluindo que pode incidir numa solicitação de benevolência, certamente endereçada pelo mais fraco ao mais poderoso. E lembra o exemplo mexicano do advérbio ahora, enfatizado em ahorita, e até mesmo em ahoritita, que, longe de prometer rapidez, apenas visa a apaziguar o interlocutor. Nós mesmos temos o adjetivo pequeno, que já indica tamanho reduzido. Não contentes, ainda o minimizamos nas formas pequenino ou pequeninho e até pequenininho. Em geral achamos pitoresco esse tipo de prática, sem nos determos em suas implicações psicossociais.

Um uso lingüístico paralelo é o que concerne aos hipocorísticos, expressão verbal de afetividade, tornando os apelidos de enorme freqüência entre os brasileiros. Costumo indagar a que onomásticos correspondem os mais inauditos. Vivi um lance frustrante, na mesma cidadezinha colonial, Parati, em que Sílvio Romero foi juiz por algum tempo e onde, a seu ver, o recurso aos diminutivos atinge o paroxismo. Tendo sido apresentada a um pescador chamado Digau, apelido para mim desconhecido, perguntei-lhe se seu nome não seria Edgar.



O que parecia óbvio, sobretudo na pronúncia brasileira (não Édgar, mas Edigár), pois desmanchamos os encontros consonantais mediante a intromissão de uma vogal, operando o que os gramáticos designam pelo termo sânscrito de suarabácti. Tais colisões, não sei por quê, são insuportáveis a nossos ouvidos, ao contrário dos portugueses, que omitem todas as vogais. Mesmo sem maior fundamento, é opinião corrente tratar-se aqui igualmente de ecos africanos, já que cidadãos de Moçambique, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau etc. também tendem a uma dicção mais relaxada e menos contraída do que a lusitana. Assim, dizemos peneu em vez de pneu, adevogado em vez de advogado, Dejanira em vez de Djanira, adimirar em vez de admirar. Para mim, Digau só podia ser corruptela de Edgar.

A resposta que ele me deu foi negativa. Retruquei: “E como é seu nome, então, já que não é Edgar?”, ouvindo de volta que era Benedito. Não houve jeito de conseguir passar do nome ao apelido. Insisti: “Mas por que o chamam Digau?” Resposta: “Por causa de um tio meu, que se chamava Digau. Todo mundo me chamava pelo apelido dele, o Digau, o sobrinho do Digau”. Achando que tinha chegado aonde queria, e pensando que agora o pegava, insisti, vitoriosa: “Ah-ha! Com que então o nome de seu tio era Edgar!”. Ao que meu interlocutor, bem depressa: “Não senhora. Era Benedito também”. De volta à estaca zero: ganhou a inventividade da língua.

Por que gostamos de algumas palavras e implicamos com outras? A que memórias afetivas, a que associações insuspeitadas se deve tamanha arbitrariedade?

Para Freud, arbitrário é que não é. Todo capricho, ojeriza ou deformação que diga respeito a palavras, sustenta o líder da bancada vienense, tem raiz no inconsciente e seus mecanismos de manipulação de experiências.

Os lingüistas, por sua vez, não se cansam de explorar o funcionamento da camada dos significantes, especulando como se contaminam, percorrem meandros ou trocam de lugar, sem que seja necessário aprofundar a explanação até um patamar psicanalítico.

Os poetas, então, têm aqui uma fonte de deleite perpétuo. Brincam com as palavras desde que a escrita começou, e provavelmente antes disso, em jogos orais. Pelo menos, é o que se pode verificar ainda hoje nos afluentes ágrafos da literatura.

Não só os poetas, os prosadores também. Considere-se James Joyce e o palavrão de 100 grafemas, que surge várias vezes em Finnegans Wake, quando o gigante Finn leva um tombo. Em sua aparição inaugural, logo na primeira página, sugere um trovão e um cataclismo: bababadalgharaghtakamminarronnkonnbronntonnerronntuonn-
thunntrovarrhounawnskawntoohoohoordenenthurnuk! (Atenção, revisor: é assim mesmo).

Guimarães Rosa deu-se ao luxo de compor derivações inusitadas, como o nome do vaqueiro Moimeichego, em Cara de Bronze, a que chegou, conforme explicou a seu tradutor e correspondente Edoardo Bizzarri, adicionando pronomes de primeira pessoa em várias línguas: Moi+me+ich+ego. Pronunciados segundo a prosódia brasileira, tornam-se irreconhecíveis.

Joyce também se entregara a malabarismos do mesmo jaez, procedimento a que recorreu inúmeras vezes, como quando compôs o onomástico Mamalujo a partir da primeira sílaba dos quatro evangelistas: Mateus, Marcos, Lucas e João.

O Nobel de Física de 2004 agraciou três pesquisadores por seus trabalhos sobre a partícula quark, que se apresenta em tríades. Eles devem saber que a teoria dos quanta assim a batizou em homenagem a Joyce, que inventou o vocábulo, ao redigir a frase: “Three quarks for Muster Mark”.

Quando quiser insultar alguém, chame-o de sevandija. A palavra, que podemos fisgar na literatura infantil de Monteiro Lobato, é da melhor cepa lusa. Ela denomina qualquer inseto imundo, desses que vegetam debaixo de uma pedra ou nas frinchas cheias de umidade e bolor das paredes. Imaginem baratas, percevejos, centopéias, piolhos-de-cobra, marias-fedidas, barbeiros… Mas também preexiste, abonada em dicionário, sua acepção metafórica, em que os atributos dos animálculos são aplicados aos seres humanos, qualificando indivíduos torpes ou vis. É um insulto e tanto.

Entretanto, há ocasiões em que convém ser mais sutil. Para essas, recomendamos o uso do termo desbussolado. Não é nada demais, apenas indica que alguém perdeu a bússola, mostrando-se desorientado. Mas, por artes dos sons e silêncios, parece coisa muito pior. Aliás, nem figura nos dicionários, nem no Aurélio, nem no Houaiss. É puro galicismo (“débussolé“), embora autores castiços como o ensaísta português Antonio Sérgio, de impecável classicismo, o utilizem. Deve-se empregar nos casos em que uma retirada estratégica seja recomendável. Sempre se pode dizer que houve engano, a intenção não era essa, o vocábulo absolutamente não significa o que parece – e retirar a ofensa.

Já uma das palavras mais lindas que existem é aleluia. Convida ao devaneio, sugerindo conexões milenares que não têm a menor base, mas muito alegram. A palavra é bíblica, do Velho Testamento, e quer dizer “louvar com júbilo” (subentendido, a Iavé, o designado pelo tetragrama, o de nome impronunciável).

Devido a essa origem, existe em muitas línguas, sem alterações. Para mim, deve ser onomatopaica. Observe-se qualquer ritual de agora, como a cerimônia de matrimônio, em que mulheres árabes ou africanas proferem um alarido de boca em / u / e língua tremulante. Thomas Mann tentou verter um equivalente do que leu na Bíblia ao escrever a tetralogia de José, quando diz que os pastores, em sua exultação, bradavam “lu, lu, lu”. Daí deve provir também o verbo ulular em português, que quer dizer aproximadamente a mesma coisa: as mulheres árabes ou africanas ululam nessas ocasiões. Penso que foi uma similaridade que Edgar Allan Poe percebeu, quando criou o Ulalume.

Nada disso tem comprovação científica. É tudo invenção de quem assina estas linhas.

Walnice Nogueira Galvão

Walnice Nogueira Galvão, escritora e ensaísta, publicou no ano passado Mínima Mímica, da Companhia das Letras.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Cercados pelas chamas

Uma família encurralada em casa por um incêndio no Cerrado

Roupa suja lavada a jato

Como lavajatistas e bolsonaristas se aproximaram, se afastaram, romperam ao longo do governo - e publicaram tudo nas redes

Foro de Teresina #118: O presidente no meio do fogo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

A mão que acende o fogo

Aquecimento global e desmatamento aumentam o material combustível para os incêndios, mas, sem ação de pessoas, o Pantanal e a Amazônia não queimariam assim

“O fogo acabou com tudo”

Líder indígena em Mato Grosso relata como as queimadas avançam sobre sua aldeia, destruindo casas, árvores, animais e memórias

Mais textos
2

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

3

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

6

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário